O uso de recursos tecnológicos e linguagem musical na aproximação de pais e filhos: uma experiência no 1º ciclo de educação musical

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17851/1983-3652.12.3.37-48

Palavras-chave:

ambientes virtuais de aprendizagem, musicalização infantil, recursos tecnológicos didáticos, família e escola

Resumo

RESUMO: O presente artigo descreve um estudo de caso que foi desenvolvido em uma escola pública de música do Estado de Minas Gerais. A pesquisa teve como objetivo avaliar o uso do ambiente virtual de Aprendizagem Moodle na aproximação dos pais no desenvolvimento musical de estudantes do 1º ciclo do curso de educação musical, voltado para o atendimento de crianças de 6 a 8 anos. Nesse ciclo, as crianças são introduzidas ao mundo dos estudos musicais e necessitam de todo o suporte para que se sintam confortáveis. Muitas vezes a falta de conhecimentos musicais dos pais impossibilita o apoio aos filhos, que acabam ficando desmotivados e, muitas vezes, chegam até a trancar seus cursos. Neste artigo são apresentados os resultados da pesquisa que inclui a condução de entrevistas, realização de atividades no ambiente educativo virtual e a análise de relatórios de acesso dos participantes, fornecidos pela própria plataforma EaD. Como resultado, verificou-se que essa ferramenta pode contribuir significativamente na aproximação dos pais no acompanhamento dos aprendentes em suas atividades musicais e por consequência na motivação e na aprendizagem dos estudantes. Além disso, constatamos crescimento nos indicadores de proficiência musical dos alunos por meio da avaliação de habilidades e competências específicas, bem como uma sensível redução na evasão.

PALAVRAS-CHAVE: ambientes virtuais de aprendizagem; musicalização infantil; recursos tecnológicos didáticos; família e escola.

 

ABSTRACT: This paper describes a case study that was developed in a public music school in the state of Minas Gerais. The research aimed at assessing the use of the Moodle platform to approach parents in the musical development of students from the 1st cycle of the music education course, aimed at attending children from 6 to 8 years old. In this cycle, children are introduced to the world of music studies and need all the support to make them feel comfortable. Often, the parents' lack of musical knowledge makes it impossible to support their children, who become unmotivated and often even lock up their courses. This article presents the results of the research that includes conducting interviews, conducting activities in the virtual educational environment and analyzing access reports of participants, provided by the e-learning platform itself. As a result, it was found that this tool can contribute significantly in bringing parents closer to the learners' accompaniment in their musical activities and consequently in students’ motivation and learning. In addition, we found growth in students' musical proficiency indicators through the assessment of specific skills and competences, as well as a marked reduction in dropout.

KEYWORDS: virtual learning environments; children's musicalization; didactic technological resources; family and school.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sergio Candido de Oscar, CONSERVATÓRIO ESTADUAL DE MÚSICA HAIDEE FRANÇA AMERICANO

Doutor em Ciências Humanas - Educação pela PUC-RIO, Mestre em Educação pela Universidade Católica de Petrópolis, Especialista em Informática Aplicada a Educação pela Universidade Federal de Lavras, Graduado em Música pela UNIS. Atualmente é Professor no Conservatório Estadual de Música e na Prefeitura de Juiz de Fora. Tem experiência no ensino de Música e no uso de tecnologias digitais da informação e comunicação na educação.

Celso Augusto dos Santos Gomes, CENTRO UNIVERSITÁRIO DO SUL DE MINAS - UNIS

Concluiu doutorado em Educação pela UNIMEP com bolsa da FAPEMIG pesquisando a constituição de saberes e fazeres de professores de música que atuam no ensino superior (licenciatura) na modalidade EaD. Tem mestrado em Tecnologias da Inteligência e Design Digital pela PUC-SP sob a área de concentração: "Processos Cognitivos e Ambientes Digitais". Neste mestrado focou a linha de pesquisa "Aprendizagem e Semiótica Cognitiva" e com bolsa CAPES/PROSUP pesquisou por recursos tecnológicos ubíquos e pervasivos em processos cooperativos de ensino e aprendizagem. É também pós-graduado em Docência em Educação a Distância no Centro Universitário do Sul de Minas (UNIS-MG), em Psicopedagogia Institucional (UCB), em Designer Instrucional para a EaD virtual pela Universidade Federal de Itajubá e em Tecnologia e EaD (UNIS-MG). Tem Licenciatura em Música e Bacharelado em Música, este último pelo Centro Universitário das Faculdades Integradas Alcântara Machado (2003). Atualmente coordenador do curso de graduação em música do Unis e professor nas pós-graduações desta mesma instituição. Tem experiência na área de educação musical, formação docente, educação superior com ênfase em educação a distancia e tecnológica. 

Referências

ADLER, R.; EWING, J.; TAYLOR, P.. Citation statistics: a report from the International Mathematical Union (IMU) in Cooperation with the International Council of Industrial and Applied Mathematics (ICIAM) and the Institute of Mathematical Statistics (IMS). Statistical Science, 24 (1), p. 1-14, 2009.

BARE, C. The guide to Open Science. 2014. Retrieved from: https://www.fosteropenscience.eu/. Access in: 22 Jul. 2019.

BARTHOLOMEW, R. E.. Science for sale: the rise of predatory journals. Journal of the Royal Society of Medicine 107 (10), p. 384–385, 2014. https://dx.doi.org/10.1177/0141076814548526.

BEALL, J.. Predatory publishers are corrupting open access. Nature 489, p. 179, 2012. https://dx.doi.org/10.1038/489179a.

BENKLER, Y.. The wealth of networks: How social production transforms markets and freedom. Yale: Yale University Press, 2006.

BOHANNON, J.. Hate journal impact factors? New study gives you one more reason. Science. 6 de julho de 2016. Retrieved from: http://www.sciencemag.org/news/2016/07/hate-journal-impact-factors-new-study-givesyou-one-more-reason. Access in: 22 Jul. 2019.

BUTLER, D. The dark side of publishing. Nature, 495, p. 433-435, 2013. https://dx.doi.org/10.1038/495433a.

CARDOSO, G.; CARAÇA, J.; ESPANHA, R.; TRIÃES, J.; MENDONÇA, S. As políticas de Open Access. Res publica científica ou auto-gestão? Sociologia, Problemas e Práticas 60, p. 53-67, 2009.

CARDOSO, G.; JACOBETTY, P. O que significa Open Science? Working report, 2010. Retrieved from: http://www.lini-research.org/np4/?newsId=12&fileName=open_science.pdf. Access in: 22 Jul. 2019.

CASATI, F. et al. Publish and perish: why the current publication and review model is killing research and wasting your money. ACIMED, 8(3), p. 298-309, 2006.

CASTELLS, M. The Power of Identity. Oxford, Blackwell Publishers, 2004.

CLARK, J.; SMITH, R. Firm action needed on predatory journals. The British Medical Journal 350(h210), 2015. https://dx.doi.org/10.1136/bmj.h210.

HOWARD, J. Humanities Journals Confront Identity Crisis. The Chronicle of Higher Education, 55(29), p. 8, 2009.

JOHNSTONE, M. J. Journal impact factors: implications for the nursing profession. International Nursing Review, 54 (1), p. 35-40, 2007. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1466-7657.2007.00527.x.

KUPIEC-WEGLINSKI, J. W.. Journal Impact Factor (JIF): The good, the bad, and the ugly. Nowotwory. Journal of Oncology, 65(6), p. 481-482, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.5603/NJO.2015.0094.

MIROWSKI, P. The future(s) of open science. Social Studies of Science, 48(2), p. 171-203, 2018. https://doi.org/10.1177/0306312718772086.

NENTWICH, M. Cyberscience: Modelling ICT-induced changes of the scholarly communication system. Information, Communication & Society, 8(4), p. 542-560, 2005.

PAULUS, F. M.; CRUZ, N.; KRACH, S. The Impact Factor Fallacy. Frontiers in Psychology, 9(1487), p. 1-7, 2018.

PIPER, A. Is Open Science a neo liberal tool? Here´s why not. TXTLAB, McGill University, 2017. Retrieved from: https://txtlab.org/2017/02/is-open-science-a-neo-liberal-tool-hereswhy-not/. Access in: 22 Jul. 2019.

QUINTANILHA, T. L. Considerações sobre os desafios múltiplos da Ciência Aberta. Estudos em Comunicação, 21, p. 13-34, 2015. Disponível em: http://ec.ubi.pt/ec/21/pdf/ec21-02.pdf. Acesso em: 22 jul. 2019.

QUINTANILHA, T. L.; CARDOSO, G. The impact factor as a legitimator of the scientific knowledge produced: a review of the literature.

JANUS.NET e-journal of International Relations, 9(2), p. 32-44, 2018.

SEGLEN, P. O. Why the impact factor of journals should not be used for evaluating research. British Medical Journal, 314(7079), p. 498-502, 1997.

SKARLATIDOU, A.; HAMILTON, A.; VITOS, M.; HAKLAY, M. ‘What do volunteers want from citizen science technologies? A systematic literature review and best practice guidelines’. JCOM, 18(01), A02, 2019. https://doi.org/10.22323/2.18010202.

XIA, J., J. L.; HARMON, K. G.; CONNOLLY, R. M.; DONNELLY, M. R.; ANDERSON; HOWARD, H.A. Who publishes in predatory journals? Journal of the Association for Information Science and Technology, 66(7), p. 1406-1417, 2015. https://dx.doi.org/10.1002/asi.23265.

YEOH, M. P.; CAZAN, A. M.; ZAIB, S.; MUSS, W.; JACIC, L. Ethical and Predatory Publishing: Experiences and Perceptions of Researchers. Bulletin of the Transilvania University of Brasov, 10(1), p. 1-13, 2017.

RIBEIRO, L. S. A participação da família na vida escolar dos filhos. Brasília: UNB, 2011. 92 f. Monografia (Licenciatura em Pedagogia) – Faculdade de Educação, Universidade de Brasília, Brasília, 2011.

RODRÍGUEZ-QUILES, J. A.; DOGANI, K. Music in schools across Europe: analysis, interpretation and guidelines for music education in the framework of the European Union. In: VON CARLSBURG, G.-B.; LIIMETS, A.; GAIZUTIS, A. (Eds.) Music Inside and Outside The School, Frankgurt: 2010. p. 95-121.

ZANELLA, AV, et al. Participação dos pais na escola: diferentes expectativas. In ZANELLA, AV., et al. (org.). Psicologia e práticas sociais [online]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2008. p. 132-141.

Downloads

Publicado

2019-09-08

Como Citar

OSCAR, S. C. de; DOS SANTOS GOMES, C. A. O uso de recursos tecnológicos e linguagem musical na aproximação de pais e filhos: uma experiência no 1º ciclo de educação musical . Texto Livre: Linguagem e Tecnologia, Belo Horizonte-MG, v. 12, n. 3, p. 37–48, 2019. DOI: 10.17851/1983-3652.12.3.37-48. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/16855. Acesso em: 5 ago. 2021.

Edição

Seção

Educação e Tecnologia