Gosto de sangue

horror gótico e desejos monstruosos no cinema queer brasileiro contemporâneo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2022.36150

Palavras-chave:

cinema queer, cinema brasileiro, cinema contemporâneo, horror, gótico

Resumo

Através da análise fílmica comparativa de uma constelação de curtas e longas-metragens do cinema brasileiro contemporâneo, este artigo pretende explorar o modo como o gênero de horror é utilizado por uma nova geração de cineastas queer como maneira de representar o desejo sexual dissidente. Partindo de leituras queer sobre o horror gótico, analisaremos a recorrência do sangue nessas narrativas enquanto metáfora de abjeção e desejo, assim como a apropriação positiva da monstruosidade e suas implicações no panorama de produções audiovisuais que abordam o desejo homossexual no Brasil.

 

Palavras-chave: cinema queer; cinema brasileiro; cinema contemporâneo; horror; gótico.

Referências

BARBOSA, André Antônio. Constelações da frivolidade no cinema brasileiro contemporâneo. 2017. 182 páginas. Tese (Doutorado em Comunicação e Cultura) - Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

BENSHOFF, Harry M. Monsters in the closet: Homosexuality and the horror film. Manchester: Manchester University Press, 1997

CANTO dos ossos. Direção: Jorge Polo e Petrus de Bairros. Fortaleza: Lambeolhos Produções, 2020. Digital (88 minutos).

DYER, Richard. The culture of queers. Oxfordshire: Routledge, 2002.

ELLIOTT-SMITH, Darren. Queer Horror Film and Television: Sexuality and Masculinity at the Margins. London: Bloomsbury Publishing, 2016.

HALBERSTAM, Jack. Skin Shows: Gothic Horror and the Technology of Monsters. Durham: Duke University Press, 1995.

JONAS banhado em sangue. Direção: Mateus Bandeira. Fortaleza: Vira-latas, 2017. Digital (18 minutos).

KRISTEVA, Julia. Powers of horror: an essay on abjection. Cidade de Nova Iorque: Columbia University Press, 1982.

LACERDA JUNIOR, Luiz Francisco Buarque de. Cinema gay brasileiro: políticas de representação e além. 2015. 187 páginas. Tese (Doutorado em Comunicação) – Centro de Artes e Comunicação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2015.

MATE-ME por favor. Direção: Anita Rocha da Silveira. Rio de Janeiro: Bananeira Filmes, 2015. Digital (105 minutos).

MENNEL, Barbara. Queer cinema: Schoolgirls, vampires, and gay cowboys. New York: Columbia University Press, 2012.

MISKOLCI, Richard. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2012.

MORENO, Antônio do Nascimento. A personagem homossexual no cinema brasileiro. 1995. 148 páginas. Dissertação (Mestrado em Multimeios) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1995.

O MISTÉRIO da carne. Direção: Rafaela Camelo. Brasília: Apoteótica Cinematográfica, 2018. Digital (18 minutos).

PALMER, Paulina. The queer uncanny: new perspectives on the gothic. Cardiff: University of Wales Press, 2012.

RICH, B. Ruby. New Queer Cinema. In: MURARI, Lucas; NAGIME, Mateus (Orgs.). New Queer Cinema: cinema, sexualidade e política. Rio de Janeiro: Caixa Cultural, 2015, p. 18-29.

RUSSO, Vito. The celluloid closet: Homosexuality in the movies. New York: Harper Collins, 1987.

SOUTO, Mariana. Constelações fílmicas: um método comparatista no cinema. Galáxia, p. 153-165, set-dez 2020. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/view/44673. Acesso em: 20 ago 2021.

VOCÊ é diferente. Direção: George Pedrosa. São Luís: Hanky Panky Filmes, 2017. Digital (12 minutos).

WISKER, Gina. Devouring desires: lesbian Gothic horror. In: HUGHES, William; SMITH, Andrew (orgs.). Queering the Gothic. Manchester: Manchester University Press, 2009, p. 123-141.

Downloads

Publicado

2022-04-28

Como Citar

MARQUES, H. R. Gosto de sangue: horror gótico e desejos monstruosos no cinema queer brasileiro contemporâneo. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, [S. l.], v. 12, n. 24, p. 310–330, 2022. DOI: 10.35699/2237-5864.2022.36150. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/36150. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Seção temática