Notas sobre colonialidade e violência nas obras de Pierre Clastres e Walter Mignolo

  • Cairo de Souza Barbosa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)

Resumo

A ideia do presente texto é discutir como Pierre Clastres e Walter Mignolo caracterizam a violência simbólica da colonialidade moderna a partir das noções de etnocídio e epistemicídio. Entendidos como dispositivos de controle do corpo e dos saberes nos processos de colonização, especialmente no caso da América Latina, veremos como os dois conceitos contribuem para a compreensão da experiência que, ao longo dos séculos de “processo civilizador”, serviu como alicerce fundamental à propagação de uma violência que, naturalmente, é física, mas também simbólica, capaz de garantir o controle de expressões culturais diversas e a dominação e submissão das cosmovisões ameríndias e afro-diaspóricas à epistemologia canônica ocidental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cairo de Souza Barbosa, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)

Formado em História (Bacharelado e Licenciatura) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) em 2016. Mestrando no programa de pós-graduação em História Social da Cultura da PUC-Rio. Tem interesse nas áreas de Teoria da História, História Intelectual e História da América, atuando sobretudo nos seguintes temas: modernidade, tradição, ensaio e tempo histórico. Atualmente pesquisa a obra do crítico literário Antonio Candido de Mello e Souza, especialmente os escritos sobre literatura latino-americana. É membro da Comunidade de Estudos de Teoria da História da UERJ (COMUM) e professor do Centro de Estudos e Pesquisas Educacionais (CEPE).

Referências

ADORNO, Theodor e HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Editora Jorge Zahar, 1985.
AGAMBEN, Giorgio. O que é dispositivo. In: O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Chapecó: Argos, pp. 27-51, 2009.
ARENDT, Hannah. O Que é Política? Trad. Reinaldo Guarany. 6.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006
BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política. 2013, n.11, pp. 89-117.
BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Trad. Fernando Tomaz. 2ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.
CLASTRES, Pierre. “Do etnocídio”. In: Arqueologia da Violência: pesquisas de antropologia política. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.
CLASTRES, Pierre. A Sociedade contra o Estado – pesquisas de antropologia política. São Paulo: Cosac Naify, 2004a.
ELIAS, Norbert. O processo civilizador. 2 volumes. Trad. Ruy Jungmann. Rio de Janeiro, Zahar, 2011.
FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. 11ª ed., Rio de Janeiro: Graal, 1997.
FREUD, Sigmund. O mal-estar na civilização, novas conferências introdutórias e outros textos (1930-1936). Obras Completas, vol. 18. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo, Companhia das Letras, 2010, pp.13-122.
GUMBRECHT, Hans Ulrich. Modernização dos sentidos. São Paulo: Ed 34, 2010.
KANT, Imannuel. O que é o Esclarecimento? In: Textos Seletos. Tradução de Floriano de Souza Fernandes. 4. Ed. Petropolis: Vozes, 2010.
KANT, Immanuel. Fundamentos da metafísica dos costumes. Rio de Janeiro: Ediouro Publicações, 1997.
KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Tradução de Wilma Patrícia Maas e Carlos Almeida Pereira. Rio de Janeiro: Contraponto/Ed-PUC-Rio, 2006.
MIGNOLO, Walter. Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horiz006Fnte: Ed. UFMG, 2003.
MIGNOLO, Walter. La idea de Latino América. La herida colonial y la opción decolonial. Trad. Silvia Jawerbaun y Julieta Barba. Barcelona: Gedisa, 2005.
MIGNOLO, Walter D. Novas reflexões sobre “Ideia da América Latina”: a direita, a esquerda e a opção decolonial. Caderno CRH, v.21, n.53, p. 239-252, 2008.
NOGUEIRA JR., Renato. O conceito de drible e o drible do conceito: analogias entre a história do negro no futebol e do epistemicídio na filosofia. Revista Z Cultural (UFRJ), v. VIII, p. 34, 2013.
ORLANDI, Eni. Terra à vista, discurso do confronto: velho e novo mundo. São Paulo: Cortez, 1990.
PASSETTI, Dorothea Voegeli. Pierre Clastres e a antropologia libertária. Revista Ecopolítica, n. 10, set-dez, p. 107-120, 2014.
QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del Poder, Cultura y Conocimiento en América Latina. Anuário Mariateguiano. Lima: Amatua, v. 9, n. 9, 1997
SANTOS, Boaventura de Sousa & MENESES, Maria Paula (Orgs.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina, 2009.
SCHMITT, Carl. Teologia política. Trad. de E. Antoniuk. Belo Horizonte: Del Rey, 2006.
STAROBINSKI, Jean. “A palavra ‘civilização’”. In: Máscaras da civilização. Ensaios. São Paulo, Companhia das Letras, p.11-56, 2010.
WEBER, Max [1974]. A política como vocação. In: Ensaios de Sociologia. Org. e introd. H. H. Gerth e Wright Mills. Rio de Janeiro: Zahar, 1974.
WOLF, Eric. Europa y la gente sin historia. México, DF: Fondo de Cultura Económica, 1987 [1982].
WOLFF, Francis. “Quem é bárbaro?” In: NOVAES, Adauto. (org) Civilização e Barbárie. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
Publicado
2020-01-31