Quando o tempo se torna espaço

a canção como “máquina de suprimir o tempo”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-2046.2023.45336

Palavras-chave:

Interartes., Imagem, Clube da Esquina n. 2, Milton Nascimento, Hibridismo

Resumo

Este texto se situa em interseções de campos disciplinares, especialmente dos EstudosInterartes e da Fenomenologia. Reflete sobre as vivências do tempo na música em geral e,particularmente, na canção “Clube da esquina no. 2”, composta por Milton Nascimento, LôBorges e Márcio Borges, na gravação de Milton Nascimento, do álbum Angelus (1993). Opercurso metodológico deste artigo se baseia principalmente, em três referências teóricas:a aproximação entre música e mito no que tange às experiências do tempo (LÉVI-STRAUSS,2010), o entendimento de música enquanto imagem (IAZZETTA, 2016; CAESAR, 2001) e osconceitos de espaços estriado e liso (BOULEZ, 1963). Como resultados, o artigo inscreve a canção – em suas possíveis experiências com tempos, espaços e imagens (visuais e sonoras) – na perspectiva do hibridismo da arte contemporânea.

Biografia do Autor

Alexandre Siqueira de Freitas, Universidade Federal do Espírito Santo

Área de Música no departamento de Teoria de Arte e Música. Autor do livro Rencontre des arts (2015, Harmattan).

Referências

ADORNO. Theodor W. L’Art et les arts. In: LAXEROIS, Jean; SZENDY, Peter. De la différence des arts. Paris: L’Harmattan, 1997.

ASSIS RIBEIRO, Nariá. Ritmo não-pulsante: ausência de sensação de pulsação no repertório do século XX. 2017. 110 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

BONAFÉ, Valéria Muelas. A casa e a represa, a sorte e o corte ou: A composição musical enquanto imaginação de formas, sonoridades, tempos [e espaços]. 2016. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

BOSSEUR, Jean-Yves. Musique et beaux-arts. Paris: Minerve, 1999.

BOUCOURECHLIEV, André. Debussy: la revolution subtile. Paris: Fayard, 1998.

BOULEZ, Pierre. Penser la musique aujourd’hui. Paris: Gallimard, 1963.

BOULEZ, Pierre. Le Pays fertile: Paul Klee. Paris: Gallimard, 1989.

CARTER, Elliot. La musique et l’écran du temps. Tradução de Vincent Barras. Genebra: Éditions Contrechamps, 1998.

CLÜVER, Claus. Estudos Interartes: conceitos, termos, objetivos. Literatura e Sociedade, v. 2, n. 2, p. 37-55, 1997. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ls/article/view/13267. Acesso em: 15 jul. 2022.

CAESAR, Rodolfo. A escuta como objeto de pesquisa. Opus: Revista da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música (ANPPOM), São Paulo, ano 8, n. 7, p. 34-44, 2001. Disponível em: https://www.academia.edu/12192571/A_escuta_como_objeto_de_pesquisa. Acesso em: 9 jan. 2023.

CAMPESATO, Lílian. Arte sonora: uma metamorfose das musas. 2007. 179 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

CINEMA TRANSCEDENTAL. Caetano Veloso. Rio de Janeiro: Phillips, 1979. 1 LP.

DEWEY, John. Arte como experiência. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

DELEUZE, Giles; GUATARI, Félix. Mille Plateaux. Paris: Minuit, 1980.

DUAS FACES: Alcione. Rio de Janeiro: Gravadora Biscoito Fino, 2012. 1 DVD.

ECO, Umberto. A definição da arte. 5. ed. São Paulo: Record, 2016.

FERRAZ, Sílvio. Ritornello: Tempo: Música. COLÓQUIO DELEUZE-GUATARRI, 2., 2011. Rio de Janeiro: [s. n.], 2011. Disponível em: http://sferraz.mus.br/palestra_deleuzeboulez/deleuze_boulez2.html Acesso em: 22 jan. 2023.

FERRAZ, Silvio. Pequena trajetória da ideia de tempo na música do séc. XX. In: NASCIMENTO, Guilherme et al. (org.). A música dos séculos XX e XXI. Belo Horizonte: EdUEMG, 2014. p. 86-104. (Série Pequena trajetória da ideia de tempo na música do séc. XX).

GRABOCZ, Marta (dir.). Narratologie musicale: Topiques, théories et stratégies analytiques. Paris: Hermann, 2021.

IAZZETTA, Fernando. A Imagem que se ouve. In: PRADO, Gilberto; TAVARES, Monica; ARANTES, Priscila (org.). Diálogos transdisciplinares: arte e pesquisa. São Paulo: ECA/USP, 2016. p. 376-395. Disponível em: https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/679/o/dialogostransdisciplinares.pdf. Acesso em: 9 jan. 2023.

JDAVIDM. John Cage about silence. YouTube, 2008. 1 vídeo (4 min.). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=pcHnL7aS64Y&t=41s. Acesso em: 17 mar. 2023.

KEHL, Maria Rita. O tempo e o cão. Fundação Perseu Abramo. Teoria e Debate, n. 68. 2006. Disponível em: https://teoriaedebate.org.br/colunas/o-tempo-e-o-cao/. Acesso em: 15 jan. 2023.

KLEE, Paul. Sobre a arte moderna e outros ensaios. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O cru e o cozido. 2. ed. São Paulo: Cosac & Naify, 2010. (Mitológicas, 1).

MERLEAU-PONTY, Maurice. Phénoménologie de la perception. Paris: Gallimard, 1945.

MULHER DO FIM DO MUNDO. Elza Soares. Prod. Guilherme Kastrup. São Paulo: Gravadora Circus, 2015. 1 CD.

NATTIEZ, Jean-Jacques. O combate entre Cronos e Orfeu: ensaios de Semiologia musical aplicada. São Paulo: Via Lettera, 2005.

NATTIEZ, Jean-Jacques. La musique, les images et les mots. Montréal: Fides, 2010.

PANOFSKY, Erwin. Estudos em iconologia: temas humanísticos da arte do renascimento. 2. ed. Lisboa: Editorial Estampa, 1995.

PAREYSON, Luigi. Estética: teoria da formatividade. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis: Vozes, 1996.

PAREYSON, Luigi. Problemas da Estética. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

RUWET, Nicolas. Langage, musique, poésie. Paris: Seuil, 1972.

SEINCMAN, Eduardo. Do tempo musical. São Paulo: Via Lettera: FAPESP, 2001.

SERRES, Michel. Musique. Paris: Éditions Le Pommier, 2011.

VALENTE, Agnus. Heurística híbrida e processos criativos híbridos: uma reflexão sobre as metodologias da criação no contexto do hibridismo em artes. In: FIORIN, E.; LANDIM, P. C.; LEOTE, R. S. (org.). Arte-ciência: processos criativos [online]. São Paulo: Editora UNESP: Cultura Acadêmica, 2015. p. 11-28. (Coleção Desafios Contemporâneos). Disponível em: http://books.scielo.org/id/jhfsj/pdf/fiorin-9788579836244-02.pdf. Acessado em: 1 fev. 2018.

SUASSUNA, Ariano. Iniciação à estética. Rio de Janeiro: José Olympio, 2008.

TATIT, Luis. O Cancionista: composição de canções no Brasil. 2. ed. São Paulo: Edusp, 1995.

WALLECE COLLECTION. A Dance to the Music of Time. Disponível em: https://wallacelive.wallacecollection.org/eMP/eMuseumPlus?service=ExternalInterface&module=collection&objectId=65042&viewType=detailView. Acesso em: 3 fev. 2023.

Downloads

Publicado

2023-08-01

Como Citar

FREITAS, A. S. de. Quando o tempo se torna espaço: a canção como “máquina de suprimir o tempo”. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, Belo Horizonte, v. 13, n. 28, p. 317–342, 2023. DOI: 10.35699/2238-2046.2023.45336. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/45336. Acesso em: 3 mar. 2024.