Status social, civilidade

(Reflexões sobre a tela O Casal Arnolfini, de Jan van Eyck)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2021.26163

Palavras-chave:

O Casal Arnolfini., Pintura renascentista., Burguesia., Mercantilismo., Civilidade.

Resumo

Neste artigo interdisciplinar, fundindo História das Mentalidades e Artes Plásticas, abordamos a tela O casal Arnolfini (1434), do pintor flamengo Jan van Eyck (c. 1390-1441), como uma ilustração sugestiva do nascimento da Europa Moderna e da família burguesa, no Renascimento Quatrocentista. Por meio da análise dos gestos, vestes, mobiliário e objetos de decoração, fixados por van Eyck, é possível verificar como a burguesia tornou-se dona do poder, assumindo os lugares ocupados pela nobreza, da qual herdaria costumes e etiquetas. A união do brasão à bolsa, como símbolos distintivos de poder, implicou a busca por códigos de civilidade e etiqueta que pusessem em equilíbrio os valores da vida pública e as exigências da vida privada.

Biografia do Autor

Álvaro Cardoso Gomes, USP - Universidade de São Paulo

Professor Titular da USP (Universidade de São Paulo). Possui graduação em Letras Vernáculas (1968), doutorado em Letras (Literatura Portuguesa), livre-docência pela mesma Universidade (1973 e 1981), pós-doutor em Portugal e nos Estados Unidos. Foi Visiting Professor na University of California Berkeley (1982) e Visiting Writer no Middlebury College (2006 e 2007), ensinando Literatura Brasileira. Lecionou no programa de pós-graduação interdisciplinar "Educação, Comunicação, Administração" da Universidade São Marcos (2002-2012). Exerceu o cargo de coordenador do curso de Letras da USP (1997-1999), do curso de Letras da Universidade São Marcos (1999-2000) e de Pró-Reitor de Graduação na mesma Universidade (2000-2003), especializando-se na administração de cursos, na orientação e direção do corpo docente, na elaboração de grades curriculares, de acordo com orientações do MEC. Foi professor Titular de graduação e pós-graduação e Coordenador do mestrado em Ciências Humanas da UNISA (Universidade Santo Amaro 2012-2020). 

Alzira Lobo de Arruda Campos, UNISA - Universidade Santo Amaro

Graduação em História pela Universidade de São Paulo (1962), mestrado em História Social pela Universidade de São Paulo (1978), doutorado em História Social pela Universidade de São Paulo (1986) e livre-docência em Metodologia da História, pela Unesp (1998). Foi professora titular da Universidade São Marcos, onde exerceu a função de Coordenação do Programa de pós-graduação em Educação, Administração e Comunicação (nível: mestrado) e Pró-Reitora de Pós-Graduação. Tem experiência na área de História e de Metodologia, com ênfase em História das Mentalidades e Metodologia Interdisciplinar e na área de Educação. Faz parte, como Docente em tempo integral, do Programa de Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas da Unisa.

Referências

BACHELARD, Gaston. A chama de uma vela. Trad. Glória de Carvalho Lins. 1 Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

BURCKHARDT, Jacob. O Renascimento italiano. 1 Ed. Lisboa: Editorial Presença, 1973.

CHARTIER, Roger (Org.). História da vida privada, 3: da Renascença ao Século das Luzes. 1. Ed. Tradução : Hildegard Feist. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

CHEVALIER, Jean & GHEERBRANT, Alain. Dictionnaire des symboles. 1. Ed. Parias : Seghers, 1974. 4 v.

FRANCASTEL, Pierre. A realidade figurativa. Trad. Mary Amazonas Leite de Barros. São Paulo: Perspectiva, 1973.

GOMBRICH, Ernst Hans Josef. A História da arte. Trad. Álvaro Cabral. 15ª Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1993.

HAUSER, Arnold. Historia social de la literatura y el arte. 2. Ed. Trad. A. Tovar y F. P. Varas-Reyes. Madrid: Guadarrama, 1969.

HICKS, Carola. Girl in a Green Gown – the History and Mystery of the Arnolfini Portrait. 1. Ed. London: Vintage Books, 2012.

KEMP, Martin J. Visual Arts, Western. The New Encyclopaedia Britannica, Macropaedia, 15thEdition. Chicago: The University of Chicago, 1980, v. 19.

LE GOFF, Jacques. A Idade Média e o dinheiro: ensaio de antropologia histórica. Trad. Marcos de Castro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

LORIGA, Sabina. A Biografia como Problema. In: REVEL, Jacques (Org.). Jogos de escalas. A experiência da microanálise. 1. Ed. Trad. Dora Rocha. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1998.

PARRY, J. H. La epoca de los descubrimientos geograficos. 1450-1620. Madrid: Ediciones Guadarrama, 1964.

RANUM, Orest. Os refúgios da intimidade. In: CHARTIER, Roger (Org.). História da vida privada, 3: da Renascença ao Século das Luzes. 1. Ed. Tradução : Hildegard Feist. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 211-262.

REVEL, Jacques. Os usos da civilidade. In: CHARTIER, Roger (Org.). História da vida privada, 3: da Renascença ao Século das Luzes. 1. Ed. Tradução : Hildegard Feist. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 169-210.

RIBEIRO, Carlos Flexa. A Pintura no Renascimento. In: FRANCO, Afonso Arinos de Melo et alii. O Renascimento. Agir / MNBA, 1978, p. 105-117.

RICOEUR, Paul. Temps et récit: 1 - L'Intrigue et le Récit historique. Paris: Le Seuil, 1983.

MENDES, Murilo. Antologia poética. 1. Ed. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

Downloads

Publicado

2021-07-19

Como Citar

GUARANHA, M. F.; GOMES, Álvaro C.; CAMPOS, A. L. de A. Status social, civilidade: (Reflexões sobre a tela O Casal Arnolfini, de Jan van Eyck). PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, [S. l.], v. 11, n. 22, p. 464–491, 2021. DOI: 10.35699/2237-5864.2021.26163. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/26163. Acesso em: 16 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos - Seção aberta