Quando um treinador substitui o nome do clube uma análise do 'Time de Ceni' como exemplo da lógica do clickbait na cobertura esportiva do Brasil

Conteúdo do artigo principal

Anderson David Gomes dos Santos
Mellyna Andréa Reis dos Santos Borges
Carlos Peres de Figueiredo Sobrinho

Resumo

Quando Rogério Ceni foi anunciado como novo técnico do Fortaleza Esporte Clube para a temporada de 2018 houve surpresa no futebol brasileiro. Ex-goleiro e um dos maiores ídolos do São Paulo Futebol Clube, ele começou a carreira de treinador na equipe em que jogou, imaginava-se que seguisse em clubes do Sudeste ou do Sul, que têm maior capital simbólico e cobertura midiática. Títulos da Série B (2018), Campeonato Cearense (2019) e Copa do Nordeste (2019) transformaram Ceni num dos principais técnicos da história do Fortaleza. Mas só isso bastava para tratar o clube como “Time de Ceni” em títulos de notícias ou tuítes na internet? Para discutir a cobertura esportiva atual, mais voltada ao infoentretenimento e à atração do público a partir de caça-cliques (clickbait), com foco na representação dos clubes do Nordeste, que este artigo analisa tuítes de sites noticiosos nacionais a partir do uso de “Time de Ceni”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
SANTOS, A. D. G. dos; BORGES, M. A. R. dos S. .; FIGUEIREDO SOBRINHO, C. . P. de . Quando um treinador substitui o nome do clube: uma análise do ’Time de Ceni’ como exemplo da lógica do clickbait na cobertura esportiva do Brasil. FuLiA/UFMG , Belo Horizonte/MG, Brasil, v. 5, n. 1, p. 119–138, 2021. DOI: 10.35699/2526-4494.2020.29582. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/fulia/article/view/29582. Acesso em: 16 abr. 2024.
Seção
DOSSIÊ
Share |

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BECKER, Beatriz; SILVA, Rafael Pereira da. Representações e (in) visibilidades da negritude no telejornalismo brasileiro: o negro e as relações étnico-raciais são notícias na TV? In: AGUIAR, Leonel; SILVA, Marcos Paulo; MARTINEZ, Monica (Orgs.). Desigualdades, relações de gênero e estudos de jornalismo, São Paulo: Life Editora, 2018, p. 208-223.

BIRD, Elizabeth; DARDENNE, Robert. Mito, registo e “estórias”: explorando as qualidades narrativas das notícias. In: TRAQUINA, Nelson (Org.). Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. Lisboa: Vega, 1993, p. 263-277.

BOLAÑO, César Ricardo Siqueira. A reforma do modelo brasileiro de regulação das comunicações em perspectiva histórica. Estudos de Sociologia, v. 17, p. 67-95, 2004.

BOURDIEU, Pierre. A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes, 2008.

FIGUEIREDO, Carlos. Jornalismo e Economia Política da Comunicação: elementos para a construção de uma teoria crítica do jornalismo. Âncora, revista latino-americana de jornalismo, v. 6, n. 1, p. 12-28, jan.-jun. 2019.

FRANGE, Marcelo. A produção do jornalismo esportivo na internet. Curitiba: Appris, 2016.

GANS, Hebert J. Deciding What’s News: A Study of CBS Evening News, NBC Nightly News, Newsweek and Times. New York: Vintage Books, 1980.

HALL, Stuart et al. A produção social das notícias: o mugging nos media. In: TRAQUINA, Nelson (Org). Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. Lisboa: Vega, 1993, p. 224-248.

HELAL, Ronaldo. Mídia, construção da derrota e o mito do herói. Revista Motus Corporis, v. 5, n. 2, p. 141-155, 1998.

HOSS, Lídia Schwantes; SCHUSTER, Patrícia Regina; OLIVEIRA, Vanessa Costa de. O jornalismo e os silenciamentos na relação de gênero: um estudo a partir do caso Marielle Franco. In: AGUIAR, Leonel; SILVA, Marcos Paulo; MARTINEZ, Monica (Orgs.). Desigualdades, relações de gênero e estudos de jornalismo, São Paulo: Life Editora, 2018, p. 369-382.

MORIN, Edgar. As estrelas – mito e sedução no cinema. Rio de Janeiro: José Olympio, 1989.

OSELAME, Mariana; FINGER, Cristiane. Entre a notícia e o infoentretenimento: um modelo nacional de jornalismo esportivo imposto aos programas locais. Ciberlegenda, v. 29, n. 2, p. 61-73, dez. 2013.

PEDRO, Margarete Vieira et al. O clickbait no ciberjornalismo português e brasileiro: o caso brasileiro. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE CIBERJORNALISMO, 6., COBCIBER. Anais do VI Congresso Internacional de Ciberjornalismo. Porto: Cobciber, 2019.

RAYCHTOK, Andrey. A mídia e as torcidas mistas no futebol do Nordeste. Monografia (Graduação em Comunicação Social/ Jornalismo), Escola de Comunicação da UFRJ, Rio de Janeiro, 2015.

RÊGO, José Lins do. Esporte e vida. Jornal dos Sports, Rio de Janeiro, 31 mar. 1948.

SANTOS, Anderson David Gomes dos; SANTOS, Irlan Simões da Cruz. Debate teórico do conceito de mercadoria audiência a partir da apropriação do torcedor de futebol. In: SANTOS, Verlane Aragão Santos; HERRAMILLO-HERRERA, Maurício (Orgs.). Economia Política, Comunicação e Africanidades: XV Seminário OBSCOM/CEPOS. São Cristóvão: ULEPICC-BR, OBSCOM-CEPOS, UFS, 2018, p. 80-95.

SANTOS, Henrique Sena dos. Desastres materiais, desordens morais: o “foot-ball de vagabundos” nas ruas de Salvador, 1905-1920. Recorde, Revista de História do Esporte, v. 5, n. 1, 2012.

SANTOS, Irlan Simões; SANTOS, Anderson David Gomes dos. A invenção do “Nordestão” e o futebol-arte: investigações a partir do Jornal dos Sports. In: HELAL, Ronaldo; MOSTARO, Felipe. Narrativas e representações do esporte na mídia: reflexões e pesquisas. Curitiba: Editora Appris, 2020.

SANTOS, Silvan Menezes dos; MEZZAROBA, Cristiano; SOUZA, Doralice Lange de. Jornalismo esportivo e infotenimento: a (possível) sobreposição do entretenimento à informação no conteúdo jornalístico do esporte. Corpoconsciência, v. 21, n. 2, p. 93-106, mai.-ago. 2017.

SOUZA, Adriano Lopes de. O torcer misto em Maceió. In: Reunião Equatorial de Antropologia, 5.; Reunião de Antropólogos Norte e Nordeste, 14., 2015, Maceió. Anais... Maceió: UFAL, 2015.

TUCHMAN, Gaye. Making News: A Study in the Construction of Reality. New York/ London: The Free Press, 1978.

VASCONCELOS, Arthur Alves de. “Eu tenho dois amores que em

nada são iguais”: bifiliação clubística no Nordeste. Ponto Urbe,

Revista do Núcleo de Antropologia Urbana da USP, v. 14, 2014.