Indicadores socioeconômicos e de saúde da Atenção Básica nos municípios da região metropolitana de Belo Horizonte

Autores

  • Ana Cristina Viana Campos Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG
  • Carolina Marques Borges Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG
  • Cláudio Rodrigues Leles Universidade Federal de Goiás-UFG
  • Andréa Maria Duarte Vargas Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG
  • Efigênia Ferreira e Ferreira Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG

Resumo

Objetivo: investigar a associação entre os indicadores socioeconômicos e de saúde da Atenção Básica nos municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais. Materias e Métodos: estudo ecológico com utilização de dados secundários referentes à Região Metropolitana de Belo Horizonte. As
variáveis dependentes foram os indicadores de saúde geral e de saúde bucal da Atenção Básica. As variáveis exploratórias foram taxa de alfabetização, Índice de Desenvolvimento Humano, Índice de Gini e Índice Mineiro de Responsabilidade Social. A análise de Cluster Hierárquico foi realizada para segmentação dos municípios a partir dos indicadores socioeconômicos, por meio do método Between-linkage group e a medida Distância Euclidiana Quadrática. A comparação dos indicadores de saúde da Atenção Básica entre os clusters foi feita através do teste t-Student, com nível de significância estabelecido em 5%. Resultados: os municípios foram agrupados em dois clusters: 1) piores indicadores socioeconômicos (N=23) e 2) melhores (N=10). O cluster 1 apresentou maiores cobertura da Estratégia de Saúde da Família e média anual de visitas domiciliares (76,6 ± 32,5; 6,1 ± 24,6, respectivamente) do que o cluster 2 (70,4 ± 27,9; 0,8 ± 0,6, respectivamente) (p < 0,05). Em relação aos indicadores de Saúde Bucal não houve diferenças estatisticamente significantes entre os clusters.
Conclusão: sugere-se que há uma associação entre municípios da região metropolitana de Belo Horizonte com piores indicadores socioeconômicos e maior cobertura da Saúde da Família e média de visita domiciliar.
Descritores: Atenção primária à saúde. Indicadores básicos de saúde. Indicadores sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Cristina Viana Campos, Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG

Programa de Pós-Graduação em Odontologia, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil

Carolina Marques Borges, Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG

Programa de Pós-Graduação em Odontologia, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil

Cláudio Rodrigues Leles, Universidade Federal de Goiás-UFG

Departamento de Prevenção e Reabilitação Oral, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Goiás, Goiânia (UFG), GO, Brasil

Andréa Maria Duarte Vargas, Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG

Departamento de Odontologia Social e Preventiva, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil

Efigênia Ferreira e Ferreira, Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG

Departamento de Odontologia Social e Preventiva, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil

Referências

1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da família no Brasil: uma análise de indicadores selecionados: 1998-2005/2006 [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. [acesso em 2010 nov 24].
Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/ publicacoes/geral/saude_familia_no_brasil_uma_ analise_indicadores_selecionados_1998_2006. pdf
2. Norma Operacional Básica do SUS/NOB-SUS 01/96. Gestão plena com responsabilidade pela saúde do cidadão [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde, 1997. Publicada no D.O.U.de 6/11/1996.
[acesso em 2010 nov 24]. Disponível em: http:// www.portalsocial.ufsc.br/legislacao/saude/nob96. pdf
3. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 493 de 13 de março de 2006. Aprova a Relação de Indicadores da Atenção Básica – 2006, cujos indicadores deverão ser pactuados entre municípios, estados e
o Ministério da Saúde [Internet]. [acesso em 2010 dez 12]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/siab/pacto2006/portaria_493.pdf
4. Buss PM, Pellegrini Filho A. A saúde e seus determinantes sociais. Physis. 2007; 17:77-93. 5. Fernandes LS, Peres MA. Associação entre
atenção básica em saúde bucal e indicadores socioeconômicos municipais. Rev Saúde Pública. 2005; 39:930-6.
6. Junqueira SR, Araújo ME, Antunes JLF, Narvai PC. Indicadores socioeconômicos e recursos odontológicos em municípios do estado de São Paulo, Brasil, no final do século XX. Epidemiol Serv Saúde. 2006; 15:41-53.
7. Fischer TK, Peres KG, Kupek E, Peres MA. Indicadores de atenção básica em saúde bucal: associação com as condições socioeconômicas,
provisão de serviços, fluoretação de águas e a estratégia de saúde da família no Sul do Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2010; 13:126-38.
8. Aquino R, Barreto ML. Programa Saúde da Família: acerca da adequação do uso do seu indicador de cobertura. Cad Saúde Pública. 2008; 24:905-14.
9. Machado CC. Indicadores sócio-demográficos: Belo Horizonte e região metropolitana. In: Prefeitura Municipal de Belo Horizonte. Anuário estatístico 2000 [Internet]. [acesso em 2010 dez
12]. Disponível em: http://portalpbh.pbh.gov.br/ pbh/ecp/comunidade.do?evento=portlet&pIdPlc=
ecpTaxonomiaMenuPortal&app=estatisticas&tax =11807&lang=pt_BR&pg=5922&taxp=0&
10. Luz ZMP, Pimenta DN, Cabral LLV, Fiúza VOP, Rabello A. A urbanização das leishmanioses e a baixa resolutividade diagnóstica em municípios da região metropolitana de Belo Horizonte. Rev Soc
Bras Med Trop. 2001; 34:249-54.
11. Velásquez-Meléndez G, Pimenta AM, Kac G. Epidemiologia do sobrepeso e da obesidade e seus fatores determinantes em Belo Horizonte (MG), Brasil: estudo transversal de base populacional.
Rev Panam Salud Publica. 2004; 16:308-14.
12. Lima-Costa MF. Estilos de vida e uso de serviços preventivos de saúde entre adultos filiados ou não a plano privado de saúde (inquérito de saúde de Belo Horizonte). Ciênc Saúde Coletiva. 2004;
9:857-64.
13. Lima-Costa MF. Fatores associados à vacinação contra gripe em idosos na região metropolitana de Belo Horizonte. Rev Saúde Pública. 2008; 42:100- 7.
14. Laschefski K, Costa HSM. Segregação social como externalização de conflitos ambientais: a elitização do meio ambiente na APA-Sul, região metropolitana de Belo Horizonte. Ambient Soc. 2008; 11:307-22.
15. Luz TCB, Loyola Filho AI, Lima-Costa MF. Estudo de base populacional da subutilização de medicamentos por motivos financeiros entre idosos na região metropolitana de Belo Horizonte,
Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. 2009; 25:1578-86.
16. Hair JF, Black WC, Babin JB, Anderson RE, Tatham RL. Análise multivariada de dados. 6ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2009.
17. Gôuvea RG. Diretrizes para a gestão metropolitana no Brasil. Eure. 2009; 104:47-76.
18. Conill EM. Ensaio histórico-conceitual sobre a atenção primária à saúde: desafios para a organização de serviços básicos e da Estratégia
Saúde da Família em centros urbanos no Brasil. Cad Saúde Pública. 2008; 24 Suppl 1:S7-27.
19. Gomes KO, Cotta RMM, Euclydes MP, Targueta CL, Priore SE, Franceschini SCC. Avaliação do impacto do Programa Saúde da Família no perfil epidemiológico da população rural de Airões,
município de Paula Cândido (MG), 1992-2003. Ciênc Saúde Coletiva. 2009; 14 Suppl 1:1473-82.
20. Campos FE, Aguiar RAT, Oliveira VB. O desafio da expansão do programa de Saúde da Família nas grandes capitais brasileiras. Physis. 2002; 12:47- 58.

Downloads

Publicado

2016-05-23

Como Citar

Campos, A. C. V., Borges, C. M., Leles, C. R., Vargas, A. M. D., & Ferreira, E. F. e. (2016). Indicadores socioeconômicos e de saúde da Atenção Básica nos municípios da região metropolitana de Belo Horizonte. Arquivos Em Odontologia, 48(1). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3585

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

<< < 1 2