Poética no Improviso

Autores

Palavras-chave:

Poética, Improviso, Público

Resumo

O presente artigo discute a poética no improviso e a delicada rede de relações que se estabelece entre o público e os atores. Os fatores intervenientes na construção de cenas e a análise dos meandros pelos quais passam atores e público no processo de dar materialidade às ideias.

Biografia do Autor

Vera Cecilia Achatkin, Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), Brasil

Doutora e Mestre em Artes pela ECA-USP.

Graduada em Artes Cênicas pela ECA-USP e em Psicologia pela Universidade Católica de Santos.

Professora titutar da FAAP. Atua na Faculdade de Artes Plásticas, nos cursos de Licenciatura em Artes Visuais e Produção Cultural. Coordena a Pós-Graduação em Produção e Gestão Cultural.

 

 

Referências

ARISTÓTELES. Poética. Tradução, prefácio, introdução, comentário e apêndices de Eudoro de Sousa. 4ª. ed. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1994.

BORIE, Monique et alli. 2ª ed. Estética teatral: textos de Platão a Brecht. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2004.

BRANDÃO, Junito. 2ª. ed. Teatro grego: a tragédia e a comédia. Rio de Janeiro: Vozes,1984.

BRUNA, Jaime. A Poética Clássica. São Paulo: Cultrix, 1981.

CHACRA, Sandra. Natureza e sentido da improvisação teatral. São Paulo: Perspectiva,1983.

COHEN, Renato. Work in progress na cena contemporânea. São Paulo: Perspectiva, 2004.

DESGRANGES, Flávio. A pedagogia do espectador. São Paulo: Hucitec, 2003.

DOLOZEL, Lubomir. A poética ocidental, tradição e inovação. Trad. Vivina de Campos Figueiredo. Lisboa: 1990.

GOMES, Wilson. Estratégias de produção de encanto. In: Textos de Cultura e Comunicação, nº 35. Salvador: Programa de Pós Graduação em Comunicação e Cultura Contemporânea, FACOM/UFBA, 1996.

HAAR, Michel. A obra de arte: ensaio sobre a ontologia das obras de arte. Rio de Janeiro: Difel, 2000.

JOHNSTONE, Keith. Theaterspiele – Spontaneität, Improvisation und Theatersport. Tradução para o Alemão de Berlin: Alexander Verlag, 2006.

________________. Impro for storytellers. NY: Routledge, 1999.

LEHMANN, Hans-Thies. Teatro pós-dramático. 2ª ed. São Paulo: Cossac-Naify, 2011.

PAREYSON, Luigi. Os problemas da estética. Trad. de Maria Helena N. Garcez. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

ROBERTS, Philip. The Royal Court Theatre and the Modern Stage. Cambridge: University Press, 1999.

ROUBINE, Jean-Jacques. A arte do ator. Rio de Janeiro: Zahar, 1990.

VALERY, Paul. Primeira aula do curso de poética. In: Variedades. São Paulo: Iluminuras, 1991.

SILVA, Armando Sérgio (org.). J. Guinburg: diálogos sobre teatro. São Paulo: EDUSP, 2002.

WARDLE, Irving. The Theatres of George Devine. Londres: Jonathan Cape, 1978.

TESES E DISSERTAÇÕES:

ACHATKIN, Vera. O Teatro-Esporte de Keith Johnstone: o ator, a criação e o público. ECA-USP, 2010 (tese de doutorado).

______________. O Teatro-Esporte de Keith Johnstone e o ator: da ideia à ação – a improvisação como instrumento de transformação para além do palco. ECA-USP, 2005 (dissertação de mestrado).

Downloads

Publicado

2015-11-26

Como Citar

ACHATKIN, V. C. Poética no Improviso. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, [S. l.], p. 194–205, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/15695. Acesso em: 26 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê