Cartografias urbanas, estádios e gestão de conflitos entre torcidas rivais os casos de Recife e Fortaleza

Main Article Content

Francisco Thiago Cavalcante Garcez
Geovani Jacó de Freitas
Laura Hêmilly Campos Martins

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar comparativamente os usos da Arena Itaipava Pernambuco, em Recife/PE, e do Estádio Governador Plácido Castelo, em Fortaleza/CE, visando a compreender as conexões entre as ações de gestão de conflitos entre torcidas rivais e a cartografia dessas cidades. A pesquisa foi de natureza qualitativa, na qual optamos por abordagem comparativa, tendo como campos de observação as cidades de Fortaleza/CE e Recife/PE. As técnicas utilizadas para coleta de dados foram pesquisa documental, observação direta, diário de campo e entrevistas semiestruturadas. Constatou-se que a cartografia urbana possui um potencial a ser explorado a partir de ações de gestão de conflitos no futebol. Entretanto, alguns fatores, como modais de transportes insuficientes e histórico de violência no futebol entre coletivos de torcedores podem mitigar as ações de gestão de conflitos, tanto do Poder Público quanto dos clubes e associações de torcidas organizadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Garcez, F. T. C., Freitas, G. J. de, & Martins, L. H. C. (2021). Cartografias urbanas, estádios e gestão de conflitos entre torcidas rivais: os casos de Recife e Fortaleza. FuLiA / UFMG, 5(2), 79–96. https://doi.org/10.35699/2526-4494.2020.20061
Seção
DOSSIÊ
Biografia do Autor

Francisco Thiago Cavalcante Garcez, Coordenador de Pesquisa e Extensão do Curso de Serviço Social da Faculdade Princesa do Oeste. Professor Titular da Faculdade Princesa do Oeste.

Mestre em Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Estadual do Ceará. Especialista em Gestão Pública Municipal pela Universidade da Integração da Lusofonia Afro-Brasileira. Graduado em Serviço Social pela Universidade Estadual do Ceará.

Geovani Jacó de Freitas, Doutorado em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará; Professor Adjunto da Universidade Estadual do Ceará

É Licenciado em Letras pela Universidade Regional do Nordeste -URNE - (1985); mestrado em Sociologia Rural pela Universidade Federal da Paraíba (1991) e doutorado em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (2002). Atualmente, é professor adjunto da Universidade Estadual do Ceará, nos cursos de Bacharelado e de Licenciatura em Ciências Sociais e do Programa de Pós Graduação em Sociologia -PPGS/UECE). É coordenador do Laboratório de Estudos da Conflitualidade e da Violência - COVIO/UECE, pesquisador associado do Laboratório de Direitos Humanos, Cidadania e Ética- LABVIDA/UECE. Tem pesquisado temas relacionados à cidade, juventudes, violência urbana e segurança pública.

Laura Hêmilly Campos Martins, Faculdade Princesa do Oeste e Universidade Estadual do Ceará

Discente do Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas da Universidade Estadual do Ceará. Professora Titular da Faculdade Princesa do Oeste. Mestre em Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Estadual do Ceará.Especialista em Serviço Social, Políticas Públicas e Direitos Sociais. Graduada em Serviço Social pela Universidade Estadual do Ceará.

Referências

BRASIL. Lei n. 12.299, de 27 de julho de 2010. Dispõe sobre medidas de prevenção e repressão aos fenômenos de violência por ocasião de competições esportivas; altera a Lei no 10.671, de 15 de maio de 2003; e dá outras providências. Disponível em: encurtador.com.br/hOZ78. Acesso em: 12 jul. 2019.

ELIAS, Norbert; DUNNING, Eric. A busca da excitação. Lisboa: DIFEL, 1985.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

FILHO, Mário. O negro no futebol brasileiro. Rio de Janeiro: Mauad, 2003.

GIULIANOTTI, Richard. Sociologia do futebol: dimensões históricas e sócio-culturais socioculturais do esporte das multidões. São Paulo: Nova Alexandria, 2010.

LOPES, Felipe Tavares Paes. Dimensões ideológicas do debate público acerca da violência no futebol brasileiro. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 27, n. 4, p. 597-612, dez. 2013.

MUCHEMBLED, Robert. A história da violência. São Paulo: Zahar, 2012.

MURAD, Maurício. A violência no futebol. São Paulo: Saraiva, 2012.

MURAD, Maurício. Violências e mortes no futebol brasileiro: reflexões, investigações, proposições. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. v. 13. n. 1, p. 57-72, 2013.

OPOVO online. Homem é morto na loja da Torcida Organizada Cearamor. Fortaleza, 10 abr. 2012. Disponível em: encurtador.com.br/kxW15. Acesso em: 01 jul. 2019.

O GLOBO. Pesquisa mostra que brasileiro culpa torcidas organizadas por violência no futebol. Rio de Janeiro, 10 dez. 2013. Disponível em: encurtador.com.br/alsA7. Acesso em: 01 jul. 2019.

PIMENTA, Carlos Alberto Máximo. Torcidas organizadas de futebol: violência e auto-afirmação. Taubaté: Vogal Editora, 1997.

PIMENTA, Carlos Alberto Máximo. Violência entre torcidas organizadas de futebol. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 122-128, 2000.

ROCHA, Eduardo et al. Cartografias sensíveis na cidade: experiência e resistência no espaço público da Região Sul do RS; UFPel; Pixo; v. 1; n. 3; 2017; 148-165.

TOLEDO, Luiz Henrique. Torcidas Organizadas de Futebol. Campinas, SP: Autores Associados/Anpocs, 1996.

WEBER, Max. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva, v. 1. Editora Universidade de Brasília, 1994.