Análise comparativa do perfil dos usuários e acesso aos serviços de diagnóstico bucal de duas universidades de Minas Gerais, Brasil

  • Mânia de Quadros Coelho Universidade Estadual de Montes Claros -Unimontes
  • Daniella Reis Barbosa Martelli Universidade Estadual de Montes Claros -Unimontes
  • Daniela Cotta Ribeiro
  • Ricardo Santiago Gomez Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG
  • Maria Betânia de Oliveira Pires Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG
  • Hercílio Martelli Junior Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG

Resumo

Objetivo: Comparar o perfil dos usuários dos serviços de diagnóstico bucal, levando em consideração a autopercepção sobre a presença de lesão bucal, e o acesso ao serviço de estomatologia de duas universidades de Minas Gerais, Brasil. Materiais e Métodos: Realizou-se estudo exploratório, transversal. Foi aplicado um questionário, por uma acadêmica, em cada universidade, aos pacientes que haviam sido atendidos nas clínicas de estomatologia entre setembro de 2006 e agosto de 2007. Resultados: Responderam ao
questionário 200 usuários, 50% em cada um dos serviços, sendo 62% mulheres e 38% homens, com idade média 47,7±16,2 anos. Verificaram-se diferenças estatisticamente significativas entre as duas instituições
quanto à renda, ocupação do usuário, encaminhamento ao serviço, meio de transporte utilizado para chegar ao local do atendimento, identificação inicial da lesão e automedicação (p<0,05). A lesão foi percebida em mais de 50% dos casos pelo próprio paciente, sendo que 70% deles foram encaminhados para as clínicas de estomatologia por dentistas. O intervalo de tempo entre o surgimento da lesão e a procura pelo serviço foi de mais de seis meses para 43% dos pacientes. A maioria dos usuários não conhecia o serviço de estomatologia das universidades (87%). A resolubilidade foi de 93% para os que tiveram acesso ao serviço. Conclusão: Há semelhança entre o perfil dos usuários e seu acesso aos serviços de estomatologia nas duas universidades.
Os usuários não conheciam os referidos serviços, porém não se observou dificuldades em encontrá-los.
Descritores: Serviços de saúde. Odontologia. Diagnóstico bucal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mânia de Quadros Coelho, Universidade Estadual de Montes Claros -Unimontes
Departamento de Odontologia, Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), Montes Claros, MG, Brasil
Daniella Reis Barbosa Martelli, Universidade Estadual de Montes Claros -Unimontes
Departamento de Odontologia, Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), Montes Claros, MG, Brasil
Daniela Cotta Ribeiro
Cirurgiã-dentista
Ricardo Santiago Gomez, Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG

Departamento de Cirurgia e Patologia Clínica, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil

Maria Betânia de Oliveira Pires, Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG

Departamento de Cirurgia e Patologia Clínica, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil

Hercílio Martelli Junior, Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG

Departamento de Cirurgia e Patologia Clínica, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil

Referências

1. Silva JPL, Coutinho ESF, Amarante PD. Perfil demográfico e sócio-econômico da população de internos dos hospitais psiquiátricos da cidade do Rio de Janeiro. Cad Saúde Pública.1999; 15:1-8.
2. Oliveira AGRC. A organização da demanda em serviços públicos de saúde bucal: universalidade, integralidade e eqüidade em saúde bucal coletiva [tese]. São Paulo: Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho; 2000.
3. Castro RD. Avaliação em saúde bucal na perspectiva do usuário: enfoque ao estudo da acessibilidade organizacional [dissertação].
Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2007.
4. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica - n. 17: Saúde Bucal. Brasília: Ministério da Saúde; 2006. (Cadernos de Atenção Básica; 17).
5. Gonçalves ER, Verdi MIM. Os problemas éticos no atendimento a pacientes na clínica odontológica de ensino. Cienc Saude Coletiva.
2007; 12:755-64.
6. Volkweis MR, Garcia RP, Cassiano A. Estudo retrospectivo sobre as lesões bucais na população atendida em um Centro de Especialidades
Odontológicas. RGO, Rev Gauch Odontol. 2010; 58: 21-5.
7. Belo Horizonte. Secretaria Estadual de Saúde. Superintendência de Epidemiologia. Coordenadoria de Saúde Bucal. Manual de Prevenção, suspeita, diagnóstico, tratamento e reabilitação do câncer bucal. Belo Horizonte: 1995.
8. Hirata EH. Portal CliniOD – Clínica Odontológica. [monografia]. Curitiba: Faculdade Anchieta de Ensino Superior do Paraná – FAESP; 2005.
9. Ramos DD, Lima MADS. Acesso e acolhimento em uma unidade de saúde. Cad Saúde Pública. Perfil dos usuários e acesso aos serviços de diagnóstico bucal Arq Odontol, Belo Horizonte, 47(3): 153-161, jul/set 2011 160 2003; 19:27-34.
10. Costa CHM, Forte FDS, Sampaio FC. Motivos para consulta e perfil socioeconômico de usuários de uma clínica infantil. Rev Odontol UNESP. 2010; 39:285-9.
11. Cunha JP, Cunha RE. Sistema Único de Saúde: Princípios. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Gestão municipal de saúde: textos básicos. Brasília: 2001; 285-304.
12. Maciel SM. Saúde bucal infantil: a participação da mãe [tese]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da USP; 1994.
13. Portillo JAC, Paes AMC. Autopercepção de qualidade de vida relativa à saúde bucal. Rev Bras Odontol Saude Coletiva. 2000; 1:75-88
14. Sawyer DO, Leite IC, Alexandrino R. Perfis de utilização de serviços de saúde no Brasil. Cien Saude Coletiva. 2002; 7:757-76.
15. Acurcio FA, Guimarães MDC. Acessibilidade de indivíduos infectados pelo HIV aos serviços de saúde: uma revisão de literatura. Cad Saúde Pública. 1996; 12:233-42.
16. Gentil RM, Leal SMR, Scarpi MJ. Avaliação da resolutividade e da satisfação da clientela de um serviço de referência secundária em oftalmologia da Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP. Arq Bras Oftalmol. 2003; 66:159-65.
17. Ribeiro MCSA, Barreto RB, Almeida MF, et al. Perfil ociodemográfico e padrão de utilização de serviços de saúde para usuários e não usuários do SUS – PNAD 2003. Cad Saúde Pública. 2006; 11:1011-22.
18. Tortamano IP, Leopoldino VD, Borsatti MA, et al. Aspectos epidemiológicos e sociodemográficos do setor de urgência da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo. RPG FO-USP.
2007; 13:299-306.
19. Gil C, Abramowicz M, Silva F, et al. Situação sócio-econômica de pacientes que freqüentaram as clínicas da Faculdade de Odontologia da USP: um estudo transversal. RPG Rev Pos Grad.1999; 6:74-83.
20. Chávez OFM. Necessidades de tratamento odontológico dos pacientes da Clínica Integrada da FO Araraquara – UNESP no período de 1993 a 1996. [dissertação]. Araraquara: Universidade Estadual Paulista; 1998.
21. Dourado AT, Caldas AF Jr, Albuquerque DS, et al. Estudo epidemiológico de urgências odontológicas. J Bras Clin Odontol Integr 2005; 9:60-4.
22. Abbud R, Ferreira LA, Campos AG, et al. Atendimento clínico de emergência: um estudo dos serviços oferecidos em dez anos. Rev Assoc Paul Cir Dent. 2002; 6:271-5.
23. Souza HA. Levantamento epidemiológico do serviço de urgência odontológica da Faculdade de Odontologia de Bauru da Universidade de São Paulo. [dissertação]. Bauru: Faculdade de Odontologia de Bauru; 1996.
24. Weldt RO, Godoy EF. Estudio epidemiológico de la atención odontológica primaria de urgencia en la Comuna de La Condes. Rev Fola Oral. 1998; 4:117-20.
25. Dachs JNW. Determinantes das desigualdades na auto-avaliação do estado de saúde no Brasil: análise dos dados da PNAD/1998. Cien Saude Coletiva. 2002; 7:641-57.
26. Brasil. Ministério da Saúde–Coordenação Nacional de Saúde Bucal. Projeto SB Brasil 2003: Condições de saúde bucal da população
brasileira. [acesso em 2011 abr 10]. Disponível em: http://www.nescon.medicina.ufmg.br/ biblioteca/imagem/1720.pdf
27. Beagrie GS. The responsabilities and role of universities in dental manpower. Int Dent J. 1988; 38:51-5.
28. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. [Internet]. [acesso em 2011 abr 14]. Disponível em: www.ibge.gov.br
29. Balbo PL, Rodrigues-Junior AL, Cervi MC. Caracterização dos cuidadores de crianças HIV+/AIDS abordando a qualidade de vida,
a classificação socioeconômica e temas relacionados à saúde bucal. Cien Saude Coletiva. 2007; 12:1413-23.
30. Silva SRC. Autopercepção das condições bucais em pessoas com 60 anos e mais de idade. [dissertação] São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo; 1999.
31. Merhy EE. Em busca do tempo perdido. In: Merhy EE, Onocko R. (Orgs.). Agir em saúde: um desafio para o público. São Paulo: Hucitec. 1997; p.71-112.
32. Mazzilli LEN. Urgência odontológica e Perfil dos usuários e acesso aos serviços de diagnóstico bucal prevalência da automedicação na população economicamente ativa de uma micro-area da cidade de São Paulo [tese]. São Paulo: Faculdade de Odontologia da USP; 2008.
33. Cordeiro H. A indústria da saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Edições Graal; 1980.
34. Haak H. Padrões de consumo de medicamentos em dois povoados da Bahia. Rev Saúde Pública. 1989; 23:143-51.
Publicado
2016-05-10
Como Citar
Coelho, M. de Q., Martelli, D. R. B., Ribeiro, D. C., Gomez, R. S., Pires, M. B. de O., & Junior, H. M. (2016). Análise comparativa do perfil dos usuários e acesso aos serviços de diagnóstico bucal de duas universidades de Minas Gerais, Brasil. Arquivos Em Odontologia, 47(3). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3574
Seção
Artigos

Most read articles by the same author(s)