Sistemas de Classificação Intuitiva como Possibilidade para o Ensino de Diversidade Animal no Contexto da Educação do Campo

Palavras-chave: Diversidade animal, Etnobiologia, Escola Família Agrícola

Resumo

O presente artigo apresenta e avalia uma possibilidade para o ensino sobre diversidade animal a partir de uma investigação sobre as classificações intuitivas de estudantes de uma escola de ensino fundamental no contexto do campo. A pesquisa aconteceu em uma Escola Família Agrícola no Semiárido da Bahia, por meio de oficinas das quais participaram 44 estudantes das turmas de 7º e 9º anos do ensino fundamental, no ano de 2017. Pautada nos aspectos metodológicos da pesquisa-ação, os encontros ocorreram em três momentos distintos, nos quais realizou-se um levantamento dos conhecimentos etnobiológicos dos estudantes sobre a fauna, por meio de desenhos e descrições. Os estudantes realizaram classificações intuitivas com os animais citados e, por fim, abriu-se espaço para um possível diálogo de saberes, estimulando os estudantes a perceber semelhanças ou diferenças entre os modos de agrupar os animais, sejam suas classificações intuitivas, seja a classificação filogenética. Os dados obtidos passaram por análise de conteúdo. Os resultados apontam que algumas das categorias utilizadas pelos estudantes para agrupar os animais, como “animais da caatinga”, “animais nojentos”, “animais de produção”, expressam o valor simbólico e cultural que os estudantes apresentam sobre animais que pertencem ou não ao seu ambiente e convívio. A abordagem utilizada na presente pesquisa mostra grande potencial enquanto estratégia que permite a criação de um espaço em que os estudantes possam interagir e participar, promovendo o diálogo entre professor/aluno/conteúdo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diany Kelly Cardoso de Sousa, Universidade Estadual de Feira de Santana

Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Feira de Santana

Alessandra Alexandre Freixo, Universidade Estadual de Feira de Santana

Professora Titular do Departamento de Educação da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS)

Docente do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGE/UEFS)

Referências

Alves, R. R. N., Mendonça, L. E. T., Confessor, M. V. A., Vieira, W. L. S., & Lopez, L. C. S. (2009). Hunting strategies used in the semi-arid region of northeastern Brazil. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, 5(12), 5–12. Recuperado de https://ethnobiomed.biomedcentral.com/articles/10.1186/1746-4269-5-12.

Amorim, D. S. (2008). Paradigmas pré-evolucionistas, espécies ancestrais e o ensino de zoologia e botânica. Ciência & Ambiente, 19(36), 125–150.

Andrade, R. C., Tavares, M. de L., Dumont, E., Silveira Júnior, C. da., & Valadares, J. M. (2014). Classificação biológica: uma experiência pedagógica junto a estudantes de um curso de formação intercultural de educadores indígenas. Revista da SBEnBio. 7, 6392-6402. Recuperado de https://docplayer.com.br/28672877-Classificacao-biologica-uma-experiencia-pedagogica-junto-a-estudantes-de-um-curso-de-formacao-intercultural-de-educadores-indigenas.html.

Baptista. G. C. S. (2010). Importância da demarcação de saberes no ensino de ciências para sociedades tradicionais. Ciência & Educação, 16(3), 679–694. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v16n3/v16n3a12.pdf.

Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo. Edições 70.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm.

Cardoso, L. R., & Araújo, M. I. O. (2012). Currículo de ciências: professores e escolas do campo. Ensaio, 14(2), 121–135, Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/epec/v14n2/1983-2117-epec-14-02-00121.pdf.

Costa, R. G. A. (2008). Os saberes populares da etnociência no ensino das ciências naturais: uma proposta didática para aprendizagem significativa. Revista Didática Sistêmica, 8, 162–172. Recuperado de https://periodicos.furg.br/redsis/article/view/1303.

Costa, L. de O., & Waizbort, R. F. (2013). Concepções de alunos do ensino médio sobre o tema classificação biológica. Revista Investigações em Ensino de Ciências, 18(3), 667–680. Recuperado de: https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/119/83.

Costa Neto, E. M. (2000). The significance of the category ‘insect’ for folk biological classification systems. Journal of Ecological Anthropology, 4, 70–75. Recuperado de http://scholarcommons.usf.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1090&context=jea.

Costa Neto, E. M., & Pacheco, J. M. (2004). A construção do domínio etnozoológico “inseto” pelos moradores do povoado de Pedra Branca, Santa Terezinha, Estado da Bahia. Acta Scientiarum. Biological Sciences, 26(1), 81–90.

Diegues, A. C. S. (2000). Etnoconservação: novos rumos para a conservação da natureza. São Paulo: Hucitec-NUPAUB-USP.

Dunker, C. I. L. (2016). Teoria Psicanalítica do Amor pelos Animais. Diversitas, 4(5), 161–178. Recuperado de https://docplayer.com.br/31784262-Neste-artigo-examino-teoria-psicanalitica-do-amor-pelos-animais-amorosa-entre-humanos-e-animais.html

Ferreira, F. S., Brito, S. V., Ribeiro, S. C., Sales, D. L., & Almeida, W. de O. (2008). A zoologia e a botânica do ensino médio sob uma perspectiva evolutiva: uma alternativa de ensino para o estudo da biodiversidade. Cadernos de Cultura e Ciência, 2(1), 58–66. Recuperado de http://periodicos.urca.br/ojs/index.php/cadernos/article/download/19/19-59-2-PB.

Freire, P. (1992). Pedagogia da Esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Paz e Terra.

Freixo, A. A. (2010). Do Sertão dos Tocós ao Território do Sisal: rumo à invenção de uma região e uma vocação. Geografares, (8), 1–23. Recuperado de https://periodicos.ufes.br/geografares/article/view/1287.

Gimonet, J. (2007). Praticar e compreender a Pedagogia da Alternância dos CEFFAs. Vozes.

Lima, E. de S. (2011). Currículo das escolas do campo: perspectivas de rupturas e inovação. In E. de S. Lima & A. M. da Silva (Orgs.), Diálogos sobre Educação do Campo. EDUFPI.

Mayr, E. (1998). O desenvolvimento do pensamento biológico: diversidade, evolução e herança. UNB.

Novais, E. S. P., Fonseca, K. N., Freitas, A. C. S., & Milli, J. C. (2016). Contribuições dos pressupostos freireanos para a organização curricular de ciências na educação do campo. Revista da SBEnBio, 9, 6040–6051.

Oliveira, D. B. G., Boccardo, L., Souza, M. L., Luz, C. F. da S., Souza, A. L. S., Bitencourt, I. M., & Santos, M. C. dos. (2011). O Ensino de Zoologia numa perspectiva evolutiva: análise de uma ação educativa desenvolvida com uma turma do Ensino Fundamental. In VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (p. 1–12), Campinas, São Paulo: ABRAPEC. Recuperado de: http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R0083-1.pdf.

Oliveira, L. S., & Souza, M. L. (2014). Articulando o ensino de zoologia com a etnozoologia: análise de uma proposta educativa com estudantes do ensino fundamental. Revista da SBEnBio, 7, 5470–5481. Recuperado de http://docplayer.com.br/16249059-Articulando-o-ensino-de-zoologia-com-a-etnozoologia-analise-de-uma-proposta-educativa-com-estudantes-do-ensino-fundamental.html.

Orozco, Y. A. (2017). O ensino da biodiversidade: tendências e desafios nas experiências pedagógicas. Góndola, Enseñ Aprend Cienc., 12(2), 173–185. Recuperado de https://revistas.udistrital.edu.co/index.php/GDLA/article/view/11599/pdf.

Pinto, L. C. L. (2011). Etnozoologia e conservação da biodiversidade em comunidades rurais da Serra do Ouro Branco, Minas Gerais (Dissertação de Mestrado em Ecologia de Biomas Tropicais). Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG. Recuperado de http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/2136.

Posey, D. A. (1986). Etnobiologia: teoria e prática. In D. Ribeiro, D. (Ed.), Suma etnológica brasileira. (pp. 15–25). Vozes. Recuperado de http://etnolinguistica.wdfiles.com/local--files/suma%3Avol1p15-26/S1_0d_Introd_EtnobiologiaTeoriaEPratica_Posey.pdf

Rocha, A. L. F., Duso, L., & Maestrelli, S. R. P. (2013) Contribuições da Filogenética para um ensino crítico da Zoologia. Anais do Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Águas de Lindóia, SP, Brasil, 9. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/ixenpec/atas/resumos/R0299-1.pdf.

Rodrigues, M. E., Justina, L. A. D., & Meglhioratti, F. A. (2011). O Conteúdo de sistemática e filogenética em livros didáticos do ensino médio. Ensaio, 13(2), 65–84. Recuperado de https://seer.ufmg.br/index.php/ensaio/article/view/8567.

Roma, V. N., & Motokane, M. T. (2007). Classificação biológica nos livros didáticos de Biologia do ensino Médio. Anais do Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis, SC, Brasil, 6. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/vienpec/CR2/p878.pdf.

Santos-Fita, D., & Costa Neto, E. M. (2007). As interações entre os seres humanos e os animais: a contribuição da etnozoologia. Biotemas, 20(4), 99–110. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/biotemas/article/view/20624/18800.

Silva, M. S. (2006). Da raiz à flor: produção pedagógica dos movimentos sociais e a escola do campo. In M. C. Molina (Org.) Educação do Campo e Pesquisa: questões para reflexão (pp. 60–93). Ministério do Desenvolvimento Agrário. Recuperado de: http://www.gepec.ufscar.br/publicacoes/livros-e-colecoes/livros-diversos/educacao-do-campo-e-pesquisa-questoes-para.pdf/view.

Silva, H. L. (2008). Educação do Campo e Pedagogia da Alternância: a experiência brasileira. Revista de Ciências da Educação, 5, 105–112.

Silva, M. R. A. (2016). Uso de animais em uma comunidade rural do semiárido brasileiro: um enfoque etnozoológico. (Dissertação de Mestrado em Ecologia e Conservação). Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, PB. Recuperado de http://tede.bc.uepb.edu.br/jspui/handle/tede/2466.

Sousa, D. K. C. de, & Silva, I. T. da. (2017). Bichos e plantas que conhecemos! Trabalhando biodiversidade e classificação. Recuperado de https://www.researchgate.net/publication/333224444_Bichos_e_plantas_que_conhecemos.

Trindade, O. S. N., Silva Júnior, J. C., & Teixeira, P. M. M. (2012). Um estudo das representações sociais de estudantes do ensino médio sobre os insetos. Revista Ensaio, 14(3), 37–50. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/epec/v14n3/1983-2117-epec-14-03-00037.pdf.

Tripp, D. (2005). Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, 31(3), 443–466. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/%0D/ep/v31n3/a09v31n3.pdf.

Torres, R., Rodrigues, G. R., & Barreto, R. M. F. (2015). Etnozoologia como ferramenta na educação ambiental- os saberes populares como informação valiosa para a conservação: vivências na floresta nacional de negreiros, Serrita-PE. Extramuros - Revista de Extensão da Univasf, 3(1), 191–200. Recuperado de: http://periodicos2.univasf.edu.br/index.php/extramuros/article/view/659/379.

Valle, Y. B. B. (2007). Vaqueiros do Sítio do Meio (Lagoa Grande-PE) e Mamíferos nativos da Caatingas Pernambucanas: percepções e interações. (Dissertação de Mestrado em Gestão e Políticas Ambientais). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE. Recuperado de: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6371.

Waizbort, R. F. (2000). Cento e quarenta anos sem Darwin bastam: sobre espécies variedades e definições. Principia, 4(1), 141–184. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/principia/article/view/19478/17832.

Publicado
2020-04-07
Como Citar
Cardoso de Sousa, D. K., & Alexandre Freixo, A. (2020). Sistemas de Classificação Intuitiva como Possibilidade para o Ensino de Diversidade Animal no Contexto da Educação do Campo. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 20(u), 193-220. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2020u193220
Seção
Artigos