A integralidade, a partir do acolhimento, nas práticas de ensino clínico em uma faculdade de Odontologia

Autores

  • Giselle Cabral da Costa
  • Heriberto Fiuza Sanchez
  • Viviane Elisângela Gomes Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG
  • Efigênia Ferreira e Ferreira Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG
  • Andréa Maria Duarte Vargas Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG

Resumo

Objetivo: Avaliar o acolhimento na prática assistencial e no projeto pedagógico de um curso de Odontologia. Materiais e métodos: Este estudo foi realizado por metodologia qualitativa, tendo como sujeitos da pesquisa alunos e usuários da instituição, utilizando entrevistas semi-estruturadas, examinadas a partir da
análise do conteúdo. Resultados: Os resultados mostraram que o acolhimento está relacionado à disponibilidade de vagas aos usuários, ao relacionamento entre os membros da equipe e em relação à referência e contra referência dos usuários. O acolhimento na prática clínica não apresenta solidez. Conceitos e reflexões acerca do tema permearam os discursos, mas as práticas são principalmente conservadoras e antigas. Conclusão: O acolhimento como atributo da integralidade da atenção ainda é um conceito em construção, uma reflexão que ainda não se concretizou. Observa-se a convivência de elementos a conquistar e alguns já em curso. É necessário que a prática do acolhimento seja objeto de discussão maior na faculdade, teorizando-a e tornando-a uma realidade de modo que todos os segmentos a percebam.
Descritores: Educação em Odontologia. Acolhimento. Pesquisa qualitativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giselle Cabral da Costa

Cirurgião-dentista, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

Heriberto Fiuza Sanchez

Cirurgião-dentista, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

Viviane Elisângela Gomes, Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG

Departamento de Odontologia Social e Preventiva, Faculdade de Odontologia da UFMG, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

Efigênia Ferreira e Ferreira, Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG

Departamento de Odontologia Social e Preventiva, Faculdade de Odontologia da UFMG, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

Andréa Maria Duarte Vargas, Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG

Departamento de Odontologia Social e Preventiva, Faculdade de Odontologia da UFMG, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

Referências

1. Mattos RA. Os sentidos da integralidade: algumas reflexões acerca de valores que merecem ser defendidos. In: Pinheiro R, Mattos RA. Os
sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: UERJ; ABRASCO; 2009. p. 43-68.
2. Brasil. Constituição, 1988. Constituição da Repúbica Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal; 1988.
3. Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento. Diário Oficial da República
Federativa do Brasil. 1990 set. 20.
4. Silva Júnior AG, Mascarenhas MTM. Avaliação da atenção básica em saúde sob a ótica da integralidade: aspectos conceituais e metodológicos. In: Pinheiro R, Mattos RA. Cuidado, as fronteiras da integralidade. Rio de Janeiro: UERJ; ABRASCO; 2008. p. 243-59.
5. Ramos DD, Lima MADS. Health care access and receptivity to users in a unit in Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brazil. Cad Saúde Pública. 2003; 19(1): 27-34.
6. Souza ECF, Vilar RLA, Rocha NSPD, Uchoa ACU, Rocha PM. Acesso e acolhimento na atenção básica: uma análise da percepção dos
usuários e profissionais da saúde. Cad Saúde Pública. 2008;24(Sup.1):S100-S110.
7. González AD, Almeida MJ. Integralidade na saúde – norteando mudanças na graduação dos novos profissionais. Ciênc Saúde Coletiva 2010; 15(3):757-62.
8. Werneck MAF. Internato em saúde coletiva: a disciplina do estágio supervisionado em odontologia como espaço pedagógico: a possibilidade de uma nova práxis na graduação, na UFMG. In: Botazzo C, Oliveira MA. Atenção básica no Sistema Único de Saúde: abordagem interdisciplinar para os serviços de saúde bucal. São Paulo: Páginas e Letras; 2008.
9. Paixão HH, Campos H, Lima WA. O paciente como objeto de ensino. Arq. Odontol. 1981; 18(1/2): 37-44.
10. Minas RP. Paciente no contexto do ensino.[Dissertação]. Belo Horizonte: Faculdade deOdontologia, Universidade Federal de Minas
Gerais; 2002.
11. Matos MS. Análise do perfil dos alunos e dadimensão ético-humanística na formação decirurgiões-dentistas em 2 cursos de odontologia da Bahia. [Dissertação]. Salvador: Faculdade de
Educação, Universidade Federal da Bahia; 2006.
12. Moretti-Pires RO. Complexidade em saude da família e formação do futuro profissional da saúde. Interface Comun Saúde Educ 009;13(30):153-66.
13. Feuerwercker LCM. Educação dos profissionais de saúde hoje – problemas, desafios, perspectivas e as propostas do Ministério da Saúde. Rev ABENO. 2004;3(1):24-7.
14. Brasil. Ministério da Educação. Resolução nº CNE/CES3/2002, de 19 de fevereiro de 2002. Institui diretrizes curriculares nacionais dos
cursos de farmácia e odontologia. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. 2002 mar. 04, Seção 1. p. 10.
15. Brasil. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde - Pró–Saúde. Brasília, 2005. Disponível
em: www.abem-educmed.org.br/pro_saude/ publicacao_pro-saude.pdf. [Acesso em 2008 nov. 04]
16. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10ª ed. São Paulo: Hucitec; 2007.
17. Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad Saúde Pública. 2008; 24(1):17-27.
18. Bardin L. Análise do conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2007. 223p.
19. Bravo AL. Regionalización: organización e funcionamiento coordinado de los servicios de salud en zonas rurales y urbanas. Bol. Of. Sanit.
Pan. 1974; 77(3), p. 231-46.
20. Assis MMA, Villa TCS, Nascimento MAA. Acesso aos serviços de saúde: uma possibilidade a ser construída na prática. Ciênc Saúde Coletiva. 2003;8(3):815-23.
21. Travassos C, Martins M. Uma revisão sobre os conceitos de acesso e utilização de serviços de saúde. Cad Saúde Pública. 2004;20(Supl
2):S190-S198.
22. Malta D, Merhy EE. Buscando novas modelagens em saúde: as contribuições do Projeto Vida e do acolhimento para a mudança do processo de trabalho na rede pública de Belo Horizonte, 1993- 1996. In: Brasil. Ministério da Saúde. Experiências inovadoras no SUS: produção
científica doutorado e mestrado. SAS/SGIS/ Projeto REFORSUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2002. p 69-101.
23. Garcia MAA, Pinto ATBCS, Odoni APC, Longui BS, Machado LI, Linek MDS, et al. A interdisciplinaridade necessária à educação médica. Rev Bras Educ Med. 2007; (31) 2.
24. Oliveira MO, Spiri WC. Programa Saúde da Família: a experiência de equipe multiprofissional. Rev Saúde Pública. 2006;40(4):727-33.
25. Santos-Filho SB. Perspectivas de avaliação na Política Nacional de Humanização em saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Ciênc
Saúde Coletiva. 2007;12(4):999-1010.
26. Vasconcelos EM. Complexidade e pesquisa interdisciplinar: epistemologia e metodologia operativa. Petrópolis: Vozes; 2002.
27. Hartz ZMA, Contandriopoulos A. Integralidade da atenção e integração de serviços de saúde: desafios para avaliar a implantação de um “sistema sem muros”. Cad. Saúde Pública. 2004;20(Supl 2): 331-6.
28. Ceccim RB. Equipe de saúde: a perspectiva entredisciplinar na produção dos atos terapêuticos. In: Pinheiro R, Mattos RA. Cuidado: as fronteiras da integralidade. Rio de Janeiro: UERJ, ABRASCO;
2004. p. 259-77.
29. Pinheiro R, Mattos RA, organizadores. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: UERJ, ABRASCO; 2009.
A integralidade nas práticas de ensino clínico

Downloads

Publicado

2016-06-14

Como Citar

Costa, G. C. da, Sanchez, H. F., Gomes, V. E., Ferreira, E. F. e, & Vargas, A. M. D. (2016). A integralidade, a partir do acolhimento, nas práticas de ensino clínico em uma faculdade de Odontologia. Arquivos Em Odontologia, 50(2). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3651

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>