MEMÓRIAS EM FRAMES

O SUPORTE 16MM E A EXPERIÊNCIA DE FAZER CINEMA

Autores

  • Marilice Amábile Pedrolo Daronco Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Brasil http://orcid.org/0000-0002-4397-2681
  • Cássio dos Santos Tomaim Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Brasil

Palavras-chave:

Memória, cinema do Rio Grande do Sul, filme 16mm.

Resumo

A partir de pesquisa documental e de história oral, este artigo objetiva apresentar a importância das produções em 16mm para a historiografia do cinema brasileiro, no contexto de produção cinematográfica nos anos de 1960 em Santa Maria, cidade da região central do Rio Grande do Sul. A bitola foi a primeira a diminuir os custos de produção, possibilitando a realização das duas produções pioneiras santa-marienses. Pretende-se demonstrar como os filmes A Ilha Misteriosa (1962), de José Feijó Caneda, e A Vida do Solo (1968), de Anna Primavesi, Orion Mello e Joel Cambraia Saldanha, contribuíram para a experiência audiovisual na cidade.

Biografia do Autor

Marilice Amábile Pedrolo Daronco, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Brasil

Mestranda em Comunicação Midiática, Linha Mídia e Identidades Contemporâneas pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria (POSCOM-UFSM). Graduada em Comunicação Social – Jornalismo pela mesma instituição. Especialista em Cinema pelo Centro Universitário Franciscano. Membro do GP Moviola (Laboratório de Estudos e Pesquisas em Memória e Narrativas Audiovisuais).

Cássio dos Santos Tomaim, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Brasil

Orientador da pesquisa em andamento sobre o tema. Doutor em História pela Universidade do Estado de São Paulo (Unesp/Franca). Professor dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação Midiática e em História da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Professor do Departamento de Ciências da Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria.

Referências

ASSMANN, Aleida. Espaços de recordação: formas e transformações da memória cultural. Trad. Paulo Soethe. Campinas: Editora da Unicamp, 2011.

BARICHELLO, Eugênia Mariano da Rocha. Os 50 anos da nova universidade. Santa Maria: Editora UFSM, 2012. 146p.

_______. Comunicação e Comunidade do Saber. Santa Maria: Palotti, 2001. 196p.

BECKER, Tuio (org.). Cinema no Rio Grande do Sul. Cadernos Porto & Vírgula, v. 8. Porto Alegre: Unidade Editorial, 1995.

_______.Cinema gaúcho, uma breve história. Porto Alegre, RS: Movimento, 1986.

BLANK, Thais Continentino. Da tomada à retomada: origem e migração do cinema doméstico brasileiro (1920 -1965). 2015. 208p. Tese (Doutorado Tecnologias da Comunicação e Estéticas/ Histoire de L’Art) - Universidade Federal do Rio de Janeiro/Paris 1, Rio De Janeiro (RJ)/ Paris (FR), 2015.

CESARO, Caio Julio. Em Preservação e restauração cinematográficas no Brasil: a restauração do acervo de Hikoma Udhiara. 2007. 337p. Tese (Doutorado em Multimeios) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

EDERA, Bruno. Full lenght animated feature films. 1.ed. Oxford: Focal Press, 1977.

HISTÓRIA da Kodak, disponível em <http://www.kodak.com/global/en/corp/historyOfKodak/historyIntro.jhtml>, acesso em 20 mar. 2016.

LE GOFF, J. História e Memória. São Paulo: Ed. Unicamp, 1990. 553p.

MEIHY, José Carlos e HOLANDA, Fabíola. História Oral: Como fazer, Como Pensar. 2 ED. São Paulo: Contexto, 2014.

MERTEN, Luiz Carlos. A aventura do cinema gaúcho. São Leopoldo, RS. Unisinos, 2002.

POLLAK, Michael. Memória e Identidade Social. In: Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol. 5.n. 10. 1992, p. 200-212.

_______. Memória, esquecimento, silêncio. In: Estudos históricos. Rio de Janeiro: CPDOC/FGV v. 2 n. 3, 1989, p.3-15.

PÓVOAS, Glênio. Histórias do cinema gaúcho: propostas de indexação 1904-1954. 2005.205p. Tese (Doutorado em Comunicação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2005.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Tradução: Alain François. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2007. 244p.

ROCHA, Glauber. Revolução do Cinema Novo. Rio de Janeiro: Alhambra/Embrafilme, 1981. 568p.

SALLES, Filipe. Bitolas e suportes no cinema. In: Mnemocine, disponível em: . Acesso em: 20 de outubro de 2014.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. 129p.

TEIXEIRA, Francisco Elinaldo (org). Documentário no Brasil: tradição e transformação. São Paulo: Summus, 2004. 382 p.

WINSTON, B. Technologies of seeing. Photography, Cinemathography and Television. Londres: BFI, 1996.

XAVIER, Ismael (org.). A experiência do cinema: antologia. 1.ed. Rio de Janeiro: Edições Graal & Embrafilme, 1983.

ZIMMERMANN, P. R. Reel families: A social history of amateur film. Indianapolis: Indiana University Press, 1995. 208p.

Filmografia

A VIDA do Solo. Direção: Orion Mello e Ana Primavesi. Santa Maria/RS: UFSM, 1968.Acervo pessoal de Orion Mello (48min), 16mm, color.

A IILHA Misteriosa. Direção: José Feijó Caneda. Santa Maria/RS. Foto Íris, 1962. Acervo pessoal de Jorge Omar Caneda (30min), 16mm, P&B.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2016-11-01

Como Citar

DARONCO, M. A. P.; TOMAIM, C. dos S. MEMÓRIAS EM FRAMES: O SUPORTE 16MM E A EXPERIÊNCIA DE FAZER CINEMA. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, [S. l.], p. 110–125, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/15742. Acesso em: 27 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos - Seção temática