Produção científica dos professores de cursos de Geografia das universidades federais de Minas Gerais analisada sob a ótica da Teoria das Elites (Princípio de Pareto)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-549X%20.2017.16061

Palavras-chave:

Produção científica em Geografia, Princípio de Pareto, Elites, Minas Gerais

Resumo

O presente trabalho examinou quantitativamente a produção de conhecimento publicado em periódicos por docentes de cursos superiores federais de Geografia de Minas Gerais ao longo dos últimos seis anos e meio. Avaliou essa produção no âmbito geral da Teoria das Elites e, no particular, do Princípio de Pareto. O Princípio de Pareto ou a Lei de Pareto diz que 80% dos efeitos provêm de 20% das causas e que é inevitável a formação de uma elite em quase todas as atividades humanas. Os dados para análise foram levantados com base na página dos cursos e ou departamentos e no da Plataforma Lattes do CNPq.  Os resultados referentes à produção total de artigos em periódicos não permitem identificar uma elite nos moldes do Princípio de Pareto. Quanto à produção mais qualificada e de maior impacto, ou seja, a que possui JCR igual ou superior a 0,500, o que dados sugerem é a existência dessa elite que, em muitos casos, é responsável por 100% desse tipo de produção. Paralelamente foi possível verificar ausência de relação entre o número de docentes de um departamento e sua produtividade científica. Além disso, em Minas Gerais, a publicação de conhecimento geográfico é alta, mas geralmente de baixo impacto. Finalmente, foi possível perceber que, embora haja exceções, são poucos os docentes que conseguem, ao mesmo tempo, chegar a uma alta produção tanto em referência à quantidade quanto à qualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BANCESCU I, CHIVU L, PREDA V, PUENTE-AJOVÍN M, RAMOS A. Comparisons of log-normal mixture and Pareto tails, GB2 or log-normal body of Romania’s all cities size distribution. Physica A: Statistical Mechanics and its Applications, 526, 2019. doi.org/10.1016/j.physa.2019.04.253

GIMENES E R. Teoria das elites e as elites do poder: considerações sobre a relevância dos teóricos clássicos e de Wright Mills aos estudos de cultura política e democracia. Revista de Discentes de Ciência Política da UFSCAR, 2(2): 119-151,

GRYNSZPAN M. Ciência política e trajetórias sociais: uma sociologia histórica da teoria das elites. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getulio Vargas, 1999. 255p.

IOANNIDES Y, SKOURAS S. US city size distribution: Robustly Pareto, but only in the tail. Journal of Urban Economics, 73 (1): 18-29, 2013. doi.org/10.1016/j.jue.2012.06.005

KLASS O S, BIHAM O, LEVY M, MALCAI O, SOLOMON S. The Forbes 400 and the Pareto wealth distribution. Economics Letters, 90 (2): 290-295, 2014. doi.org/10.1016/j.econlet.2005.08.020

NAOUM V, KYRIOPOULOS D, CHARONIS A, ATHANASAKIS K, KYRIOPOULOS J. The Pareto Principle (“80-20 Rule”) In Healthcare Services In Greece. Value in Health, 19 (7): A618, 2016. doi.org/10.1016/j.jval.2016.09.1563.

Downloads

Publicado

2019-11-15

Como Citar

Salgado, A. A. R. . (2019). Produção científica dos professores de cursos de Geografia das universidades federais de Minas Gerais analisada sob a ótica da Teoria das Elites (Princípio de Pareto) . Revista Geografias, 25(2), 124–134. https://doi.org/10.35699/2237-549X .2017.16061

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>