Bioética e Educação: Concepção da Terminologia Bem- Estar-Animal por Estudantes do Ensino Básico

Palavras-chave: Bioética ambiental, biofilia, educação ambiental, educação moral, interação homem/natureza.

Resumo

O rápido avanço tecnológico e cultural da humanidade tem resultado em sérios impactos ambientais, demandando novos paradigmas norteadores da sua relação com a natureza, principalmente, com os animais mantidos cativos por funções justificadas e para as quais não haja alternativas. Dessa forma, questionou-se como o termo bem-estar-animal tem sido disseminado nas mídias digitais, bem como a sua concepção por estudantes do ensino básico. Para tal, além da categorização do conteúdo divulgado em diferentes veículos da internet, foi realizada uma ação com estudantes do ensino fundamental e médio de escolas da rede pública e privada, envolvendo construção coletiva de conceitos, projeção de documentário e produção de material artístico e literário. Os resultados revelaram que a disseminação da terminologia bem-estar-animal ainda está associada a uma visão antropocêntrica e utilitarista, cuja maior ou menor valoração vinculase à representatividade e funcionalidade de determinados animais. A concepção dos estudantes refletiu o senso comum revelando a necessidade de apropriação do acesso às fontes de informação pela educação a fim de habilitá-los para apreender e processar o conteúdo. Assim, discute-se a importância de se pesquisar, aplicar e validar metodologias que associem a educação à bioética ambiental. Através da aplicação dessa ferramenta inovadora, busca-se promover a educação moral por meio da condução do estudante à compreensão da importância de saber ouvir, sem julgamentos, os argumentos dos todos os atores envolvidos em questões complexas. Desta maneira, podem ser pautadas em valores éticos globais e, por meio de atitudes reflexivas, críticas e responsáveis, ele possa desenvolver autonomia e espírito cooperativo para encontrar soluções consensuais e justas para as sociedades, para os animais, para a natureza, desta e de futuras gerações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marta Luciane Fischer, Pontifícia Universidade Católica do Paraná
Professor Doutor titular do departamento de ciências Biológicas da PUCPR. Professora dos cursos de Ciências Biológicas e Psicologia da PUCPR e do Mestrado em Bioética da PUCPR. Líder do grupo de pesquisa Etologia. Editor-Chefe da Revista Estudos de Biologia: ambiente e diversidade. Coordenador do comitê de ética no uso de animais da PUCPR. 
Ana Laura Diniz Furlan, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Licenciada em Ciências Biológicas pela PUCPR

Mestranda do Programa de pós-Graduação em Bioética - PUCPR

Professora do ensino Básico

Referências

Ammann, M. (2012). Facebook, eu curto: uma análise mimética das redes sociais digitais. Mestrado em Educação Dissertação, Universidade de Brasília, Brasília.
Araujo, E. S. N. N., Tizioto, P. C., Caluzi, J. J., Batisteti, C. B., & Andrade, A. M. C. (2010). Bioética e ensino: o que pensam os alunos do ensino médio sobre as pesquisas com células tronco embrionárias? São Paulo: Editora UNESP.
Araújo, M. C. M. U. (2009). Potencialidades do uso do blog em educação. Mestrado em Educação Dissertação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal. Recuperado de http://bdtd.bczm.ufrn.br/tde_arquivos/9/TDE-2010-04-27T013000Z-2558/Publico/MicheleCMUA.pdf
Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo (3ª ed. Vol. 70). Lisboa: Edições.
Barzano, M. A. L. (2009). Uma ONG e suas práticas pedagógicas: uma contribuição para a educação não-formal. Revista entreideias: educação, cultura e sociedade, 14(15).
Bauman, Z. (2004). Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Zahar.
Bévort, E., & Belloni, M. L. (2009). Mídia-educação: conceitos, história e perspectivas. Educação e Sociedade, 30(109), 1081-1102.
Biaggio, Â. M. B., Vargas, G. D. O., Monteiro, J. K., Souza, L. K. D., & Tesche, S. L. (1999). Promoção de atitudes ambientais favoráveis através de debates de dilemas ecológicos. Estudos de Psicologia, 4(2), 221–238.
Brasil, L. d. M. P., Fisberg, M., & Maranhão, H. d. S. (2007). Excesso de peso de escolares em região do Nordeste Brasileiro: contraste entre as redes de ensino pública e privada. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 7(4), 405–412.
Broom, D. M., & Fraser, A. F. (2010). Comportamento e bem-estar de animais domésticos. (4 ed.): Manole.
Capilé, K. V., Lima, M. C., & Fischer, M. L. (2014). Bioética ambiental: Refletindo o uso de fogos de artifício e suas consequências para a fauna. Revista Bioetikos, 8(4), 406–412.
Chervinski, R. A. (2012). A utilização de mídias sociais como complemento para ações de marketing: análise do caso ford e facebook. Revista Advérbio, 6(12).
Ciampi, M. (2005). O papel das ONGs de proteção animal e perspectivas para o controle da Leishmaniose Visceral. In Informe final de la Reunión de Expertos OPS/OMS sobre Leishmaniasis Visceral en las Américas (pp. 118–120). Rio de Janeiro: Panaftora.
Colombo, S. R. (2014). A Educação Ambiental como instrumento na formação da cidadania. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 14(2), 67–75.
Dal-Farra, R. A. (2003). Representações de animais de companhia na cultura contemporânea: Uma análise na mídia impressa. Semiosfera, 3(7).
Fisher, M. L (2013). Utilização do blog como ferramenta didática no Ensino superior. Anais XI Congresso Nacional de Educação- EDUCERE.
Fischer, M. L., Caires, L. B., & Colley, E. (2015). Análise das informações veiculadas nas mídias digitais sobre o Caramujo Gigante Africano Achatina fulica. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 15(1).
Fischer, M. L., & Tamioso, P. R. (2013). Perception and position of animals used in education and experimentation by students and teachers of different academic fields. Estudos de Biologia: ambiente e diversidade, 35(84), 85–98.
Fischer, M. L., Renk, V., Rodrigues, G., & Bordini, A. S. J. (2014). Interfaces entre a Bioética Ambiental e o Ecoturismo. Bioetikos, 8(4), 413-421.
Fraga, R. F., & Borges, R. M. R. (2010). Bioética com animais: uma proposta para a educação de jovens e adultos no ensino médio. Experiências em Ensino de Ciências 5(1), 77–87.
Fraga-da-Silva, P., & Krasilchik, M. (2013). Bioética e ensino de Ciências: o tratamento de temas controversos—dificuldades apresentadas por futuros professores de Ciências e Biologia. Revista Ciência e Educação, 19(2).
Francione, G. L. (2013). Introdução aos direitos animais: seu filho ou o cachorro. Campinas: Editora Unicamp.
Gohn, M. G. (2009). Educação Não-Formal e o Papel do Educador(a) Social. Revista Meta: Avaliação, 1(1), 28–43.
Grandin, T., & Johnson, C. (2010). O bem estar dos animais: proposta de uma vida melhor para todos os bichos. Rio de Janeiro: ROCCO.
Harrison, R. (1964). Animal Machines. London: Stuart.
Herculano, S. C. (2000). ONGs e movimentos sociais: a questão de novos sujeitos políticos para a sustentabilidade. In UFF (Ed.), Meio ambiente: questões conceituais (pp. 123–155). Niterói.
IBGE, & ABINPET (2013 ). População de animais de estimação no Brasil-2013-Em milhões. Recuperado de http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/file/camaras_tematicas/Insumos_agropecuarios/79RO/IBGE_PAEB.pdf.
Lei nº 11.794, de 8 de outubro de 2008. (2008) Procedimentos para o uso científico de animais.
Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. (1998) Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências.
Levai, L. F. (2014). Crueldade consentida–crítica à razão antropocêntrica. Revista Brasileira de Direito Animal, 1(1).
Mantovani, A. M. (2006). Blogs na Educação: construindo novos espaços de autoria na prática pedagógica. Revista Prisma, 1(3).
Menezes-Filho, N. A. (2007). Os determinantes do desempenho escolar do Brasil. São Paulo: Instituto Futuro Brasil/ IBMEC.
Ministério da Saúde. Plano Nacional de saúde-PNS 2012-2015: Série B. Textos básicos de Saúde. (2011). (1 ed. Vol. 1). Brasília: Ministério da Saúde.
Moran, J. M. (1997). Como utilizar a Internet na educação. Ciência da informação, 26(2).
Patrício, M. R., & Gonçalves, V. (2010). Facebook: rede social educativa? In I Encontro Internacional TIC e Educação. Lisboa: Universidade de Lisboa, Instituto de Educação. p. 593-598. ISBN 978-989-96999-1-5
Ministério da Educação (1997). PCN - Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (PCNEM) Brasília: Recuperado de http://portal.mec.gov.br/programa-nacional-biblioteca-da-escola/195-secretarias-112877938/seb-educacao-basica-2007048997/12598-publicacoes-sp-265002211.
Regan, T. (1983). The case for animal rights. Berkeley/LA: University of California Press.
Ressel, L. B., Beck, C. L. C., Gualda, D. M. R., Hoffmann, I. C., Sehnem, G. D., & Silva, R. M. D. (2008). O uso do grupo focal em pesquisa qualitativa. Texto & Contexto Enfermagem, 17(4), 779.
Robis, M., & Nassaro, F. (2013). Maus tratos aos animais e violência contra as pessoas: aplicação da Teoria do link nas ocorrências da Polícia Militar Paulista. São Paulo: Edição do autor.
Russo, K. (2013). Parceria entre ONGs e escolas públicas: alguns dados para reflexão. Cadernos de Pesquisa, 43(149), 614–641.
De Sá, J. B., & Moraes, H. J. P. (2011). Mídia e Educação: reflexões, relatos e atuações. Revista Querubim, 2(1), 19.
Sabbatini, M. (2001). Qualidade da informação nas publicações científicas electrônicas na Internet: desafios e propostas. Teoría de la Educación: Educación y Cultura en la Sociedad de la Información, 1(2), 8.
Santana, L. R., Macgregor, E., Souza, M. F. D. A. E., & Oliveira, T. P. (2004). Posse responsável e dignidade dos animais. Anais do 8º Congresso Internacional em Direito Ambiental, 8(1), 533–552.
Sax, B. (2001). The Mythical Zoo: an encyclopedia of animals in world myth, legend, and literature: ABC-CLIO.
Singer, P. (2000). Libertação Animal. Rio de Janeiro: Ediouro.
Sodré, L. G. P., Reis, I. T., & Guttin, J. (2007). Análise dos elementos da natureza nos desenhos livres de crianças da Educação Infantil. Trabalho apresentado no VI Congresso Internacional de Educação, Concórdia Santa Catarina.
Tomaél, M. I., Alcará, A. R., & Di Chiara, I. G. (2005). Das redes sociais à inovação. Ciência da informação, 34(2), 93–104.
Vieira, A. C. S. B., Silva, D. K. R., Dolino, M. S. F., Silva, T. F., & Silva, V. F. (2011). Tecnologia na educação: O uso de software na abordagem da educação ambiental. Monografia, Universidade de Minas Gerais, Belo Horizonte.
Vygotsky, L. S. (2001). Psicologia da arte. São Paulo: Martins Fontes.
Wilson, E. O. (1984). Biophilia: Harvard University Press.
Animais, Seres Sencientes. (2011). Brasil: WSPA. Recuperado de http://www.youtube.com/watch?v=JJN6deox0hk.
Publicado
2017-08-31
Como Citar
Fischer, M. L., & Furlan, A. L. D. (2017). Bioética e Educação: Concepção da Terminologia Bem- Estar-Animal por Estudantes do Ensino Básico. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 17(2), 399-422. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2017172399
Seção
Artigos