Dependência espacial da fertilidade do solo sob plantio direto e suas relações com a produtividade da soja

Autores

  • Ricardo Londero Centro Universitário da Grande Dourados. Dourados, MS. Brasil.
  • Rogério Barbosa de Oliveira Centro Universitário da Grande Dourados. Dourados, MS. Brasil.
  • Jackeline Matos do Nascimento Centro Universitário da Grande Dourados. Dourados, MS. Brasil. https://orcid.org/0000-0001-5863-4450
  • Sálvio Napoleão Soares Arcoverde Universidade Federal da Grande Dourados. Dourados, MS. Brasil. https://orcid.org/0000-0002-0453-4566
  • Mateus Luiz Secretti Centro Universitário da Grande Dourados. Dourados, MS. Brasil. https://orcid.org/0000-0001-9538-4104

DOI:

https://doi.org/10.35699/2447-6218.2020.25450

Palavras-chave:

Geoestatística, Krigagem, Latossolos, Semivariogramas

Resumo

As ferramentas de agricultura de precisão permitem interpretação das causas de variações da fertilidade do solo e, assim, realizar intervenções de maneira localizada por meio da aplicação de insumos em taxa variável. Objetivou-se analisar a dependência espacial da fertilidade do solo e sua correlação com a produtividade da soja Glycine max (L) em Dourados - MS. Foi realizado o mapeamento com GPS de navegação global demarcando a área de 50 hectares, para posterior geração da malha de amostragem de solo e de produtividade. A partir da distribuição dos pontos, foi realizada a coleta do solo na camada de 0,00-0,20 m a cada 1 hectare, sendo as amostras identificadas e submetidas às análises químicas em laboratório, nas quais foram avaliados: CTC, H+Al, Fósforo, Potássio, Cálcio, Magnésio, pH, V%, e Matéria Orgânica. Além de determinada a produtividade da cultura. Os dados foram submetidos à estatística descritiva, geoestatistica e correlação de Pearson. Todos os atributos químicos do solo encontraram-se em níveis adequados para produção da soja. Quanto à dependência espacial dos atributos químicos do solo e produtividade da soja, estes apresentaram forte dependência espacial, exceto Matéria Orgânica cuja dependência foi moderada. O semivariograma constatou que as variáveis pH e Matéria Orgânica foram ajustadas ao modelo esférico, Fósforo e H+Al ao modelo exponencial e os demais ao modelo gaussiano. Com base nos coeficientes de correlação entre produtividade de soja e atributos químicos do solo foi constatado significância positiva para Fósforo (0,30) e significância negativa para CTC (-0,30) e H+Al (-0,29).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alvares, C. A.; Stape, J. L.; Sentelhas, P. C.; Gonçalves, M.; Leonardo, J.; Spavorek, G. 2013. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, 22:711–728. Doi: 10.1127/0941-2948/2013/0507.

Brasil. 2017. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA. Agricultura de precisão 19. Brasília, 2017. 15p. Disponível em: <http://www.agricultura.gov.br/assuntos/ camaras-setoriais-tematicas/documentos/camaras-setoriais/florestas-plantadas/anos-anteriores/agricultura-de-precisao-19.pdf/view>. Acesso em: 23 set. 2019.

Cambardella CA, Moorman JM, Novak TB, Karlen DL, Turco RF, Konopka AE (1994) Field-scale variability of soilproperties in Central Iowa Soils. Soil Science Society of America Journal 58(5):1501-1511.

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO – CONAB. 2019. Boletim da Safra de Grãos: 1º Levantamento - Safra 2019/20 - Tabela de levantamento. Brasília: CONAB, 2019. Disponível em: <https://www.conab.gov.br/info-agro/safras/graos>. Acesso em: 13 out. 2019.

Dalchiavon, F. C.; Carvalho, M. P.; Andreotti, M.; Montanari R. 2012. Variabilidade espacial de atributos da fertilidade de um Latossolo Vermelho Distroférrico sob Sistema Plantio Direto. Revista Ciência Agronômica, 43: 453-461.

Freitas, R. E.; Mendonça, M. A. A. 2016. Expansão Agrícola no Brasil e a Participação da Soja: 20 anos. Revista de Economia e Sociologia Rural, 54:497-516. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1234-56781806-94790540306.

Gatiboni, L. C.; Kminski, J.; Rheinheimer, D. S.; Flores, J. P. C. 2007. Biodisponibilidade de formas de fósforo acumuladas em solo sob sistema plantio direto. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 31: 691-699. Doi: 10.1590/S0100-06832007000400010.

Gontijo, I.; Nicole, L. R.; Partelli, F. L.; Bonomo, R.; Santos, E.O.J. 2012. Variabilidade e correlação espacial de micronutrientes e matéria orgânica do solo com a produtividade da pimenta-do-reino. Revista Brasileira de Ciência do Solo 36(4):1093-1102. Doi: 10.1590/S0100-06832012000400004.

Grego, C. R.; Vieira, S. R. 2005. Variabilidade espacial de propriedades físicas do solo em uma parcela experimental. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 29(2):169-177. Doi: https://doi.org/10.1590/S0100-06832005000200002.

Malavolta, E. 2006. Manual de nutrição mineral de plantas. São Paulo: Agronômica Ceres, 2006. 638p.

Molin, J. P.; Amaral, L. R.; Colaço, A. F. 2015. Agricultura de precisão. 1. ed. Oficina de textos. São Paulo.

Raij, B. Van et al. (ed) Análise quimica para avaliação da fertilidade de solos tropicais. Campinas: Instituto Agronômico de Campinas, 2001. 212 p.

Resende, A. V.; Hurtado, S. M. C.; Vilela, M. F.; Corazza, E. J.; Shiratsuchi, L. S. 2004. Aplicações da agricultura de precisão em sistemas de produção de grãos no Brasil. In: Sousa, D. M. G.; Lobato, E., 2014. Cerrado correção do solo e adubação.

Robertson, G.P. 1998. GS+: Geostatistics for the Environmental Sciences. Plainwel: Gamma Design Software.

Santos, E. O. J.; Gontijo, I.; Silva, M.B.; Drumond Neto, A.P. 2015. Variabilidade espacial de macronutrientes em uma lavoura de café conilon no Norte do Espírito Santo. Revista Ciência Agronômica, 46(3):469-476.

Santos, H. G.; Jacomine, P. K. T.; Anjos, L. H. C.; Oliveira, V. A.; Lumbreras, J. F.; Coelho, M. R.; Almeida, J. A.; Araujo Filho, J. C.; Oliveira, J. B.; Cunha, T. J. 2018. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 5. ed. Brasília: Embrapa, 187 p. Disponível em: https://www.embrapa.br/solos/busca-de-publicacoes/ /publicacao/1094003/sistema-brasileirode-classificacao-de-solos. Acesso em: 18 out. 2018.

Santos, R. O.; Franco, L. B.; Silva, S. A.; Sodré, G. A.; Menezes, A. A. 2017. Spatial variability of soil fertility and its relation of cocoa yield. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 21:88-93. Doi: https://doi.org/10.1590/1807-1929/agriambi.v21n2p88-93.

Soares Filho, R.; Cunha, J. P. A. R. 2015. Agricultura de precisão: particularidades de sua adoção no sudoeste de Goiás – Brasil. Engenharia Agricola, 35(4):689-698. Doi: 10.1590/1809-4430-Eng.Agric.v35n4p689-698/2015.

Trentin, R. G.; Modolo, A. J.; Vargas, T. O.; Campos, J. R. R.; Adami, P. F.; Baesso, M. M. 2018. Soybean productivity in Rhodic Hapludox compacted by the action of furrow openers. Acta Scientiarum. Agronomy 40:1-9. Doi: http://dx.doi.org/10.4025/actasciagron.v40i1.35015.

Vieira, S. R.; Carvalho, J. R. P.; Paz Gonzalez, A. 2010. Jack knifing for semivariogram validation. Bragantia, 69: 97-105. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0006-87052010000500011.

Zanão Júnior, L. A.; Lana, R. M. Q.; Carvalho-Zanão, M. P.; Guimarães, E. C. 2010. Variabilidade espacial de atributos químicos em diferentes profundidades em um Latossolo em sistema de plantio direto. Revista Ceres, 57:429-438. Doi: https://doi.org/10.1590/S0034-737X2010000300021.

Zonta, J. H.; Brandão, Z. N.; Medeiros, J. C.; Sana, R. S.; Sofiatti, V. 2014. Variabilidade espacial da fertilidade do solo em área cultivada com algodoeiro no Cerrado do Brasil. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 18(6):595-602. Doi: 10.1590/S1415-43662014000600005.

Downloads

Publicado

2020-11-29

Como Citar

Londero, R. ., Oliveira, R. B. de, Nascimento, J. M. do, Arcoverde, S. N. S., & Secretti, M. L. (2020). Dependência espacial da fertilidade do solo sob plantio direto e suas relações com a produtividade da soja. Caderno De Ciências Agrárias, 12, 1–8. https://doi.org/10.35699/2447-6218.2020.25450

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)