Abolicionistas e republicanos na série Bons Dias!, de Machado de Assis

  • Wemerson Felipe Gomes Centro Universitário de Belo Horizonte - UniBH
Palavras-chave: Machado de Assis, Abolicionismo, Crônicas.

Resumo

O objetivo do artigo é analisar as dez primeiras crônicas da série Bons Dias!, publicadas originalmente na Gazeta de Notícias (RJ) entre abril e junho de 1888, buscando compreender as estratégias político-literárias adotadas por Machado de Assis para falar de questões polêmicas como Abolição, Abolicionismo, Escravidão, República etc., sem se expor demasiadamente. Para isso, além de apresentar a relação teórico-metodológica entre História e Literatura mediada pela escrita folhetinista, examinaremos a fortuna crítica machadiana e discutiremos os modos de ocorrência desses temas na obra. De modo geral, insistimos que Machado de Assis adota uma estratégia que descrevemos como um processo de operacionalização do “funcionamento [de um] sistema produtor de significação”, em que, em última instância, o autor não visa nunca oferecer respostas, mas questionamentos e problematizações em relação a determinados fatos e eventos que lhes são contemporâneos.

Biografia do Autor

Wemerson Felipe Gomes, Centro Universitário de Belo Horizonte - UniBH
Graduando em História (Licenciatura) no Centro Universitário de Belo Horizonte - UniBH. Pesquisador integrante do projeto de pesquisa 'História na prática local: processos de tombamento e Educação Patrimonial em Belo Horizonte/MG', coordenado pelo Prof. Dr. Raul Lanari. É monitor da disciplina Prática de Ensino de História III; monitor da oficina de História do projeto Reforço ENEM (UniBH) e estagiário do Centro de Pesquisa e Documentação do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 3º região. Atualmente pesquisa temas relacionados a literatura brasileira do final do século XIX e início do XX, com ênfase na obra de Machado de Assis.

Referências

ALONSO, Ângela. Entrevista com Ângela Alonso. Entrevistadores: Felipe Silveira de Oliveira Malacco e Gislaine Gonçalves Dias Pinto. Temporalidades – Revista de História, ISSN 1984-6150, Edição 25, V. 9, n. 3 (set./dez. 2017).
ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Bons Dias! (1888-1889). Edição, introdução e notas de John Gledson. São Paulo: Hucitec/Editora Unicamp, 1990.
____. Esaú e Jacó. Biografia, vocabulário, comentários, bibliografia por Leticia Malard. - Belo Horizonte : Autêntica, 1998.
____. Quincas Borba. 2º ed. São Paulo, Ática, 2 ed. 1973.
____. Helena. Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre: W. M. Jackson Inc Editores, 1959.
____. Iaiá Garcia. Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre: W. M. Jackson Inc Editores, 1959.
____. Memorial de Aires. – São Paulo : Globo, 1997. – (Obras completas de Machado de Assis).
____. Memórias póstumas de Brás Cubas. São Paulo: Ática, 1992.
____. Correspondência de Machado de Assis : tomo III, 1890-1900 / coordenação e orientação Sergio Paulo Rouanet ; reunida, organizada e comentada por Irene Moutinho e Sílvia Eleutério. – Rio de Janeiro : ABL, 2011.
BARTHES, Roland. Crítica e verdade / Roland Barthes; [tradução Leyla Perrone-Moisés], — São Paulo: Perspectiva, 2007. — (Debates; 24 / dirigida por J. Guinsburg).
BETELLA, Gabriela Kvacek. BONS DIAS! O funcionamento preciso da inteligência em terra de relógios desacertados: as crônicas de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Revan, 2006.
____.. Machado de Assis enfrenta tragédias e farsas na crônica: a reflexão crítica de Bons Dias!. Revista Letras, Curitiba, n. 62, p. 11-25. jan./abr. 2004. Editora UFPR. p. 11- 25.
BOSI, Alfredo. Raymundo Faoro leitor de Machado de Assis. ESTUDOS AVANÇADOS 18 (51), 2004, p. 355-376.
BRASIL. LEI Nº 3.353, DE 13 DE MAIO DE 1888. Declara extinta a escravidão no Brasil. COLEÇÃO DAS LEIS DO IMPÉRIO DO BRASIL, 1888. PARTE I. TOMO XXXV., p. 1.
BROCA, Brito. Horas de leitura: primeira e segunda séries. Coordenação de Alexandre Eulálio. Campinas: Ed. da Unicamp, 1992. (Coleção repertórios). p.241. Apud PINHEIRO, Marta Passos. Machado de Assis cronista: “bons dias! ” No avesso da república. Rev. Let. São Paulo, v.52, n.2, p.133-145, jul. /dez. 2012.
CALDWELL, Helen. O Otelo brasileiro de Machado de Assis: um estudo de Dom Casmurro. Tradução de Fábio Fonseca de Melo. São Paulo: Ateliê, 2002. 1º Edição 1960.
CANDIDO, Antônio. [et.al.]. A vida ao rés-do-chão. In: A crônica: o gênero, sua fixação e suas transformações no Brasil. Campinas, São Paulo: Editora da Unicamp; Rio de Janeiro: Fundação Cada Rui Barbosa, 1992.
CHALHOUB, S.. Machado de Assis, historiador (2ª impressão: 2007; 3ª impressão: 2012). 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.
____. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na Corte. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2011. v. 1.
____. A força da escravidão: ilegalidade e costume no Brasil oitocentista. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.
DUARTE, Eduardo de Assis. A capoeira literária de Machado de Assis. Machado de Assis em Linha, v. Ano 2, p. 10, 2009.
____. (Org.). Machado de Assis afro-descendente. Rio de Janeiro/Belo Horizonte: Pallas/Crisálida. 2ª ed., 2009; 1 ed., 2007.
____. Por um conceito de literatura afro-brasileira. Terceira Margem. Rio de Janeiro, Número 23, p. 113-138, julho/dezembro 2010, 113-138.
FAORO, Raymundo. Machado de Assis: a pirâmide e o trapézio. 2 ed. São Paulo, Ed. Nacional, Secr. Cult. Ciencia e Tecn, Est. S. P. P., 1976.
____. Os donos do poder. Formação do patronato político brasileiro, 5ª ed., vol. I, Porto Alegre, Globo, 1979.
GLEDSON, John. Machado de Assis: ficção e história; tradução, Sonia Coutinho – 2.ed. ver. - São Paulo: Paz e Terra, 2003.
____. Por um novo Machado de Assis: ensaios – São Paulo: Companhia das Letras, 2006.
MATTOS, Mário. Machado de Assis: o homem e a obra - os personagens explicam o autor. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1930.
MAYER, Augusto. Machado de Assis. Porto Alegre: Globo, 1935.
MOISÉS, Massaud. A criação literária. 10ª ed. São Paulo: Cultrix, 1982.
PEREIRA, Lucia Miguel. Machado de Assis: estudo crítico e biográfico. 6 Ed. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: EDUSP, 1988. 1º edição 1936.
PESAVENTO, Sandra. Com os olhos de Clio ou a Literatura sob o olhar da Historia a partir do conto O Alienista, de Machado de Assis. Ver. Brasileira de História. SO. V. 16, Nº 31 e 31, p. 108.118/ 1996.
PIZA, Daniel. Machado de Assis: um gênio brasileiro. São Paulo: Imprensa Oficial, 2005.
REGO. J.L. Menino de Engenho. Rio de Janeiro: José Olympio, 1956.
ROCHA, João Cezar de Castro. Machado de Assis: Por uma poética da emulação. – 1º Ed. – Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.
ROMERO, Sílvio. Machado de Assis: estudo comparativo de literatura brasileira (Campinas: Editora da UNICAMP, 1992, reimp.).
SANTIAGO, Silviano. Retórica da Verossimilhança. In: ______. Uma literatura nos trópicos: ensaios sobre dependência cultural. – 2. Ed. – Rio de Janeiro, Rocco, 2000.
SCHNEIDER, A. L. “Sílvio Romero e Machado de Assis: leituras e dissensos do fim do Oitocentos”. Intelligere, Revista de História Intelectual, São Paulo, v. 2, n 2 [3], p. 49-67. 2016. ISSN 2447-9020. Disponível em http://revistas.usp.br/revistaintelligere>. Acesso em 18/02/2018.
SCHWARCZ, Lilia. Lima Barreto e o racismo do nosso tempo. Helô D'Angelo. 11 de maio de 2017. Revista CULT. Disponível em https://revistacult.uol.com.br/home/lima-barreto-e-o-racismo-do-nosso-tempo. Acesso em 23/06/2018.
SCHWARZ, Roberto. Ao vencedor as batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. 2. ed. São Paulo: Duas Cidades, 1981.
____. Um mestre na periferia do capitalismo. 4.ed. São Paulo: Duas Cidades, 2000.
SOARES, Ivanete Bernardino. A dimensão discursiva e estratégica das crônicas da série Bons dias!, de Machado de Assis [manuscrito] / Ivanete Bernardino Soares. – 2010;
TRÍPOLI, Mailde Jerônimo. Imagens, máscaras e mitos: o negro na literatura brasileira no tempo de Machado de Assis – Campinas, SP: [s.n], 1997. Dissertação (mestrado) Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da linguagem.
Publicado
2019-09-30