Narrar o inenarrável; representar o irrepresentável: Os limites de representações de Auschwitz aos olhos de Art Spiegelman e Primo Levi

  • Maria Visconti Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar os conceitos de representação e de narrativa partindo de duas formas de representação do Holocausto, sobretudo de Auschwitz. Utilizando as narrativas escritas do sobrevivente italiano Primo Levi em suas principais obras É isto um homem? (1988) e Afogados e Sobreviventes (2016) e o quadrinho Maus (2009) do ilustrador sueco Art Spiegelman, pretende-se pensar em formas diferentes e possíveis de representação de um mesmo evento. A premissa é sobretudo compreender a partir de uma narrativa escrita e uma história em quadrinhos como se dá a construção da noção dos limites da representação e da ineficiência da linguagem para narrar um evento tão traumático como o Holocausto. Para isso, serão utilizadas as análises de Hayden White, Carlo Ginzburg e Roger Chartier acerca do conceito de representação e a reflexão de Hannah Arendt e Seyla Benhabib sobre a ideia de narrativa, tentando mapear o indizível do trauma e outras maneiras possíveis de compreender os campos de extermínio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Visconti, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Licenciada em história pela Universidade Federal de Minas Gerais. Mestre e Doutoranda em História e Culturas Políticas pela Universidade Federal de Minas Gerais.
Publicado
2019-09-30