Pesquisa de matérias estranhas e avaliação físico-química de caldo-de-cana comercializado na região de Sete Lagoas-MG

Palavras-chave: Microscopia de Alimentos, Garapa, Avaliação da qualidade, Feiras livres

Resumo

O caldo-de-cana é uma bebida obtida do esmagamento da cana-de-açúcar através de moendas, geralmente acrescido de gelo e frutas cítricas, muito apreciado pelos consumidores e, geralmente, comercializada em feiras livres e por ambulantes em vias públicas. Para que a obtenção do caldo-de-cana seja feita de forma segura é fundamental a adoção de Boas Práticas relacionada com o beneficiamento, preparo, armazenamento e distribuição da bebida. Esse trabalho teve como objetivo quantificar matérias estranhas e sujidades totais em amostras de caldo-de-cana comercializadas Sete Lagoas-MG, bem como relacionar os dados encontrados com as condições higiênicas verificadas no momento da coleta. Foram coletadas 21 amostras da bebida e analisadas pelo método de filtração direta, seguido de observações em microscópio estereoscópio e microscópio ótico acoplados com câmera digital. Do total de amostras analisadas, 61,9% apresentaram matérias estranhas indicativas de falhas de boas práticas e 14,3% apresentaram matérias estranhas indicativas de riscos à saúde humana. Com relação às análises físico-químicas, verificou-se que a acidez expressa em ácido cítrico variou de 0,05 a 0,18%, o pH de 5,5 a 6,17 e o teor de sólidos solúveis de 16,4 a 28,6 º Brix. Pode-se concluir que apenas 23,8% estavam adequadas para consumo. As principais falhas verificadas no momento da coleta que podem explicar tal contaminação foram a exposição da cana-de-açúcar no ambiente com presença de vetores, falta de proteção para cabelos dos manipuladores, bem como o contato das roupas do manipulador com a matéria-prima e o descarte incorreto dos resíduos sólidos gerados no processamento.

Biografia do Autor

Felipe Machado Trombete, Universidade Federal de São João del-Rei

Docentes de Engenharia de Alimentos, Departamento de Engenharia de Alimentos,  Universidade Federal de São João del-Rei, 35701-970, Sete Lagoas-MG, Brasil

Ducilaine Eduardo Rodrigues, Universidade Federal de São João del-Re

Discentes de Engenharia de Alimentos/Universidade Federal de São João del-Rei, 35701-970, Sete Lagoas-MG, Brasil 

Clarissa Ane Gonçalves, Universidade Federal de São João del-Rei

Discentes de Engenharia de Alimentos/, 35701-970, Sete Lagoas-MG, Brasil 

Larissa Barbosa Silva, Universidade Federal de São João del-Rei

Discentes de Engenharia de Alimentos/Universidade Federal de São João del-Rei, 35701-970, Sete Lagoas-MG, Brasil 

Luana Sousa Silva, Universidade Federal de São João del-Rei

Técnica de Laboratório/Microscopia de Alimentos, Departamento de Engenharia de Alimentos,  Universidade Federal de São João del-Rei, 35701-970, Sete Lagoas-MG, Brasil

Andréia Marçal da Silva, Universidade Federal de São João del-Rei

Docente de Engenharia de Alimentos, Departamento de Engenharia de Alimentos,  Universidade Federal de São João del-Rei, 35701-970, Sete Lagoas-MG, Brasil

Mateus Silva Junqueira, Universidade Federal de São João del-Rei

Docente de Engenharia de Alimentos, Departamento de Engenharia de Alimentos,  Universidade Federal de São João del-Rei, 35701-970, Sete Lagoas-MG, Brasil

Referências

Andrade, I. M. G. 2014. Estimativa da vida de prateleira de caldo de cana padronizado estocado sob refrigeração. 2014. 162 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Alimentos) - Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos, Universidade de São Paulo, Pirassununga.

AOAC. 2016. Association of Official Analytical Chemists. Official Methods of Analysis of AOAC International, 20th Edition, Gaithersburg, USA.

Barbieri, M.K.2001. Microscopia em alimentos: identificação histológica e material estranho. ITAL. São Paulo.

Brasil. 2014. Anvisa agência nacional de vigilância sanitária. Resolução da diretoria colegiada – RDC N° 14, DE 28 DE MARÇO DE 2014. Disponível em :http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2014/rdc0014_28_03_2014.pdf

Brasil.2005. Anvisa agência nacional de vigilância sanitária. RDC n°218, de 29 de julho de 2005. Regulamento Técnico de Procedimentos Higiênico-Sanitários para Manipulação de Alimentos e Bebidas Preparados com Vegetais. Disponível em : http://portal.anvisa.gov.br/documents/33916/388704/RDC_218.pdf

Brezovsky, F. R.; Valiatti, T. B.; Romão, N. F.; Passoni, G. P.; Sobral, F. D. O. S. 2016. Avaliação Microbiológica e Microscópica do Caldo de Cana Comercializado em Ji-Paraná. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde 20:2. DOI: http://dx.doi.org/10.17921/1415-6938.2016v20n2p111-115

Caldas, S. H.; Batista, A.A.; Assunção, A. P.; Mendes, A. C. 2018. Avaliação das Condições de Comercialização e Frequência de Consumo de Caldo de Cana pela População de Salvador-BA. PLURAIS-Revista Multidisciplinar 1: 2. DOI: http://dx.doi.org/10.29378/plurais.2447-9373.2010.v1.n2.%25p

Felipe, L. M.; Miguel, D. P. 2011. Análise da qualidade microbiológica do caldo-de-cana. FAZU em Revista, Uberaba 8: 77-82.

Fontana, R.; Wetler, R. D. C.; Aquino, R. S., Andrioli, J. L.; Queiroz, G. R.; Ferreira, S. L.; Delabie, J. H. 2010. Disseminação de bactérias patogênicas por formigas (Hymenoptera: Formicidae) em dois hospitais do nordeste do Brasil. Neotrop Entomol 39: 655-663.

Gassen, S.G.; Peder,L.D.; Silva,C.M. 2017. Análise da qualidade microbiológica do caldo de cana comercializado em um município da região oeste do paraná. In: Colloquium Vitae 9: 7-12.

Instituto Adolfo Lutz. 2008. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. Ribeirão Preto: Instituto Adolfo Lutz 1020. São Paulo.

Kunitake, M. T. 2012. Processamento e estabilidade de caldo de cana acidificado. 2012. 131 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Alimentos) - Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos, Universidade de São Paulo, Pirassununga.

Oliveira, F.; Jorge, L.I.F.; Ritto, J.L.A.; Barroso, I.C.E.; Prado, B.W. 2015. Microscopia de Alimentos: Exames Microscópicos de Alimentos in Natura e Tecnologicamente Processado. p.412. Atheneu. São Paulo.
Prado, S. D. P. T.; Bergamini, A. M. M.; Ribeiro, E. G. A.; Castro, M. D. C. S.; De Oliveira, M. A. 2010. Avaliação do perfil microbiológico e microscópico do caldo de cana in natura comercializado por ambulantes. Rev. Inst. Adolfo Lutz 69: 55-61.

Santos, P. C.; Souza, E. M.; Lopes, L. C.; Vieira, M. C.; Cunha, L. R.; Lima, E. M. F. 2017. Avaliação microscópica e pesquisa de sujidades em amostras comerciais de orégano (Origanum vulgare L.), salsa (Petroselinum sativum Hoffim.) e chimichurri. Cad. Ciênc. Agrá. 09: 11-16.

Silva, A. N. A.; Parada, A. D.; Neves, L. M.; Cury, J. C., Silva, A. M. 2018a. Capacitação de manipuladores de alimentos das feiras livres do município de Sete Lagoas - MG. XVI Congresso de Produção Científica e Acadêmica. XVI SEMEX - Semana de Extensão Universitária. Universidade Federal de São João del-Rei. Sete Lagoas.

Silva, D. A.; Martins, L. T. S.; Soares, L. S. 2018b. Avaliação microbiológica do caldo de cana comercializado por ambulantes e estabelecimentos formais em Salvador, BA. Hig. Alimente 32: 80-84.

Sousa, L. F.; Oliveira, B. R. M.; Soares, R. C.; Nascimento, T. C.; Madureira, M. S.; Fortua, J. L. 2016. Pesquisa de enterobactérias e estafilococos em formigas em ambiente hospitalar. Ciência & Tecnologia Fatec-JB 8.

Sprenger, L.K.; Risolia, L.W.; Hamdar, S.Z.; Molento, M.B. 2016. Análise microbiológica de caldos de cana comercializados em Curitiba, Paraná. Archives of Veterinary Science. ISSN 1517-784X 21: 01-07. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/avs.v21i4.38829

Taco. 2011. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos: 4ª edição revisada e ampliada. Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação (NEPA). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). 2011.
Publicado
2019-08-29
Seção
ARTIGOS ORIGINAIS