Educação em Ciências na Escola Democrática e as Relações Étnico-Raciais

  • Bárbara Carine Soares Pinheiro UFBA
Palavras-chave: Decolonialidade, Relações Étnico-Raciais, Ensino de Ciências

Resumo

O presente artigo tem como objetivo, a partir de uma revisão bibliográfica nas principais referências da área etnocêntrica e decolonial nas ciências no Brasil apontar caminhos para a educação em ciências naturais, abordando as relações étnico-raciais como eixo norteador. Neste sentido, revisamos a literatura das teorias decoloniais com o intuito de compreender do que se trata o processo de descolonização de saberes, bem como de compreendermos o que nos trouxe até este estágio epistêmico, cosmogônico e global eurocêntrico que reduziu nossas existências e produções intelectuais a um padrão de referência único e universalizado. Para tal, apresentamos produções científicas africanas pré-diaspóricas, bem como cientistas contemporâneos que destoam desses padrões socialmente impostos, visando ampliar a imagética acerca da noção de ciência e pautar a importância de se discutir representatividades diversas nos espaços de poder, dentre eles o de produção acadêmica. Ressalto que a escrita deste texto se dará em afro perspectiva por meio da proposição teórico-metodológica cunhada pela escritora Conceição Evaristo, denominada escrevivência. Por esta razão imprimo nestas palavras o que leio, penso e sinto. Realizo não só formulação e reformulações a partir de outros e outras, como também parto deste meu lugar de mulher negra brasileira nordestina que atua na área de Ensino de Química.

Referências

Benite, Anna, Silva, Juvan, & Alvino, Antônio. (2017). Ferro, Ferreiros e forja: o ensino de química pela lei nº 10.639. Educação em Foco. 735–768.

Carneiro, Sueli. (2005). A Construção do Outro como Não-Ser como fundamento do Ser. 2005. 339f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Cunha, Henrique., Jr. (2010). Tecnologia Africana na Formação Brasileira (1ª ed). Rio de Janeiro, CEAP.

Diop, Cheikh. A. (1983). A origem dos antigos egípcios. In Mokhtar, G. (Org). História Geral da África: A África antiga (pp. 39–70). São Paulo: Ática/ UNESCO.

Dussel, Enrique. (1993). 1492: o encobrimento do outro. A origem do “mito da modernidade”. São Paulo: Vozes.

Fanon, Fanon. (1979). Os Condenados da Terra (2º ed). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Fluzin, Philippe. (2004). The Origins of Iron Metallurgy in Africa New light on its antiquity: West and Central Africa. Paris, UNESCO.

Machado, Carlos, & Loras, Alexandra. (2017). Gênios da humanidade: ciência, tecnologia e inovação africana e afrodescendente. São Paulo: DBA.

Melo, André. (2019). Biodiversidade: narrativas, diálogos e entrelaçamento de saberes da comunidade/escola em um território quilombola do semiárido baiano. 2019. Tese (Doutorado em Ensino, Filosofia e História das Ciências) – Universidade Federal da Bahia/Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador.

Mignolo, Walter. (2004). “Os esplendores e as misérias da “ciência”: colonialidade, geopolítica do conhecimento e pluri-versalidade epistêmica”. In Santos, B. S. (org.). Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre as ciências revisitado (pp. 667–709). São Paulo, Cortez.

Munanga, Kabenguele, & Gomes, Nilma. (2006). O negro no Brasil de hoje. São Paulo: Global.

Nascimento, Elisa. (1996). Introdução às antigas civilizações africanas, In Sankofa: matrizes africanas da Cultura Brasileira, Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Pinheiro, Bárbara, Rosa, Katemari. (2018). Descolonizando saberes: a Lei 10639/2003 no ensino de ciências. São Paulo: Livraria da Física.

Pinheiro, Juliano. (2016) Possibilidades de diálogos sobre questões étnico-raciais em um grupo do PIBID – Química. Tese (Doutorado em Química – UFU). Instituto de Química, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Brasil.

Pinheiro, Juliano, & Silva, Rejane. (2008). Mobilização de Saberes Docentes no processo de produção de Objetos de Aprendizagem que atendem a lei 10.639/03. XIV Encontro Nacional de Ensino de Química (XIV ENEQ). Curitiba/PR.

Pinheiro, Juliano, Henrique, Hélen, & Santos, Ênio. (2010). A (in)visibilidade do negro e da história da África e Cultura Afro-Brasileira em livros didáticos de Química. XV Encontro Nacional de Ensino de Química (XV ENEQ). Brasília (DF), 2010.

Quijano, Anibal. (2005). Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: Lander, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais (pp. 345– 392). Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales – CLACSO.

Quijano, Anibal. (2010). Colonialidade do Poder e Classificação Social. In Santos, B. S., & Meneses, M. P. Epistemologias do Sul (pp. 73–118). São Paulo, Cortez.

Rosa, Katemari. (2016). A (pouca) presença de minorias étnico-raciais e mulheres na construção da ciência. In M. D. Garcia, M. A. Auth, & K. Takahashi. (Org.). Enfrentamentos do Ensino de Física na Sociedade Contemporânea, 1ª ed., (pp. 619–632). São Paulo: Livraria da Física.

Santos, Enio, Rodrigues-Filho, Guimes, & Amauro, Nicea. (2013). Dificuldades na aplicação de materiais didáticos digitais que trabalham assuntos estudados pela Química em conformidade com a Lei no 10.639/03. IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – IX ENPEC Águas de Lindóia (SP).

Santos, João, Rodrigues-Filho, Guimes, & Amauro, Nicea. (2016). A educação de jovens e adultos e a disciplina de química na visão dos envolvidos. Química Nova na Escola. 244–250.

Silva, Elton, Garcia, Fabiano, & Pinheiro, Bárbara. (2018). “Cabelo veio da África junto com os meus santos”: a Química dos cabelos crespos (ou não). XIX Encontro Nacional de Ensino de Química (XIX ENEQ). Rio Branco.

Silva, Henrique, & Pinheiro, Bárbara. (2018). Produções científicas do antigo Egito: um diálogo sobre Química, cerveja, negritude e outras coisas mais. Revista Debates em Ensino de Química. 2–25.

Silva, Juvan, Alvino, Antônio, Santos, Marciano, Santos, Vander, & Benite, Anna. (2017). Tem dendê, tem axé, tem Química: Sobre história e cultura africana e afro-brasileira no ensino de Química. Química Nova na Escola, 19–26.

Silva, Renato. (2013). Isto não é Magia; é Tecnologia: subsídios para o estudo da cultura material e das transferências tecnológicas africanas ‘num’ novo mundo. São Paulo: Ferreavox.

Verrangia, Douglas. (2010). Conhecimentos tradicionais de matriz africana e afro-brasileira no ensino de Ciências: um grande desafio. Revista África e Africanidades.705–718.

Walsh, Catherine. (2008). Interculturalidad, plurinacionalidad y decolonialidad: las insurgencias político-epistémicas de refundar el Estado. Tabula Rosa. 9, 131–152.

Publicado
2019-08-02
Como Citar
Pinheiro, B. C. S. (2019). Educação em Ciências na Escola Democrática e as Relações Étnico-Raciais. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 19, 329-344. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2019u329344
Seção
Artigos