Urgências odontológicas em uma Unidade de Saúde vinculada à Estratégia Saúde da Família de Montes Claros, Minas Gerais

Autores

  • Eduardo Carneiro Pinto
  • Vânia Julieta de Araújo Barros Universidade Estadual de Montes Claros -UNIMONTES
  • Mânia de Quadros Coelho Universidade Estadual de Montes Claros -UNIMONTES
  • Simone de Melo Costa Universidade Estadual de Montes Claros -UNIMONTES

Resumo

Objetivo: Identificar os casos de urgência odontológica na Estratégia Saúde Família, em Montes Claros, Minas Gerais caracterizando o usuário pelo perfil sociodemográfico, de comportamento em saúde, estilo de vida e condição sistêmica. Materiais e Métodos: Trata-se de estudo transversal e quantitativo, de base documental. Foram avaliados 164 prontuários odontológicos, de adultos e idosos, atendidos entre 2008 e 2010. A análise dos dados foi por meio do teste χ2 de Pearson e pelo teste t de Student considerando o nível de significância p<0,05. Resultados: A idade média dos usuários foi de 35,0 anos (±12,9), sem diferença estatística entre os sexos (p=0,06). As mulheres (63,4%) e os alfabetizados (97,6%) utilizaram mais o serviço de urgência. A presença de alguma doença sistêmica foi registrada em 22,6% dos documentos. A média de escovação dental diária foi de 2,73 (±8,15), com diferença significativa para etilismo e sexo (p<0,05). A maioria dos homens e das mulheres não faz uso de fio dental (p=0,15). Cerca de 37,0% dos pacientes concluíram o tratamento, não sendo associada à condição sistêmica, ao tabagismo e ao etilismo (p>0,05). A dor foi a principal queixa que motivou a procura pelo serviço, sendo a cárie o diagnóstico mais frequente. Conclusão: A maioria das pessoas que procurou pelo serviço de urgência odontológica é do sexo feminino e possui idade média de 35 anos. A
cárie foi o problema mais constatado, sendo a procura pelo serviço motivada, principalmente, pela dor.
Descritores: Identificação de emergência. Odontologia. Saúde Pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Carneiro Pinto

Cirurgião-dentista

Vânia Julieta de Araújo Barros, Universidade Estadual de Montes Claros -UNIMONTES

Cirurgião-dentista
Departamento de Odontologia, Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES), Montes Claros, MG, Brasil

Mânia de Quadros Coelho, Universidade Estadual de Montes Claros -UNIMONTES

Departamento de Odontologia, Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES), Montes Claros, MG, Brasil

Simone de Melo Costa, Universidade Estadual de Montes Claros -UNIMONTES

Departamento de Odontologia, Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES), Montes Claros, MG, Brasil

Referências

1. Brasil, Ministério da Saúde. Portaria nº 1444 de 29 de dezembro de 2000. Estabelece o incentivo financeiro para a organização da atenção à saúde bucal prestada nos municípios por meio do Programa de Saúde da Família. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. 2000 dez 29; Seção 1. p.85.
2. Brasil, Ministério da Saúde. Saúde Bucal. Brasília: Ministério da Saúde; 2006. (Caderno de atenção básica; nº 17.)
3. Minas Gerais, Secretaria de Estado da Saúde. Atenção em saúde bucal. Belo Horizonte: SAS/ MG; 2006.
4. Brasil, Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 196/96 Sobre pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: Ministério da Saúde; 1996.
5. Tortamano IP, Leopoldino VD, Borsatti MA, Penha SS, Buscariolo IA, Costa CG, et al. Aspectos epidemiológicos e sociodemográficos
do setor de urgência da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo. RPG Rev Pos- Grad. 2007; 13: 299-306.
6. Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde/Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Atenção Básica, Coordenação Geral de Saúde Bucal. SB Brasil 2010: Pesquisa
Nacional de Saúde Bucal. resultados principais. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.
7. Organização Mundial de Saúde, Department of Essencial Drugs and Other Medicines. The role of Pharmacist in self care-medication. [internet]. [acesso em 2010 agos 20]. Disponível em: http://
apps.who.int/medicinedocs/pdf/whozip32e/ whozip32e.pdf.
8. Tortamano IP, Horliana ACRT, Costa CG, Romano MM, Soares MS, Rocha RG. Antibiótico terapia no tratamento de abscessos periapicais
agudos: quando indicar e como proceder? Rev Odonto. 2008; 16:90-7.
9. Silva FWGP, Queiroz AM, Serrano KVD, Silva LAB. Reação inflamatória periapical: repercussões sistêmicas? Odontol Clín Cient.
2010; 9:299-302.
10. Gjermo P, Rõsing CK, Susin C, Oppermann R. Periodontal disease in Central and South America. Periodontal 2000. 2002; 29:70-8.
11. Quirino MRS, Jardim JCM, Resende PHN, Bulhões RC, Pallos D. Doença periodontal e diabetes mellitus: uma via de mão dupla. Rev
Ciênc Med. 2009; 18:235-41.
12. Paizan ML, Martin JFV. Associação entre doença periodontal, doença cardiovascular e hipertensão arterial. Rev Bras Hipertens. 2009; 16:183-5.
13. Matos GRM, Godoy MF. Influência do tabagismo o tratamento e prognóstico da doença periodontal. Arq Ciênc Saúde. 2011; 18:55-8.
14. International Headache Society. An International Journal of Headache. Cephalalgia 2004; 24 (Suppl.1):1-160. 2nd ed. Blackwell Publishing.
15. Menezes MM, Yuri KCK, Araújo MAM, Valera MC. Prevalência de traumatismos maxilo-faciais e dentais em pacientes atendidos no Pronto Socorro Municipal de São José dos Campos/SP. Rev Odonto Ciênc. 2007; 22:210-6.
16. Palma ABO, Costa SM, Resende VLS, Abreu MHNG, Guedes CAS, Mourão FR, et al. Prevalência da hipersensibilidade dentinária
cervical nos pacientes da Clínica Integrada da Unimontes, Montes Claros, MG. Pesqui Bras Odontopediatria Clin Integr. 2005; 5:29-34.
17. Rico AJ. Hipersensibilidad dentinal. Acta Clin Odontol. 1992;15:17-29.
18. World Health Organization. Women: ageing and health: achieving health across the life span. Geneva: WHO; 1998.
19. Barreto SM, Giatti L, Kalache A. Gender inequalities in health among brazilian older adults. Rev Panam Sauld Publica. 2004; 16:110-7.
20. Gomes R, Nascimento EF, Araújo FC. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? Cad Saúde Pública. 2007; 23:565-74.
21. Courtenay WH. Constructions of masculinity and their influence on men’s well-being: a theory of gender and health. Soc Sci Med. 2000; 50:1385- 401.
22. Laurenti R, Jorge MHPJ, Gotlieb SLD. Perfil epidemiológico da morbi-mortalidade masculina. Rev Cienc Sáude Coletiva. 2005; 10:35-46.
23. Luck M, Bamford M, Williamson P. Men’s health: perspectives, diversity and paradox. London: Blackwell Sciences; 2000.
24. Figueiredo W. Assistência à saúde dos homens: um desafio para os serviços de atenção primária. Rev Cienc Sáude Coletiva. 2005; 10:105-9.

Downloads

Publicado

2016-06-10

Como Citar

Pinto, E. C., Barros, V. J. de A., Coelho, M. de Q., & Costa, S. de M. (2016). Urgências odontológicas em uma Unidade de Saúde vinculada à Estratégia Saúde da Família de Montes Claros, Minas Gerais. Arquivos Em Odontologia, 48(3). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3607

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)