O “cinema” cantado dos Maxakali

  • Charles Antônio de Paula Bicalho Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), Brasil
Palavras-chave: Imagem, Cinema, Maxakali

Resumo

Este estudo trata de aspectos da imagem na arte verbal dos Maxakali ou Tikmû’ûn, povo indígena que habita Minas Gerais. Com população em torno de dois mil indivíduos, os Maxakali falam sua língua ancestral, o Maxakali, do tronco linguístico Macro-Gê. Seus cantos rituais, chamados yãmîy, são pródigos na apresentação de imagens que descrevem elementos de seu mundo terreno e espiritual. Objetos, personagens, cenários, cenas e diálogos que compõem suas narrativas tradicionais emergem condensados em seus cantos durante seus rituais yãmîyxop. Compostos segundo um método ideogrâmico e emitidos em certa sequência, os cantos rituais yãmîy dão aos rituais maxakalis um caráter proto-cinematográfico, uma vez que evocam imagens sequenciais para narrar. Com foco no filme Konãgxeka: o Dilúvio Maxakali (2016), uma realização da produtora Pajé Filmes com os Maxakali, baseada em história tradicional deste povo, procura-se demonstrar como a lógica do ritual auxilia na estruturação da obra audiovisual.

Biografia do Autor

Charles Antônio de Paula Bicalho, Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), Brasil

Graduação em Letras na UFMG. Master of Arts pela Universidade do Novo México, EUA. Especialização em pós-produção para cinema, tv e novas mídias pela UNA-BH. Doutor em Estudos Literários pela Faculdade de Letras da UFMG. Pós-Doutor junto à CAPES/Ministério da Educação na Universidade do Novo México, EUA. Produtor, roteirista, editor e diretor audiovisual.

Referências

ALVARES, M. M. Yãmîy, os espíritos do canto: a construção da pessoa na sociedade Maxakali. Mestrado em Antropologia Social. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1986.

BICALHO, Charles. A imagem na arte verbal Maxakali: aspectos de uma poética de pajelança. Revista Galáxia, PUC-SP, p. 88-109, 2018.

BICALHO, Charles. Metamorfose na literatura Maxakali. Em Tese – revista do Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários (Pós-Lit), FALE-UFMG, Belo Horizonte, v. 19, n.13, p. 11-23, 2013.

BICALHO, Charles. Koxuk – a imagem do yãmîy na poética maxakali. Orientadora: Profa. Dra. Maria Inês de Almeida. 2010. 229 f. Tese. (Doutorado em Estudos Literários) – Faculade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.

BICALHO, Charles. Ideograma e pensamento selvagem: a arte e a ciência do yãmîy maxakali. Revista Gragoatá, Universidade Federal Fluminense, v. 12, n. 23, p. 169-187, 2007a.

BICALHO, Charles. Yãmîy maxakali: um gênero nativo de poesia. Revista Aletria, Faculdade de Letras da UFMG, v. 16, p. 119-132, 2007b.

CAMPOS, Haroldo de. (org.). Ideograma – lógica, poesia, linguagem. 3 ed. São Paulo: Edusp, 1994.

EISENSTEIN, Serguei. A forma do filme. Tradução: Teresa Ottoni. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2002.

GÉFIN, Laszlo K. Ideogram – history of a poetic method. Austin: U. of Texas Press, 1982.

KONÃGXEKA: o Dilúvio Maxakali. Direção e roteiro: Charles Bicalho e Isael Maxakali. Brasil: Pajé Filmes, 2016. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=_XKNdLtJZGs Acessado em: 18 de outubro de 2019.

LÉVI-STRAUSS, C. Antropologia estrutural. 4. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1991.

MACHADO, Arlindo. Pré-cinemas e pós-cinemas. Campinas, São Paulo: Papirus, 1997.

MAXAKALI, Povo. Yãmiy xop xohi yõg tappet – Livro de cantos rituais Maxakali. Belo Horizonte: Secretaria Estadual de Educação de Minas Gerais, 2004.

METZ, Christian. A significação no cinema. Tradução de Jean-Claude Bernardet. São Paulo: Perspectiva, 2014.

PEIRCE, C. S. Semiótica. 3 ed. Tradução de José Teixeira Coelho Neto. São Paulo: Perspectiva, 2005.

POPOVICH, A. Harold. Maxakali Supernaturalism. Dallas, Texas: Summer Institute of Linguistics, 1976.

RANCIÈRE, Jacques. O destino das imagens. Tradução de Mônica Costa Netto. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

TUGNY, Rosangela Pereira. Reverberações entre cantos e corpos na escrita Tikmû’ûn. Revista Transcultural de Música, n. 15, 2011. Disponível em: https://www.sibetrans.com/trans/public/docs/trans_15_18_Pereira.pdf. Acesso em: dez. 2018.

VIRILIO, Paul. Estética da desaparição. Tradução: Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 2015.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Araweté, os deuses canibais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1986.

Publicado
2019-11-22
Como Citar
BICALHO, C. A. DE P. O “cinema” cantado dos Maxakali. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, p. 266-285, 22 nov. 2019.
Seção
Artigos - Seção aberta