“Um abraço do samba ao semba”: diálogos musicais e políticos entre Angola e Brasil na década de 1980.

  • ALEXANDRE REIS DOS SANTOS Doutorando no Programa de Pós Graduação em História. Universidade Federal Fluminense.
Palavras-chave: História Transnacional, Diáspora Negra, Música Popular, Identidades Nacionais.

Resumo

o presente artigo busca traçar um breve panorama sobre a influência da música brasileira em Angola e seus significados políticos. Também se pretende enfocar de que modo tais diálogos engajaram músicos brasileiros – negros e não negros –, quanto à militância negra e a militância de esquerda no Brasil durante os anos 1980.

Biografia do Autor

ALEXANDRE REIS DOS SANTOS, Doutorando no Programa de Pós Graduação em História. Universidade Federal Fluminense.

Doutorando em História Social pelo PPGHIS UFF com o projeto "Navegando pela Kalunga grande": músicos brasileiros e angolanos, identidade e transnacionalismo (Brasil e Angola, 1950 a 1980).

Referências

Alberti, V., & Pereira, A. A. (2007). Entrevista com José Maria Nunes Pereira. Revista Estudos Históricos, 1(39), 121-156.
Alves, A. P. (2015). Angolano Segue em Frente: um panorama do cenário musical urbano de Angola entre as décadas de 1940 e 1970 (Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal Fluminense).
Bittencourt, M. (2008). “Estamos juntos!”: o MPLA e a luta anticolonial (1961-1974). Kilombelombe.
Bittencourt, M. (1997). A criação do MPLA. Estudos Afro-Asiáticos, Rio de Janeiro, 32(32), 185-208.
Butler, K. D. (2001). Defining diaspora, refining a discourse. Diaspora: a journal of transnational studies, 10(2), 189-219.
Cunha, M. C. P. (2016). “Não tá sopa”: Sambas e sambistas no Rio de Janeiro, de 1890 a 1930. Fundação de Desenvolvimento da Unicamp-Funcamp (UNICAMP).
Da Vila, M. (1992). Kizombas, andanças e festanças. Léo Christiano Editorial.
Faro, F. (Produtor). (1991). “Programa Ensaio: D. Ivone Lara”. TV Cultura.
Gilroy, P. (2001). O Atlântico negro: modernidade e dupla consciência. Editora 34.
Hertzman, M. A. (2013). Making samba: a new history of race and music in Brazil. Duke University Press.
Kuschick, M. B. (2016). Kotas, mamás, mais velhos, pais grandes do semba: a música angolana nas ondas sonoras do atlântico negro.
Marzano, A., Filhos da terra: identidade e conflitos sociais em Luanda (2013). In Ribeiro, A. V., & Gebara, A. L. D. A. (2013). Estudos africanos: múltiplas abordagens.
Mateta, R. Nacionalistas falam do papel do conjunto "Ngola Ritmos", Jornal de Angola (11/11/2010). Disponível em http://jornaldeangola.sapo.ao/politica/nacionalistas_falam_do_papel_do_conjunto_ngola_ritmos. Acesso em 15/06/2017 às 13h 00 min.
Mintz, S. W., & Price, R. (2003). O nascimento da cultura afro-americana: uma perspectiva antropológica. Pallas Editora.
Moorman, M. J. (2004). Dueling bands and good girls: Gender, music, and nation in Luanda's Musseques, 1961-1974. International Journal of African Historical Studies, 255-288.

_______________ (2008). Intonations: a social history of music and nation in Luanda, Angola, from 1945 to recent times. Ohio University Press.

Nascimento, W. S., & das Flores, M. D. S. M. Luanda e suas Segregações: Uma Análise a partir das Salas de Cinema (1940–1960). Revista Mulemba, 9(17), 80-89.
Pinto, J. P.H. (2016). A identidade nacional angolana – definição, construção e usos políticos (Dissertação de Mestrado apresentada Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal Fluminense).
Reis, D. A., “O colapso do colapso do populismo ou a propósito de uma herança maldita”. In FERREIRA, J (org.). O populismo e sua história: debate e crítica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.
Sanchez, P.A. (2010) Um homem de partido. Carta Capital. Disponível em . Consulta em 05 de fevereiro de 2016 às 14h 00 min.
Sansone, L. (2017). Da África ao afro: uso e abuso da África entre os intelectuais e na cultura popular brasileira durante o século XX. Afro-Ásia, (27).
Santos, A. R. D. (2014). Eu quero ver quando Zumbi chegar: política, negritude e relações raciais na obra de Jorge Bem (1963-1976).

Tupy, D. Saquarema (RJ), 24/03/2017. Entrevista a Alexandre Reis.
________(Maio/1980). “Foi bonita a festa, pá”, Módulo, pp. 42-45.
_________(14/07/80). “Descobri que não sou um artista de palco”, Movimento, p.19.
Vianna, H. (1995). O mistério do samba. Zahar.
“D. Quixote: a boite dos sucessos”. (09/03/1974). A Província de Angola, p.2.
“Grandes nomes do Samba: Heitor dos Prazeres”. (19/11/1968). Tribuna dos Musseques, p.10.
“Rio, São Paulo e Bahia – os angolanos chegam para mostrar a semba e outras bossas”. (07/01/1983). O Globo, p.25.
Publicado
2019-06-25