Impacto da prótese dentária total removível na qualidade de vida de idosos em Grupos de convivência de Belo Horizonte - MG

  • Albertina de Oliveira Maruch Universidade Estadual de Minas Gerais -UEMG
  • Efigênia Ferreira e Ferreira Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG
  • Andréa Maria Duarte Vargas Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG
  • Maria Auxiliadora Guerra Pedroso Sistema Único de Saúde SUS/MG
  • Marco Túlio de Freitas Ribeiro Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Resumo

Resultados de um recente estudo epidemiológico nacional de saúde bucal revelaram um alto percentual de idosos edêntulos, muitos destes, necessitando de reabilitação protética. O objetivo deste estudo foi avaliar o impacto da reabilitação com próteses totais removíveis na qualidade de vida de idosos, independentes, que participavam de atividades sociais. O universo de estudo foi constituído por idosos que participavam dos Grupos de Convivência conveniados a Prefeitura de Belo Horizonte (Brasil) em 2004. O cálculo amostral foi
feito pelo método de proporção (intervalo de confiança de 95%, erro a de 0,05 e um percentual de impacto de 80%). Depois de ajustado para uma população finita, o tamanho da amostra foi determinado em 245 indivíduos (n=245), proporcionalmente dividido pelas 9 regionais administrativas da cidade. Os indivíduos foram entrevistados no próprio Grupo de convivência, por um único pesquisador, utilizando o Índice de Avaliação Bucal Geriátrico (GOHAI). Os resultados foram organizados em Gráficos e Tabelas para apresentação dos
resultados. O valor médio do GOHAI foi 36.82 (± 5.75). Dos entrevistados, 26% relataram “sempre” ter limitações da função mastigatória; 19% disseram “às vezes” ter dificuldade de deglutição; 69% “nunca” restringiam seus contatos sociais em função de sua aparência, e 22% “sempre” usavam medicamentos para alívio de dor ou desconforto. As próteses dentárias totais removíveis possuem limitações com impacto sobre a qualidade de vida, indicando a necessidade de investimento em programas de promoção de saúde para a
preservação dos elementos dentários naturais. 

Descritores: Prótese total. Assistência odontológica para idosos. Qualidade de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Albertina de Oliveira Maruch, Universidade Estadual de Minas Gerais -UEMG
Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG), Belo Horizonte, MG, Brasil
Efigênia Ferreira e Ferreira, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Departamento de Odontologia Social e Preventiva, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais
(UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil

Andréa Maria Duarte Vargas, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Departamento de Odontologia Social e Preventiva, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais
(UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil

Maria Auxiliadora Guerra Pedroso, Sistema Único de Saúde SUS/MG
Secretaria de Estado de Saúde, SUS/MG, Belo Horizonte, MG, Brasil
Marco Túlio de Freitas Ribeiro, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG
Departamento de Odontologia Social e Preventiva, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais
(UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil

Referências

1. Ministério da Saúde. Projeto SB Brasil 2003:condições de saúde bucal da população brasileira: 2002-2003. Brasília: Ministério da Saúde;2004.
2. Ministério da Saúde. Brasil sorridente. Brasília; 2004 [acesso em 2004 Mar 05]. Disponível em: http://www.saude.gov.br.
3. McEntee MI. Measuring the impact of oral health in old age: a qualitative reaction to some quantitative views. Gerontol. 1996;13:76-81.
4. Kressin NR, Atchinson A, Miller DR. Comparing the impact of oral disease in two populations of older adults: application of the
geriatric oral health assessment index. J Public Health Dent. 1997;57:224-32.
5. Jones JA. Using oral quality of life measures in geriatric dentistry. Community Dent Health. 1998;15:13-18.
6. Jones JA, Kressin NR, Spiro III A, Randall CW, Miller DR, Hayes C, Kazis L, Garcia RY. Self-reported and clinical oral health in users of VA Health Care. J Gerontol. 2001;56:55-62.
7. McGrath C, Bedi R. Can denture improve the quality of life of those who have experienced considerable tooth loss? J Dent. 2001;29:243-46.
8. McNaugher G, Benington I, Freeman R. Assessing expressed need and satisfaction in complete denture wears. Gerontol. 2001;18:51-57.
9. Sheiham A, Steele JG, Marcenes W, Tsakos G, Walls AWG. Prevalence of dental and oral disorders and their effects on eating among older people: a national survey in Great Britain. Community Dent Oral pidemiology.
2001;29:195-203.
10. Tsakos G, Marcenes W, Sheiham A. Crosscultural differences in oral impacts on daily performance between Greek and Britsh older adults. Community Dent Health. 2001;18:209-13.
11. Locker D, Matear D, Stephens M, Jokovic A. Oral health related quality of life of a population of medically compromised elderly
people. Community Dent Health. 2002;19:90-97.
12. Atchinson KA, Dolan TA. Development of the geriatric oral health assessment index. J Dent Educ. 1990;54:680-87.
13. Souza RF, Patrocínio L, Pero AC, Marra J, Campagnoni MA. Reliability and validation of a brazilian version of the oral health impact profile for assessing edentulous subjects. J Oral Rehabil. 2007;34:821-26.
14. Silva SCR, Castellanos Fernandes RA. Autopercepção das condições de saúde bucal por idosos. Rev de Saúde Pública. 2001;35:344-55.
15. Moriguchi MD. Aspectos geriátricos no atendimento odontológico. Rev Odonto Ciência. Fac Odonto PUCRS. 1990:9:122-23.
16. Freitas KM, Oliveira PEF, Paranhos HFO, Muglia VA, Pardini LC. Avaliação do grau de satisfação de pacientes reabilitados com
próteses totais convencionais. Rev Paul Odontol. 2001;6:25-26.
17. Andrade MA. Especialidade do futuro: daqui a 20 anos, dois em cada três pacientes serão idosos. Você estará preparado para atendêlos?
Rev ABO Nac. 2001;9:72-74.
18. Rodrigues SM, Vargas AMD, Moreira AN. Percepção de saúde bucal em idosos. Arq Odontol. 2003;39:163-254.
19. Portillo JAC, Paes AMC. Autopercepção de qualidade de vida relativa à saúde bucal. Rev Bras Odontol S Col. 2000;1:75-88.
20. Belo Horizonte. Secretaria Municipal de Assistência Social. Belo Horizonte: Prefeitura Municipal de Belo Horizonte [acesso em 2004 Jul 05]. Disponível em:http://www.pbh.gov.br.
21. Snedecor GW. Cochran WG. Statistical Methods. Ames: Iowa State University; 1989.
22. Mascarenhas AK. A comparison of oral health in elderly populations seeking and not seeking dental care. Spec Care Dentist.1999;6:248-53.
23. Braga SRS, Telarolli Junior R, Braga AS, Catirse AB. Efeito do uso de próteses na alimentação de idosos. Rev Odontol UNESP. 2002;31:71-81.
24. Jiatormirsky F. Atenção aos idosos. In: Pinto VG. Saúde bucal coletiva. 4ªed. São Paulo:Santos; 2000.
25. Souza PC, Tamaky R. Implicações do uso da prótese total na geriatria. Robrac. 1996;6:19.
26. Marchini L, Montenegro FLB, Cunha VPP, Santos JFF. Prótese dentária na terceira idade. Rev Assoc Paul Cir Dent. 2001;55:83-87.
27. Souza VMS, Pagani C, Jorge ALC. Odontogeriatria: sugestão de um programa de prevenção. Rev Fac Odontol São José
Campos. 2001;4:56-62.
Publicado
2016-04-04
Como Citar
Maruch, A. de O., Ferreira, E. F. e, Vargas, A. M. D., Pedroso, M. A. G., & Ribeiro, M. T. de F. (2016). Impacto da prótese dentária total removível na qualidade de vida de idosos em Grupos de convivência de Belo Horizonte - MG. Arquivos Em Odontologia, 45(2). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3498
Seção
Artigos

Most read articles by the same author(s)