Concepções da Prática como Componente Curricular nos Cursos de Licenciatura em Química dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia

Palavras-chave: Prática como componente curricular, Licenciatura em Química, Formação de professores, Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia

Resumo

Este artigo tem como tema de investigação a Prática como Componente Curricular (PCC) nos cursos de Licenciatura em Química ofertados no Brasil pelos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Seu objetivo é analisar as concepções da prática como componente curricular apontadas nos Projetos Pedagógicos de Curso (PPC) das Licenciaturas em Química dos Institutos Federais no Brasil. Como metodologia de pesquisa, utilizou-se da análise documental e definiu-se como fonte de dados os PPC desses cursos. Para responder às questões propostas, este artigo apresenta, a partir de autores que discutem a formação de professores, a constituição desse campo de pesquisa e seus modelos curriculares, bem como as normativas que instituem a PCC. A análise de dados está organizada em três subtópicos, que discutem a organização curricular dos cursos analisados; os conhecimentos priorizados nas disciplinas que desenvolvem a PCC; e os aspectos do campo da formação docente que são expressos nos PPC.

Referências

Almeida, S. (2016). A prática como componente curricular nos cursos de formação de professores de química no estado de Goiás. (Dissertação de Mestrado em Educação em Ciências e Matemática). Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

Bourdieu, P. (1989) O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand.

Decreto-Lei n. 1.190, de 04 de abril de 1939 (1939). Dá organização à Faculdade Nacional de Filosofia. Diário Oficial da União. Rio de Janeiro, RJ: Ministério da Educação e Saúde Pública.

Contreras, J. (2012) A autonomia de professores. São Paulo: Cortez.

Cunha, M. I. (2013) O tema da formação de professores: trajetórias e tendências do campo na pesquisa e na ação. Revista Educação e Pesquisa, 39(3), 609–624. https://doi.org/10.1590/S1517-97022013005000014

Diniz-Pereira, J. E. (2013). A construção do campo da pesquisa sobre formação de professores. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, 22(40), 145–154.

Dourado, L. F. (2015). Diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial e continuada dos profissionais do magistério da educação básica: concepções e desafios. Educação e Sociedade. 36(131), 299–324.

Estevão, C. (2011) Formação, gestão, trabalho e cidadania: Contributos para uma sociologia crítica da formação. Educação e Sociedade, 22(77), 185–206.

Fernandez, C. (2015) Revisitando a base de conhecimentos e o conhecimento pedagógico do conteúdo (PCK) de professores de ciências. Revista Ensaio, 17(2), 500–528.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

Franco, L. G., & Munford, D. (2018). Reflexões sobre a Base Nacional Comum Curricular: um olhar da área de Ciências da Natureza. Revista Horizontes, 36(1), 158–170. https://doi.org/10.24933/horizontes.v36i1.582

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.

Kasseboehmer, A. C., & Farias, S. A. (2012). Conteúdos das Disciplinas de Interface Atribuídos a Prática como Componente Curricular em Cursos de Licenciatura em Química. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 5(2), 95–123.

Marcelo, C. G. (1998) Pesquisa sobre formação de professores: o conhecimento sobre aprender a ensinar. Revista Brasileira de Educação, (9), 51–75.

Marcelo, C. G. (1999) Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Editora Porto.

Minayo, M. C. S. (2015) Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes.

Mohr, A., & Pereira, B. (2017) Origem e Contornos da Prática como Componente Curricular. In A. Mohr, & H. G. Wielewicki. (Org.) Prática como componente curricular: que novidade é essa 15 anos depois? (pp. 19–38). Florianópolis: NUP/CED/UFSC.

Nóvoa, A. (1991). Profissão professor. Porto: Editora Porto.

Parecer n. 28 de 2001. (2001). Dá nova redação ao Parecer CNE/CP 21/2001, que estabelece a duração e a carga horária dos cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Ministério da Educação.

Parecer n. 15 de 2005. (2005). Solicitação de esclarecimento sobre as Resoluções CNE/CP nºs 1/2002, que institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena, e 2/2002, que institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Ministério da Educação.

Real, G. C. M. (2012) Prática como Componente Curricular: o que isso significa na prática? Educação e Fronteiras On-Line. 2(5), 48–62.

Resolução n. 01 de 2002 (2002). Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Ministério da Educação.

Resolução n. 02 de 2002. (2002). Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Ministério da Educação.

Resolução n. 02 de 2015. (2015). Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Ministério da Educação.

Resolução n. 03 de 2018. (2015). Altera o Art. 22 da Resolução CNE/CP nº 2, de 1º de 2015, que define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Ministério da Educação.

Saviani, D. (2009). Formação de professores: aspectos históricos e teóricos no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, 14 (40), 143–145.

Shulman, L. S. (2005). Conocimiento y enseñanza: fundamentos de la nueva reforma. Revista de currículum y formación del profesorado, 9(2), 1–30.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Valério, M. (2017). Autonomia dos professores. Educar em Revista, (66), 327–332. https://doi.org/DOI/10.1590/0104-4060.52325

Publicado
2019-11-04
Como Citar
da Silva, P. J., & Maciel Guimarães, O. (2019). Concepções da Prática como Componente Curricular nos Cursos de Licenciatura em Química dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 19, 565-594. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2019u565594
Seção
Artigos