Reabilitação com prótese dentária total em idosos e melhoria na dimensão do OHIP

  • Jairo Evangelista Nascimento Faculdades Unidas do Norte de Minas, Montes Claros, Minas Gerais
  • Marinilza Soares Mota Sales Faculdades Unidas do Norte de Minas, Montes Claros, Minas Gerais
  • Efigênia Ferreira e Ferreira Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais
  • Paula Karoline Soares Farias Faculdades Unidas do Norte de Minas, Montes Claros, Minas Gerais
  • Raquel Conceição Ferreira Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais
  • Andrea Maria Eleutério de Barros Martins Departamento de Odontologia, Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros, Minas Gerais

Resumo

Objetivo: Avaliar os impactos consequentes das desordens bucais antes e após a reabilitação com prótese dentária total muco-suportada entre idosos edêntulos de Ibiaí-MG em 2012.

Métodos: Ensaio clínico controlado não randomizado com dois grupos de 36 idosos edêntulos cada, que foram entrevistados em dois momentos utilizando o instrumento Oral Health Impact Profile (OHIP). Entre as entrevistas, um dos grupos foi reabilitado com prótese dentária total, e o outro grupo foi reabilitado após as entrevistas. Os dados das duas entrevistas, antes e depois, foram comparados inter e intragrupos, utilizando testes estatísticos (intergrupos: Qui-quadrado e o “Teste U” de Mann-Whitney; intragrupos: Macnemar e o Teste de Wilcoxon) com auxílio do SPSS 17.0.

Resultados: Constatou-se que antes da intervenção não havia diferenças estatisticamente significantes entre os dois grupos. Após a intervenção, o grupo reabilitado apresentou redução nos impactos consequentes das desordens bucais nas dimensões da saúde bucal ao se comparar com seus dados antes da reabilitação ou com o grupo que não recebeu reabilitação. Verificou-se diminuição do impacto entre os reabilitados em quatro das sete dimensões do OHIP: desconforto psicológico e incapacidades psicológica, física e social. A reabilitação esteve associada à diminuição dos impactos consequentes das desordens bucais na maioria das dimensões do OHIP. Ao considerar a influência destes fatores na qualidade de vida dos idosos, o tratamento protético reabilitador parece ter uma influência positiva na trajetória da saúde dos mesmos.

Conclusão: Após a reabilitação houve redução nos impactos consequentes das desordens bucais. Políticas públicas devem ser readequadas para ampliar o acesso e a reabilitação protética dos idosos, pois, na maioria dos casos, o edentulismo e a falta de reabilitação podem enfatizar o descaso com a saúde bucal dos idosos e a despreocupação com a qualidade de vida dos mesmos.

Descritores: Arcada edêntula. Idoso. Política de saúde. Serviços de saúde para idosos.

Referências

(1) Kandelman D, Petersen PE, Ueda H. Oral health, general health, and quality of life in older people. Spec Care Dent. 2008;28(6):224-36.

(2) Furtado DG, Forte FDS, Leite DFBM. Uso e Necessidade de Próteses em Idosos: Reflexos na Qualidade de Vida. Rev Bras Ciênc Saúde. 2011;15(2):183-90.

(3) Ministério da Saúde (Brasil). Projeto SBBrasil 2003: condições de saúde bucal da população brasileira 2002-2003. Resultados principais. Brasília: Ministério da Saúde.

(4) Haugejorden O, Klock KS, Trovik TA. Incidence and predictors of self-reported tooth loss in a representative sample of Norwegian adults. Community Dent Oral Epidemiol. 2003;31:261-8.

(5) Andrade FB, Lebrão ML, Santos JL, Cruz Teixeira DS, Oliveira Duarte YA. Relationship between oral health -related quality of life, oral health, socioeconomic, and general health factors in elderly Brazilians. J Am Geriatr Soc. 2012; 60(9):1755-60.

(6) Slade GD. Derivation and validation of a short-form oral health impact profile. Community Dent Oral Epidemiol. 1997;25(4):284-90.

(7) Doundoulakis JH, Eckert SE, Lindquist CC, Jeffcoat MK. The implant-supported overdenture as an alternative to the complete mandibular denture. J Am Dent Assoc. 2003;134(11):1455-8.

(8) Silva-Junior MF, Fonseca EP, Batista MJ, Sousa MLR. Spatial distribuition of tooth loss in a population of adults. RGO, Rev Gaúch Odontol. 2017;65(2):115-20.

(9) Barros AWP, Porto E, Lima JFS, Brito NMSO, Soares RSC. Steps for biomodel acquisition through addtive manufacturing for health. RGO, Rev Gaúch Odontol. 2016;64(4):442-6.

(10) Duarte LR, Rabelo VA, Bonecker M, Castro L, Melo G, Cavalcanti VA. Avaliação da qualidade de vida em pacientes edêntulos totais reabilitados com implantes zigomáticos. ImplantNews. 2010;7(3a-PBA):183-90.

(11) Fleiss JL. Statistical methods for rates and proportions. New York: John Wiley Sons; 1981.

(12) Cicchetti DV, Volkmar F, Sparrow SS, Cohen D, Fermanian J, Rourke BP. Assessing the reliability of clinical scales when the data have both nominal and ordinal features: proposed guidelines for europsychological assessments. J Clin Exp Neuropsychol. 1992;14(5):673-86.

(13) World Health Organization. Oral health surveys: basic methods. 4th ed. Geneva: 1997.

(14) Oliveira BH, Nadanovsky P. Psychometric properties of the Brazilian version of the oral Health Impact Profile-Short form. Community Dent Oral Epidemiol. 2005; 33(4):459-67.

(15) Locker D, Quinõnez C. To what extent do oral disorders compromise the quality of life? Community Dent Oral Epidemiol. 2011; 39:3-11.  

(16) Van Waas MA. The influence of clinical variables on patients’ satisfaction with complete dentures. J Prosthet Dent. 1990;63(3):307-10.

(17) Miotto MHMB, Barcelos LA, Velten DB. Avaliação do impacto na qualidade de vida causado por problemas bucais na população adulta e idosa em município da Região Sudeste. Ciênc Saúde Coletiva. 2012; 17(2):397-406.

(18) Aarabi G, John MT, Schierz O, Heydecke G, Reissmann DR. The course of prosthodontic patients’ oral health-related quality of life over a period of 2 years. J Dent. 2015;43(2):261-8.

(19) John MT, Slade GD, Szentpetery A, Setz JM. Oral health-related quality of life in patients treated with fixed, removable, and complete dentures 1 month and 6 to 12 months after treatment. Int J Prosthodont. 2004; 17(5):503-11.

(20) Kuo HC, Kuo YS, Lee IC, Wang JC, Yang YH. The association of responsiveness in oral and general health-related quality of life with patients’ satisfaction of new complete dentures. Qual Life Res. 2013; 22(7):1665-74.

(21) Baran I, Nalcaci R. Self-reported problems before and after prosthodontic treatments according to newly created Turkish version of oral health impact profile. Arch Gerontol Geriatr. 2011;53:99-105.

(22) Adam RZ, Geerts GA, Lalloo R. The impact of new complete dentures on oral health-related quality of life. SADJ 2007;62(6):264-6.

(23) Ferreira AAA, Piuvezam G, Werner CWA, Alves MSCF. A dor e a perda dentária: representações sociais do cuidado à saúde bucal. Ciên Saúde Coletiva. 2006; 11(1):211-8.

(24) Joshipura KS, Willett WC, Douglass CW. The impact of edentulouness on food and nutrient intake. JADA. 1996;127;459-67.

(25) Guimarães, MB, Rocha FR, Bueno RS, Blaya MBG, Hirakata LM. Impacto do uso de próteses dentárias totais na qualidade de vida de idosos. Rev Bras Qual Vida. 2013;5(1):31-8.
Seção
Artigos