OUTRA PERSPECTIVA PARA A EDUCAÇÃO DO CAMPO

Autores

  • Leandro Luciano Silva
  • Maria de Fátima Almeida Martins

Resumo

O modelo de produção capitalista separou o campo e a cidade, chegou à agricultura e transformou a produção no campo. Apresentou a modernização, trouxe novos insumos e impôs a subordinação do agricultor ao capital. Assim como se operou com a produção agrícola, em relação à educação no ambiente agrário não foi diferente. A proposta de educação para o agrário brasileiro se apresentou carregada de padrões desenvolvimentistas, ignorou a realidade do agrário e as peculiaridades dos sujeitos do campo. Ocorre que, assim como o capitalismo se reestrutura, as estratégias de resistência se reinventam, e novamente com a educação não foi diferente. A partir da década de 1990, a educação para o rural vem se reformulando e ganhando novos contornos, agora tendo como centralidade os sujeitos do campo, suas realidades, trajetórias e lutas. O presente trabalho não tem a pretensão de exaurir o debate sobre a educação do campo, mas sim, incitar a discussãosobre outra perspectiva para essa educação, que envolve sobre tudo, a reflexão sobre a Questão Agrária, o acesso à terra, ao trabalho, à educação, ao lazer e a outros direitos inerentes à condição humana e à vida digna no campo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2015-11-01

Como Citar

Silva, L. L., & Martins, M. de F. A. (2015). OUTRA PERSPECTIVA PARA A EDUCAÇÃO DO CAMPO. Caderno De Ciências Agrárias, 7(1), 89–101. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/ccaufmg/article/view/2799

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS