As hemerotecas digitais discursivizadas na web: heterogeneidade discursiva e formação imaginária na rede

Autores

  • Francis Lampoglia
  • Valdemir Miotello Universidade Federal de São Carlos
  • Lucília Romão Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.17851/1983-3652.4.2.2-6

Palavras-chave:

Análise do Discurso. Hemeroteca digital. Sujeito.

Resumo

Este trabalho estuda o funcionamento discursivo de duas páginas da web, sendo uma do Arquivo Público do Estado, referente à hemeroteca do jornal Última Hora, e outra referente ao site do jornal O Estado de S. Paulo, mais precisamente à seção "Especiais", intitulado "Nas páginas do Estadão, a luta contra a censura". Sob a orientação da Análise do Discurso de matriz francesa, fundada por Michel Pêcheux, com o apoio dos estudos sobre o dialogismo de Mikhail Bakhtin e das discussões sobre o virtual de Pierre Lévy, esse trabalho visa compreender o modo como são produzidos efeitos de sentido sobre o entrelaçamento de vozes que compõem as páginas web analisadas, bem como analisar qual a formação imaginária que tais sites constroem de si e de seus leitores através do discurso eletrônico. Inseridos em um ambiente eletrônico, os sites que abrigam acervos de jornais e revistas, além de constituir um arquivo sob uma perspectiva histórica, também tentam construir uma imagem de si e/ou do jornal que abrigam. Entendendo que a rede mundial de computadores é uma realidade, destacamos a importância de se estudar o discurso presente nos sites como forma de romper com a suposta neutralidade da imprensa e da web.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francis Lampoglia

Mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade (PPGCTS), Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH), Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). FAPESP n. 2010/03200-2.

Valdemir Miotello, Universidade Federal de São Carlos

Profº Drº do Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade da Universidade Federal de São Carlos.

Lucília Romão, Universidade de São Paulo

Profª Drª do curso de Ciências da Informação e da Documentação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FFCLRP/USP).

Referências

AQUINO, M.A. de. Censura, imprensa, estado autoritário (1968-1978): o exercício cotidiano da dominação e da resistência: O Estado de São Paulo e Movimento. Bauru: EDUSC, 1999.

ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO. Disponível em: http://www.arquivoestado.sp.gov.br/index2.php. Acesso em 31 de maio de 2011.

ESTADÃO.COM.BR. 1968: mordaça na imprensa. Disponível em: http://www.estadao.com.br/especiais/nas-paginas-do-estadao-a-luta-contra-a-censura,20408.htm. Acesso em 31 de maio de 2011.

FERNANDES, C. A. Análise do Discurso: reflexões introdutórias. Goiânia: Trilhas Urbanas, 2005.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 2010.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 2005.

ORLANDI, E. P. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas: Unicamp, 2007.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Unicamp, 1997.

Downloads

Publicado

2011-10-03

Como Citar

LAMPOGLIA, F.; MIOTELLO, V.; ROMÃO, L. As hemerotecas digitais discursivizadas na web: heterogeneidade discursiva e formação imaginária na rede. Texto Livre: Linguagem e Tecnologia, Belo Horizonte-MG, v. 4, n. 2, p. 2–6, 2011. DOI: 10.17851/1983-3652.4.2.2-6. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/16591. Acesso em: 27 nov. 2021.

Edição

Seção

Linguística e Tecnologia