Armas de fogo e cães como utensílios de efetivação da visão orientalista no neo-colonialismo da segunda metade do século XIX

  • Átila Siqueira Martins Lopes
Palavras-chave: cães, armas de fogo, orientalismo

Resumo

Esse artigo tem por objetivo problematizar o uso das armas de fogo de repetição e dos cães de guarda, de rinha e de combate, na expansão imperialista da segunda metade do século XIX, compreendendo-os como utensílios de efetivação da visão orientalista eurocêntrica presente no imaginário europeu da época, corroborando, assim, dentro de uma perspectiva dialética, os preceitos da superioridade européia, auxiliando na manutenção do domínio militar e os reafirmando através da ideia da superioridade civilizacional. Nesse sentido, os cães e as armas serão aqui abordados como utensílios que auxiliavam os europeus em suas empreitadas neocoloniais na segunda metade do século XIX, sendo que eles serviam de forma material, como força bélica e, como “prova” da superioridade técnica da Europa, o
que reafirmava o discurso de autovisão de superioridade do europeu e o discurso de inferioridade do não europeu, produzindo uma dialética que sempre se auto -reafirmava.


ABSTRACT: This article aims to problematize the use of firearms of repeating and the watchdogs, of fight and fighting, in the imperialist expansion of the second half of nineteenth century, understanding them as utensils effectiveness of orientalist imagery in this eurocentric vision at the time, corroborating thus within a dialectical perspective, the precepts of european superiority, helping maintain the military and by reaffirming the idea of civilizati onal
superiority. In this sense, dogs and guns will be addressed here as utensils that helped the europeans in their neocolonial contracts in the second half of the nineteenth century, and they served in all material respects, as military force and as "pro of" of the technical superiority of Europe , which reaffirmed the discourse of superiority and the discourse of inferiority of the non-European, producing a dialectic that has always reasserted itself.

KEYWORDS: dogs, firearms, orientalism.

Publicado
2014-01-31