Surrealismo

gênese de uma leitura revolucionária

  • Thayna Alves Rocha Universidade Santo Amaro

Resumo

O presente trabalho visa estudar o movimento surrealista criado em 1924, na França, por André Breton, para deste modo, compreender as origens das práticas revolucionárias e os pontos de convergência com as teorias revolucionárias de Karl Marx e de Leon Trotsky. O objetivo implicou observar como a prática literária e as apropriações feitas por André Breton, referente as obras de Trotsky e Marx, influenciaram nas crenças e ações do grupo surrealista, e se tornaram base para as produções do movimento. O método histórico empregado nesta pesquisa analisou documentos, manifestos, cartas e periódicos produzidos por surrealistas, a fim de melhor compreender as ligações das ideologias surrealistas com as ideologias revolucionárias, bem como para melhor entendimento do cenário do qual o grupo está inserido. Os resultados obtidos desvelam a importância e o impacto da prática literária na vida de um indivíduo, assim como no círculo social do qual este está inserido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thayna Alves Rocha, Universidade Santo Amaro
Graduada em História pela Universidade Santo Amaro, pesquisadora membro do Grupo de Pesquisa Ciência, Saúde, Gênero e Sentimento CISGES/UNISA/CNPq. 

Referências

ALEXANDRIAN, Sarane. O Surrealismo. São Paulo: Verbo, Editora da Universidade de São Paulo, 1976.
ALMEIA FILHO, Eclair Antonio. A revolução surrealista antes e sempre (apesar dos cadáveres). Educação, Ciência e Cultura, Canoas, v. 11, n. 1, p.33-44, jan./jun. 2006.
AZEVEDO, Érika; PONGE, Robert. André Breton e os primórdios do Surrealismo. Contigentia, [s. L.], v. 3, n. 2, p.277-284, nov. 2008.
BONNET, Marguerite. Trotsky e Breton. 1975. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2017.
BRETON, André. Manifestos do Surrealismo. São Paulo: Brasiliense, 1985.
_______. Leon Trotsky: Lenin. La Revolution Surréaliste, Paris, n. 5, p. 29, out. 1925.
CHARTIER, Roger. Textos, impressão, leituras. In: HUNT, Lynn (org). A Nova História Cultural. São Paulo: Martins Fontes, 1992. cap. 6, p. 211-228.
COUTO, José Geraldo. André Breton. São Paulo: Brasiliense, 1984.
DA COSTA, Anderson. Surrealismo e Marxismo: a necessidade contra o desejo de ortodoxia. Tabuleiro das Letras, [s. L.], n. 6, p.1-19, jun. 2013.
FACIOLI, Valentin (org). Por uma arte revolucionária independente. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.
HELLMANN, Risolete Maria. A trajetória da arte surrealista. Nupem, Campo Mourão, v. 4, n. 6, p.119-131, jan./jun. 2012.
HOBSBAWM, Eric. A Era dos Extremos: o breve século XX: 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.
HUNT, E.K.; SHERMAN, Howard J.. As Doutrinas Socialistas: a Teoria Econômica de Marx. In:__. História do pensamento econômico. Petrópolis: Editora Vozes, 2005. cap. 6, p. 91-106.
LÖWY, Michael. A Estrela da Manhã: Surrealismo e Marxismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.
MARX, Karl. O Capital: O processo de produção do capital. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016, v.1.
_______.; ENGELS, Friedrich. Manifesto do Partido Comunista. São Paulo: Escala, 2009.
NETTO, José Paulo. O que é stalinismo. São Paulo: Brasiliense, 1985.
_______. O que é marxismo. São Paulo: Brasiliense, 1991.
OLIVERI, Rita. Surrealismo e Marxismo na obra de André Breton. Sitienbus, Feira de Santana, 2(4), p.57-66, jan./jun. 1984.
QUERIDO, Fabio Mascaro. Romântico, moderno e revolucionário: O surrealismo e os paradoxos da modernidade. Cadernos de Campo, Campinas, v. 14, p.81-97, 2011.
REBOUÇAS, Maria de Vasconcelos. Surrealismo. São Paulo: Ática, 1986.
TROTSKY, Leon. Revolução Permanente. São Paulo: Ciências Humanas LTDA, 1979.
_______. Literatura e Revolução. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2007.
Publicado
2020-01-31