Agrotóxicos no Brasil: Uma Visão Relacional a Partir da Articulação Freire-CTS

Palavras-chave: Educação em Ciências, Agrotóxicos, Movimento CTS, Abordagem Temática Freireana

Resumo

Na pesquisa em Educação em Ciências o tema Agrotóxicos é considerado promissor para a discussão de aspectos sociais da Ciência e da Tecnologia. Por seu caráter controverso e imbricado em uma malha sociocultural, a sua discussão envolve aspectos de ordem conceitual, política, econômica, social, de saúde pública e ambiental que necessitam ser considerados ao abordá-lo em sala de aula. Nesse sentido, o presente trabalho discute algumas das dimensões presentes no uso de agrotóxicos no contexto brasileiro, visando fornecer subsídios teóricos para a discussão do tema numa perspectiva mais ampla em sala de aula. Especificamente, pautado na articulação dos pressupostos do movimento CTS e da perspectiva educacional freireana, são discutidos alguns dos aspectos envolvidos neste tema mediante a construção de uma rede de relações, baseada na proposta da Rede Temática, tendo como referência dimensões relacionadas com a economia; meio ambiente e saúde pública; e políticas públicas e participação social.

Biografia do Autor

Polliane Santos de Sousa, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Possui graduação em Licenciatura em Física pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC-2014) e Mestrado em Educação em Ciências pela mesma universidade (2015). Atualmente é professora do Centro de Formação de Professores da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e cursa o Doutorado em Educação Científica e Tecnológica na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Participa das atividades desenvolvidas pelo Grupo de Estudos sobre Abordagem Temática no Ensino de Ciências (GEATEC) da UESC desde 2012 e tem experiência na área de Ensino de Ciências/Física, com ênfase na incorporação de aspectos da perspectiva freireana de educação no currículo escolar e na abordagem de temas em sala de aula. Atua principalmente nos seguintes temas: Abordagem Temática Freireana, Práxis Curricular via Tema Gerador, Formação de Professores, Articulações Freire-CTS.

Ana Paula Gorri, Universidade Federal de Santa Catarina

Licenciada em Química pela Universidade Estadual de Maringá. Mestra e doutoranda do Programa de Pós Graduação em Educação Científica e Tecnológica, da Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Na mesma instituição, atuou como professora substituta nos cursos de Licenciatura em Química e Licenciatura em Educação do Campo. Fez parte da equipe de produção e desenvolvimento de materiais didáticos do Programa Nacional de Educação Digital - ProInfo Integrado, do Ministério da Educação (MEC). Enquanto professora temporária de química do Estado de SC, desenvolveu o projeto "Games Pedagógicos no aprendizado de química". Apresenta pesquisas e interesses nas seguintes áreas: Educação étnico-racial na formação de professores de química, semiótica e ensino de química orgânica, Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação em processos de ensino e aprendizagem, interfaces de saberes indígenas e conhecimentos científicos, CTS Latino-americano, Educação CTS em museus, produção de materiais didáticos para mídias digitais, formação de docentes do ensino superior para as novas tecnologias de ensino, História e Filosofia no ensino de ciências.

Referências

Angotti, J. A. P. (1991). Fragmentos e totalidades no conhecimento científico e no ensino de ciências. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo-SP, Brasil.

ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2012). Relatório Complementar. Recuperado de http://portal.anvisa.gov.br/documents/111215/117818/PARA%2BResultados2012B_Resumido-14-11-14.pdf/cb191ff1-b908-44b8-8a73-a8f55177f72a

Aranha, A., & Rocha, L. (2019). “Coquetel” com 27 agrotóxicos foi achado na água de 1 em cada 4 municípios. Por trás do alimento. Recuperado de: https://portrasdoalimento.info/2019/04/15/coquetel-com-27-agrotoxicos-foi-achado-na-agua-de-1-em-cada-4-municipios/

Auler, D. (2002). Interações entre Ciência-Tecnologia-Sociedade no Contexto da Formação de Professores de Ciências. Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis-SC, Brasil.

Auler, D. (2007). Enfoque Ciência-Tecnologia-Sociedade: pressupostos para o contexto brasileiro. Ciência & Ensino, 1(número especial), 1–20.

Auler, D. (2011). Novos caminhos para a educação CTS: ampliando a participação. In W. L. P. Santos, & D., Auler (Orgs.). CTS e educação científica: desafios, tendências e resultados de pesquisas (pp. 73–98). Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Auler, N. M. F., & Auler, D. (2015). Conhecer e executar currículos: ampliando o processo formativo de educadores(as). In Auler, N. M. F., & Auler, D. (Orgs.). Concepção e execução do currículo no processo formativo de Licenciandos do PIBID (pp. 13–40) Curitiba: CRV.

Auler, D., Dalmolin, A., & Fenalti, V. (2009). Abordagem temática: natureza dos temas em Freire e no enfoque CTS. Alexandria – Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 2(1), 67–84.

Bazzo, W., Linsingen, I., & Pereira, L. T. do V. (2003). Introdução aos estudos CTS (Ciência, Tecnologia e Sociedade). Cadernos de Ibero-América. Madri: Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura.

Bianchini, V., & Medaets, J. P. P. (2013). Da revolução verde à agroecologia: plano Brasil agroecológico. Recuperado de http://www.mda.gov.br/portalmda/sites/default/files/user_arquivos_195/Brasil%20Agroecol%C3%B3gico%2027-11-13%20Artigo%20Bianchini%20e%20Jean%20Pierre.pdf

Calvão, A. L. (2017). O homem do campo e as questões ambientais: culturas tradicionais x revolução verde – suas mazelas e as alternativas possíveis. Sinapse Múltipla [online], 6(1), 82–89.

Carneiro, F. F., Augusto, L. G. S., Rigotto, R. M., Friedrich, K., & Búrigo, A. C. (Org.). (2015). Dossiê ABRASCO: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. Rio de Janeiro: EPSJV; São Paulo: Expressão Popular.

Cavalcanti, J. A., Freitas, J. C. R., Melo, A. C. N., & Freitas, J. R. (2010, fevereiro) Agrotóxicos: uma temática para o ensino de química. Química Nova Escola, 32 (1), 31–36.

Delizoicov, D. (1991). Conhecimento, tensões e transições. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo-SP, Brasil.

Delizoicov, D., Zanetic, J. (1993). A proposta de interdisciplinaridade e o seu impacto no ensino municipal de 1º grau. In N. N., Pontuschka, (Org.). Ousadia no diálogo: a interdisciplinaridade na escola pública (pp. 9–15). São Paulo: Loyola.

Faria, N. M. X., Facchini, L. A., Fassa, A. G., & Tomasi, E. (2004, set-out.). Trabalho rural e intoxicações por agrotóxicos. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro-RJ, 20 (5), 1298–1308.

Felipim, A. P. (2001). O Sistema Agrícola Guarani Mbyá e seus cultivares de milho: um estudo de caso na Aldeia Guarani da Ilha do Cardoso, município de Cananéia, SP. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, Piracicapa-SP, Brasil.

Fernandes, C. S., & Stuani, G. M. (2015). Agrotóxicos no Ensino de Ciências: uma pesquisa na educação do campo. Educação e Realidade, Porto Alegre-RS, 40(3), 745–762.

Freire, P. (1983). Extensão ou Comunicação? 8ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (2011). Pedagogia do Oprimido. 50ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Genovese, C. L. C. R., & Pessoa, J. M. (2013). Trabalhador Rural, Agrotóxicos e Ensino de Ciências: uma análise. In Atas do IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Águas de Lindóia-SP, Brasil.

Gomes, M. A. F., & Barizon, R. R. M. (2014). Panorama da contaminação ambiental por agrotóxicos e nitrato de origem agrícola no Brasil: cenário 1992/2011. Jaguariúna, SP: Embrapa Meio Ambiente.

Hue, S. M. (Org.) (2006). Primeiras Cartas do Brasil (1551–1555). Rio de Janeiro: J. Zahar.

Lerrer, D. F. (2019). Mecanismos de silenciamento do problema agrário brasileiro: reflexões preliminares. In Anais VIII Encontro da Rede de Estudos Rurais Concepções de Sociedade e Direitos de Cidadania em Questão: novos desafios para o mundo rural brasileiro. Rede de Estudos Rurais, Florianópolis – SC, Brasil.

Lindemann, R. H. (2010). Ensino de Química em escolas do campo com proposta agroecológica: contribuições a partir da perspectiva freireana de educação. Tese de Doutorado. PPGECT: UFSC, Florianópolis-SC, Brasil.

Londres, F. (2011). Agrotóxicos no Brasil: um guia para ação em defesa da vida. – Rio de Janeiro: AS-PTA – Assessoria e Serviços a Projetos em Agricultura Alternativa.

Lopes, N. C., & Carvalho, W. L. P. (2012, jul-dez). Agrotóxicos - toxidade versus custos: uma experiência de formação de professores com as questões sociocientíficas no ensino de ciências. Amazônia - Revista de Educação em Ciências e Matemáticas, 9(17), 27–48.

Miranda, A. C., Moreira, J. C., Carvalho, R., & Peres, F. (2007). Neoliberalismo, uso de agrotóxicos e a crise da soberania alimentar no Brasil. Ciência e saúde coletiva [online]. 12(1), 7–14.

Moraes, P. C., Trajano, C. S., Mafra, S. M., & Messede J. C. (2011), Abordando agrotóxico no ensino de química: uma revisão. Revista ciências & ideias, 3(1), 1–15.

Nascimento, T. G., & Linsingen, I. (2006). Articulações entre o enfoque CTS e a pedagogia de Paulo Freire como base para o ensino de ciências. Convergência, 13(42), 95–116.

Oliveira-Silva, J. J., Alves, S. R., Meyer, A., Perez, F., Sarcinelli, P. N., Mattos, R. C. O.C., & Moreira, J. C. (2001). Influência de fatores socioeconômicos na contaminação por agrotóxicos, Brasil. Revista de Saúde Pública, 35(2), 130–135.

Pernambuco, M. M. C. (1994). Educação e escola como movimento. Tese de doutorado – Universidade de São Paulo, São Paulo-SP, Brasil.

Possenti, J. C., Tozetto, F. C., Bettiato, G., & Szepanhuk V. (2007). A agricultura convencional e suas implicações para o meio ambiente. In I Seminário Sistemas de Produção Agropecuária. Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Campus Dois Vizinhos.

Prada, P. (2015). Why Brazil has a big appetite for risky pesticides, Recuperado de: http://www.reuters.com/investigates/special-report/brazil-pesticides/

Prado Júnior, C. (1949). História econômica do Brasil. 2 ed. São Paulo: Brasiliense.

Reis, P. R. (2004). Controvérsias sócio-científicas: discutir ou não discutir?: percursos de aprendizagem na disciplina de ciências da terra e da vida. Tese de doutorado - Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Reuters. (2019). Ministério da Agricultura aprova registro de mais 42 agrotóxicos, totalizando 211 no ano. G1 – Globo. Recuperado de https://g1.globo.com/economia/agronegocios/noticia/2019/06/24/ministerio-da-agricultura-aprova-registro-de-mais-42-agrotoxicos-totalizando-211-no-ano.ghtml

Rigotto, R. (2010). O uso seguro de agrotóxicos é um mito: depoimento [22 de setembro de 2010]. EPSJVFiocruz. Entrevista concedida a Leila Leal. Recuperado de http://www.epsjv.fiocruz.br/noticias/entrevista/o-uso-seguro-de-agrotoxicos-e-um-mito

Rigotto, R. M., Vasconcelos, D. P., & Rocha, M. M. (2014). Uso de agrotóxicos no Brasil e problemas para a saúde pública. Cad. Saúde Pública, Rio de janeiro, 30(7), 1–3.

Romeiro, A. R. (1996). Agricultura Sustentável, Tecnologia e Desenvolvimento Rural. Agricultura Sustentável, Jaguariúna, 3(1/2), 34–42.

Salvador, C. H., Moraes, T. O., & Auler, N. M. F. (2015). Intervenção curricular estruturada mediante um tema gerador. In Auler, N. M. F., & Auler. D. (Orgs.). Concepção e execução do currículo no processo formativo de Licenciandos do PIBID (63–76). Curitiba: CRV.

Santos, B. S. (2005). Semear outras soluções: os caminhos da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Santos, W. (2011). Significados da educação científica com enfoque CTS. In W., Santos, & D., Auler (Orgs.) CTS e educação científica: desafios, tendências e resultados de pesquisa (pp. 21–48). Brasília: Editora UnB.

Santos, W. L. P., & Mortimer, E. F. (2002). Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem C-T-S (Ciência-Tecnologia-Sociedade) no contexto da educação brasileira. Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências, 2(2), 1–22.

Schwartzman, S. (1989). A Ciência no período de pós-guerra. In II Módulo do Programa de Política e Administração em Ciência e Tecnologia, CNPq, 1989. Recuperado de: http://www.schwartzman.org.br/simon/posguerr.htm

Seufert, V., Ramankutty, N., & Foley, J. A. (2012). Comparing the yields of organic and conventional agriculture. Nature, 485, 229–232.

Silva, A. F. G. (2004). Das falas significativas às práticas contextualizadas: a construção do currículo na perspectiva crítica e popular. Tese de doutorado – Pontifícia Universidade de São Paulo, São Paulo-SP, Brasil.

Silva, A. F. G. (2007). A busca do tema gerador na práxis da educação popular. Curitiba: Editora Gráfica Popular.

SINITOX - Sistema Nacional De Informações Tóxico-Farmacológicas. (2016). Dados de Intoxicação. Recuperado de http://sinitox.icict.fiocruz.br/dados-nacionais

Soares, W., Almeida, R. M.V. R., & Moro, S. (2003). Trabalho rural e fatores de risco associados ao regime de uso de agrotóxicos em Minhas Gerais, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 19(4), 1117–1127.

Sousa, P. S., Solino, A. P., Figueiredo, P. S., & Gehlen, S. T. (2016). Tema Gerador e a Relação Universidade-Escola: Percepções de Professoras de Ciências de uma Escola Pública em Ilhéus-BA. Alexandria- Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 9(1), 3–29.

Strieder, R. B. (2012). Abordagens CTS na Educação Científica no Brasil: sentidos e perspectivas. Tese de doutorado – Universidade de São Paulo, São Paulo-SP, Brasil.

Takahashi, J. A., Martins, P. F. F., & Quadros, A. L. (2008). Questões tecnológicas permeando o ensino de química: o caso dos transgênicos. Química nova na escola, 29, 3–7.

UFBA - Universidade Federal da Bahia. (2012). Acidentes de trabalho devido à intoxicação por agrotóxicos entre trabalhadores da agropecuária 2000–2011. Salvador: Centro Colaborador de Vigilância em Acidentes de Trabalho, Universidade Federal da Bahia.

Veiga, M. M. (2007). Agrotóxicos: eficiência econômica e injustiça socioambiental. Ciência & Saúde Coletiva, 12(1), 145–152.

Linsingen, I. (2007). Perspectiva educacional CTS: aspectos de um campo em consolidação na América Latina. Ciência & Ensino, 1(número especial).

Watson, A. S. G. (2016). O Brasil e as restrições às exportações. Brasília: FUNAG.

Publicado
2019-09-18
Como Citar
Sousa, P. S. de, & Gorri, A. P. (2019). Agrotóxicos no Brasil: Uma Visão Relacional a Partir da Articulação Freire-CTS. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 19, 399-422. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2019u399422
Seção
Artigos