A canção como ferramenta de luta política e social: os diferentes casos na América Latina

  • Bruno Erbe Constante Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Nueva canción, latino-americana, América Latina,

Resumo

O trabalho abordará as diferentes manifestações populares musicais que foram se consolidando nos diferentes países da América Latina (Argentina, Brasil, Cuba, Chile e Uruguai) a partir de diferentes atores políticos que tiveram, a partir de suas canções, um comprometimento com as disputas políticas e sociais pautadas pela sociedade. Com exceção de Cuba, todos os países aqui tratados estavam inseridos ou passando a integrar uma sociedade cuja liberdade de expressão era cada vez mais reprimida.

Primeiramente, refletirei sobre o movimento conhecido por “nueva canción latino-americana”, discorrendo sobre qual processo histórico e em que conjuntura ele se encontra inserido. Em seguida, analisarei como este movimento aconteceu em cada um dos países descritos acima, buscando ratificar que foi um movimento que buscou transcender as fronteiras imaginárias de cada nação, além de externar os principais cantores e canções compostas na época.

Biografia do Autor

Bruno Erbe Constante, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Graduando em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Referências

AGUIAR, José F. G. C. “Yo vengo a cantar por aquellos que cayeron”. Poesia política, engajamento e resistência na música popular uruguaia – o cancioneiro de Daniel Viglietti 1967-1973. Porto Alegre: UFRGS (Dissertação de Mestrado), 2010.

GILMA, Claudia. Entre la pluma y el fusil. Buenos Aires: Siglo XXI, 2003.

GOMES, Caio de Souza. “Por toda América soplan vientos que no han de parar hasta que entierren las sombras”: anti-imperialismo e revolução na canção engajada latino-americana (1967–69). Revista História e Cultura, v. 2, n.1, p. 146–165, 2013.

Historia de La Música Popular Uruguaya. Disponível em: http://www.historiadelamusicapopularuruguaya.com/

KLAFKE, Mariana Figueiró. Show Opinião: engajamento e intervenção no palco pós-1964. Porto Alegre: UFRGS (Trabalho de Conclusão de Curso), 2013.

PADRÓS, Enrique Serra. Uruguai: o Pachecato e a escalada autoritária no final dos anos 60. In: Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH: São Paulo, julho de 2011.

PETRONIO ARAPI, Tabaré. Las voces del silencio – Historia del canto popular: 1973-1984. Montevidéu: Fonam, 2006.

Primera Conferencia de la Organización Latinoamericana de Solidaridad, 1967. Disponível em: . Acesso em 27 jun 2018.

SCHMIEDECKE, Natália Ayo. “Tomemos la historia en nuestras manos”: Utopia revolucionária e música popular no Chile. Franca: UNESP (Dissertação de Mestrado), 2013.

SILVA, Carla M. de. Música popular e disputa de hegemonia: a música chilena inspirada nas formas folclóricas e o movimento da nova canção chilena entre 1965-1970. Niterói: UFF (Dissertação de Mestrado), 2008.

SIMÕES, Silvia Sônia. La nueva canción chilena: o canto como arma revolucionária. História Social, n. 18, 2010.

SIMÕES, Silvia Sônia. “Canto que ha sido valiente, siempre será canción nueva”: o cancioneiro de Victor Jara e o golpe civil-militar no Chile. Porto Alegre: UFRGS (Dissertação de Mestrado), 2011.

TEJADA GOMÉZ, Armando. Manifiesto del Nuevo Cancionero. Disponível em: http://www.tejadagomez.com.ar/adhesiones/manifiesto.html

VASCONCELOS, Francisco de A. G. de, VASCONCELOS, Mariana P. e VASCONCELOS, Iris H. G. de. Fome, comida e bebida na música popular brasileira: um breve ensaio. História, ciências, saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 22, n.3, 2015, jul.–set., p. 723-471.
Publicado
2019-02-12