O traço como reinscrição política no filme Apiyemiyekî?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-2046.2023.45323

Palavras-chave:

Desenho, Traço, Identidade narrativa, Reinscrição política

Resumo

Neste texto buscamos analisar como o filme Apiyemiyekî? explora o desenho enquanto testemunho imagético do povo Waimiri-Atroari, dizimado durante a ditadura civil-militar no Brasil. O filme, ao colocar o gráfico em protagonismo, alcança uma discussão na qual a impossibilidade de narrar o trauma e a dor se entrelaça ao aspecto disruptivo e não visível do traço. Os desenhos, além de revelarem uma outra perspectiva dos fatos, expõem as ausências que acercam a identidade narrativa da comunidade retratada, reconfigurando a experiência histórica do espectador. Entendemos essa construção fílmica como uma reinscrição política capaz de elaborar o passado a partir daquilo que falta e que dele resta enquanto traço. Para a análise, faremos uma aproximação com a ideia de um “pensamento do desenho” levando em conta o ponto cego e do autorretrato, pelos quais é possível expor a resistência do traço e o não visível da imagem.

Biografia do Autor

Giulianna Ronna, PUCRS

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), bolsista CNPq. Mestre pelo mesmo programa com incentivo de Bolsa CAPES. Participa dos Grupos de Pesquisa Kinepoliticom (Comunicação, Estética e Política) e Encruzilhada (Cinema, audiovisual, tecnologias e processos formativos) vinculados ao CNPq.

Cristiane Freitas Gutfreind

Doutora em Sociologia pela Universidade René Descartes - Paris 5 (Sorbonne). Professora titular da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Bolsista produtividade do CNPq. Foi professora visitante na Université UPVM3 (2007 e 2023). Líder dos grupos de pesquisa Cinema e Audiovisual: comunicação, estética e política (Kinepoliticom) e Cinema, Audiovisual, Tecnologias e Processos Formativos (Encruzilhada). 

Referências

APIYEMIYEKÎ? Direção: Ana Vaz. Produção: Olivier Marboeuf, Ana Vaz, Anže Peršin, Annemiek van Gorp, Rene Goossens. Brasil/França: Tenar Projects; Spectre Productions; De Productie, 2020. Disponível em: https://mubi.com/pt/films/apiyemiyeki. Acesso em: 24 out. 2023.

APIYEMIYEKÎ? Conversa com a Diretora: Q&A with Ana Vaz. Entrevistador: Leonardo Camera. [S. l.: s. n.], 2020. 1 video (18 min). Publicado pelo canal FestCurtasBH. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=6M5lVubrnMw. Acesso em: 24 out. 2023.

BALBINA no País da Impunidade. Direção de Rogelio Casado. [S. l.: s. n.], 1989. 1 video (27 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=2v40-zvNW0k. Acesso em: 24 out. 2023.

COMOLLI, Jean-Louis. Ver e poder: a inocência perdida – cinema, televisão, ficção, documentário. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

DA SILVA FILHO, Eduardo Gomes. Egydio Schwade: um intelectual à serviço dos índios. Canoa do Tempo, v. 10, n. 1, p. 176-197, 2018. Disponível em: https://www.periodicos.ufam.edu.br/index.php/Canoa_do_Tempo/article/view/4113. Acesso em: 24 out. 2023.

DA SILVA FILHO, Eduardo Gomes. A escrita Waimiri-Atroari, uma etnografia da etnologia indígena: memórias e a construção social da resistência. Muiraquitã: Revista de Letras e Humanidades, v. 4, n. 1, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/mui/article/view/730. Acesso em: 24 out. 2023.

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. Trad. Miriam Schnaiderman e Renato J. Ribeiro. São Paulo: Perspectiva, 1973.

DERRIDA, Jacques. Mal de arquivo: uma impressão freudiana. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

DERRIDA, Jacques. Memórias de cego: o auto-retrato e outras ruínas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2010.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Editora 34, 2006.

LAGROU, Els. Desenho e pintura corporal. In: LAGROU, Els. Arte indígena no Brasil: agência, alteridade e relação. Belo Horizonte: C/ Arte, 2009. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/3762631/mod_resource/content/1/LAGROU%20Cap.%204.pdf. Acesso em: 10 jul. 2023.

MÄHLER-NAKASHIMA. Henry Albert Yukio. Por que kamña matou Kiña? A Retórica Indigenista Estatal, a FUNAI e os Waimiri-Atroari (1967-1988). 2022. 460 p. Tese (Doutorado em História) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2022. Disponível em: https://sapientia.pucsp.br/handle/handle/26096. Acesso em: 24 out. 2023.

MICHAUD, Ginette. “(Sem) desígnio – o desenho”: reler Mémoires d’Aveugle de Jacques Derrida. Revista Filosófica de Coimbra, n. 43, p. 71-122. 2013. Disponível em: https://www.uc.pt/fluc/dfci/public_/publicacoes/sem_designio. Acesso em: 05 jan. 2022.

NASS, Michael. A noite do desenho: fé e saber em Memórias de Cego de Jacques Derrida. Revista Ensaios Filosóficos, Rio de Janeiro, v. XI, p. 9-21, 2015. Disponível em: http://www.ensaiosfilosoficos. com.br/Artigos/Artigo11/MichaelNass.pdf. Acesso em: 15 jan. 2022.

NEVES, Josélia Gome. Cultura escrita em contextos indígenas. 2009. 369 p. Tese (Doutorado em Educação Escolar) – Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, São Paulo, 2009. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/101579/neves_jg_dr_arafcl.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 24 out. 2023.

REIS, Wilson C. Braga; SCHWADE, Egydio Paul. 1º Relatório do Comitê Estadual da Verdade: o genocídio do povo Waimiri-Atroari. Manaus: Comitê da Verdade do Amazonas, 2012. 92 p. Disponível em: https://www.gov.br/memoriasreveladas/pt-br/assuntos/comissoes-da-verdade/estaduais/1r_cv_am_waimiri_atroari.pdf. Acesso em: 24 out. 2023.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa: a configuração do tempo na narrativa de ficção. São Paulo: Martins Fontes. 2010.

RICOEUR, Paul. A história, a memória, o esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

Downloads

Publicado

2023-12-18

Como Citar

RONNA, G.; GUTFREIND , C. F. O traço como reinscrição política no filme Apiyemiyekî?. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, Belo Horizonte, v. 13, n. 29, p. 194–215, 2023. DOI: 10.35699/2238-2046.2023.45323. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/45323. Acesso em: 25 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos - Seção aberta