A configuração da tragicidade em Bodas de Sangue

a morte encena

Autores

  • Elisana De Carli UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-2046.2024.48430

Palavras-chave:

Trágico, morte, teatro, Lorca

Resumo

O gênero trágico, dentro da dramaturgia, tem seu auge em dois momentos: na Antiguidade, com o teatro grego, e no Renascimento, especialmente com o teatro elisabetano, os quais se tornaram emblemáticos. Em que medida esse gênero se expressaria em uma dramaturgia do século XX? A proposição deste artigo é elencar elementos de constituição da referencialidade trágica, analisando Bodas de sangue, de Garcia Lorca, com o objetivo de destacar a composição estética dessa tragédia, a qual se alicerça no referencial da tragédia grega (Segal,1994), e explora as potências do texto teatral (Rosenfeld, 2000), apresentando a morte como força motriz na configuração dos personagens e linha mestra da ação dramática, destacando a correlação entre conteúdo e estrutura textual.   

Biografia do Autor

Elisana De Carli, UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina

Depto de Artes - Curso de Artes Cênicas

Referências

BERRETINI, Célia. Leonardo, ou em torno de um nome de Bodas de sangue. In: BERRETINI, C. O teatro ontem e hoje. São Paulo: Perspectiva, 1980.

CANDIDO, M.; CORNELLI, G. A arte e o ofício de poeta trágico. In: LESSA,

F., SILVA, A. (orgs.) História e trabalho: entre artes e ofícios. Rio de Janeiro: Mauad X, 2009. pp.47-58

DE CARLI, E. A imagem do corpo na tragédia antiga: uma visualidade verbal. Visualidades. Goiânia, v.13,n.1,jan-jun 2015. https://revistas.ufg.br/VISUAL/article/view/34149. Acesso em: 04 fev. 2023

EAGLETON, T. Doce violência: a ideia do trágico. Trad. Alzira Allegro. São Paulo: ed. Unesp, 2013

ELIAS, Norbert. A solidão dos moribundos, seguido de, Envelhecer e morrer. Trad. Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar editor, 2001.

FERREIRA, A.C. Literatura: a fonte fecunda. In: PINSKY, C; DE LUCA, T. (orgs.) O historiador e suas fontes. São Paulo: Contexto, 2015. pp.61-91

GARCIA LORCA, Federico. Bodas de sangre. Edición de Allen Josephs y Juan Caballero. 2.ed. Madrid: Ediciones Cátedra, 1986

GARCIA LORCA, Federico. Bodas de sangue. Trad. Cecília Meireles. Rio de Janeiro: Agir, 1960

GARCIA LORCA, Federico. Bodas de sangue. Trad. Antonio Mercado. São Paulo: Abril Cultural, 1977

GARCIA LORCA, Federico. Bodas de sangue. Trad. Rubia Goldoni. São Paulo: editora Peixoto Neto, 2004

MACHADO, I. A metafísica do corpo - o corpo em sofrimento no teatro de Garcia Lorca. ouvirOUver, [S. l.], v. 10, n. 1, p. 50–61, 2015. DOI: 10.14393/OUV13-v10n1a2014-3. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/ouvirouver/article/view/32062. Acesso em: 7 out. 2022.

MARTINO, Luís M.S., MARQUES, Ângela C. S. No caos da convivência. Petrópolis: Vozes, 2020.

OLIVA, Cesar. O teatro no século XX. Revista Galega de Ensino: Eduga. n.28, 2, 2000. Disponível em https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=1357435 . Acesso em: 10 jan. 2023

ROSENFELD, Anatol. A teoria dos gêneros. In: ______. O teatro épico. 4.ed. São Paulo: Perspectiva, 2000. pp.15-36

SARRAZAC, Jean-Pierre. Sete observações sobre a possibilidade de um trágico moderno – que poderia ser um trágico (do) quotidiano. Pitágoras 500. Campinas, SP, v. 3, n. 1, p. 3–15, 2013. https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/pit500/article/view/86347. Acesso em: 20 jan 2023

SARRAZAC, Jean-Pierre. Poética do drama moderno. São Paulo: Perspectiva, 2017

SEGAL, Charles. O ouvinte e o espectador. In: Vernant, J-P. (org.) O homem grego. Lisboa: Presença, 1994. pp.175-198

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Arte, dor, kátharsis ou variações sobre a arte de pintar o grito. Alea: revista letras neolatinas. UFRJ, v.5, n.1, jan/jun. 2003, pp.29-46.

ZANOTTO, Ilka M. Prefácio de Bodas de Sangue. In: GARCIA LORCA, F. Bodas de sangue. Trad.Rubia Goldoni. São Paulo: editora Peixoto Neto, 2004. pp.11-25

Downloads

Publicado

2024-04-01 — Atualizado em 2024-05-13

Versões

Como Citar

CARLI, E. D. A configuração da tragicidade em Bodas de Sangue: a morte encena. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, Belo Horizonte, v. 14, n. 30, p. 372–384, 2024. DOI: 10.35699/2238-2046.2024.48430. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/48430. Acesso em: 29 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos - Seção aberta