A Jovem Parca, de Paul Valéry

um convite à leitura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2317-2096.2020.21990

Palavras-chave:

Paul Valéry, A jovem Parca, Augusto de Campos, ética da retradução

Resumo

Em 1917, Paul Valéry publica, depois de décadas de silêncio, um longo poema escrito durante toda a Primeira Guerra Mundial. La Jeune Parque, que retoma a forma clássica do alexandrino de Racine, projeta Paul Valéry à esfera de poeta oficial da França, por sintetizar, em certo sentido, a atmosfera ambígua e movente de seu tempo. Traduzido em 1987 por Augusto de Campos de acordo com as regras consolidadas no Brasil de valorizar rima e métrica, ele é aqui reescrito em prosa poética para que as modulações que implicam em seu jogo de imagens se tornem ainda mais evidentes. Leio o poema na chave do luto, pois agora decerto chorar é preciso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CAMPOS, Augusto de. Linguaviagem. São Paulo: Cia das Letras, 1987.

CAVALCANTI, Geraldo Holanda. O Cântico dos Cânticos: um ensaio de interpretação através de suas traduções. São Paulo: Edusp, 2005.

FALEIROS, Álvaro; ZULAR, Roberto. Situação de Valéry traduzido no Brasil. Remate de Males, Campinas, v. 38, n. 2, p. 631-682, 2018. DOI: https://doi.org/10.20396/remate.v38i2.8652859. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8652859. Acesso em: 7 nov. 2020.

MESCHONNIC, Henri. Poética do Traduzir. Tradução: Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich. São Paulo: Perspectiva, 2010.

WALTZER, Pierre-Olivier. La poésie de Paul Valéry. Paris: Pierre Callier Editeur, 1953.

Downloads

Publicado

2020-12-22

Como Citar

Faleiros, A. (2020). A Jovem Parca, de Paul Valéry: um convite à leitura. Aletria: Revista De Estudos De Literatura, 30(4), 249–268. https://doi.org/10.35699/2317-2096.2020.21990

Edição

Seção

Dossiê – Ética na tradução literária