Navegando em águas profundas: o estatuto social dos nautai na Odisseia

  • Martinho Guilherme Fonseca Soares Programa de Pós-Graduação em História -Universidade Federal do Espírito Santo (PPGHis/Ufes).
Palavras-chave: Odisseia, Nautai, Estatuto social.

Resumo

O texto busca, a partir dos Cantos que integram a Odisseia, compreender o imaginário elaborado pelos gregos sobre o mar. Para tanto, elenca os perigos a que os nautai estiveram expostos em suas aventuras marítimas, conforme o relato de Homero. Ao constituir-se de uma análise pormenorizada dos termos que se referem a esses homens, ou que a eles aparecem associados, investiga o papel desempenhado por esse segmento social no interior do oîkos homérico, num momento singular, marcado pela emergência da pólis. Em função disso, é dado destaque aos valores privados e coletivos que caracterizam essas duas formas de organização social presentes na Idade Homérica. Por fim, busca combinar o conjunto dessas representações, apontando o estatuto social dos nautai, detentores de um conhecimento empírico acerca da navegação, do mar e das práticas que lhes são correlatas.

Biografia do Autor

Martinho Guilherme Fonseca Soares, Programa de Pós-Graduação em História -Universidade Federal do Espírito Santo (PPGHis/Ufes).
Mestrando em História Soacial das Relações Políticas pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes); membro do Laboratório de Estudos sobre o Império Romano (Leir/ES).

Referências

Documentação textual impressa
HOMERO. Odisseia. Tradução de Trajano Vieira. São Paulo: Editora 34, 2011.
HOMER. The Odyssey. English translation by A. T. Murray. Cambridge: Harvard University Press; London: William Heinemann, 1924. v. 1 e 2.
Obras de referências
GRIMAL, Pierre. Dicionário de mitologia grega e romana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.
Obras gerais
AUSTIN, Michel; VIDAL-NAQUET, Pierre. Economia e sociedade na Grécia antiga. São Paulo: Edições 70, 1972.
CABRAL, Luiz Alberto Machado. Prefácio à edição brasileira. In: SNODGRASS, A. Homero e os artistas. São Paulo: Odysseus, 2004.
CUNHA, Lúcia Helena de Oliveira. O. Significados múltiplos das águas. In: DIEGUES. A. C. A imagem das águas. São Paulo: Hucitec, 2000. p. 15-26.
LÈFEVRE. François. História do mundo grego antigo. São Paulo: Martins Fontes, 2013.
LEITE, Mário Cezar Silva. Meu corpo até arrepia, só de falar. In: DIEGUES. A. C. A imagem das águas. São Paulo: Hucitec, 2000. p.143-156.
MCGRAIL, Sean. Boats of the world: from the Stone Age to Medieval Times. New York: Oxford University Press, 2009.
MOSSÉ, Claude. A Grécia Arcaica de Homero a Ésquilo (Séculos VIII-VI a.C.). Lisboa: Edições 70, 1984.
SNODGRASS, Anthony. Homero e os artistas. São Paulo: Odysseus, 2004.
SNODGRASS, Anthony. Archaic Greece: the age of experiment. Berkeley: University of California Press, 1981.
SOUZA, Camila Diogo. Estruturas e artefatos: o culto heroico em sítios gregos da Idade do Ferro (séc. XI ao VIII a.C.). 2005. Dissertação (Mestrado em Arqueologia). Programa de Pós-Graduação em Arqueologia - Museu de Arqueologia e Etnologia - Universidade de São Paulo. 2005.
STARR, Chester. The Origins of greek civilization (1100-650 b.C.). London: Jonathan Cape, 1962.
VIEIRA, Ana Lívia Bonfim. O mar, os pescadores e seus deuses: religiosidade e astúcia na Grécia antiga. São Luís: UEMA, 2011.
Publicado
2019-02-12