Características da Formação de Professores de Ciências Naturais

Palavras-chave: Ciências Naturais, Formação de professores, Perfil docente.

Resumo

Este texto discute a formação de professores para a disciplina de Ciências Naturais nos anos finais do ensino fundamental. Priorizamos investigar a discussão da categoria interdisciplinaridade socializada como fundamental para a integração curricular que fundamenta essa disciplina. Nossa proposta é analisar se tal categoria tem subsidiado a formação de docentes. De nossa perspectiva, a ausência de Diretrizes Curriculares Nacionais e as dificuldades que permeiam a oferta desse curso podem indicar uma desvalorização dessa Licenciatura ao passo que, nesse mesmo contexto, encontramos as Diretrizes Curriculares para cursos específicos como Física, Química e Biologia. Elas compõem a área de Ciências e habilitam os docentes para a atuação na disciplina de Ciências do ensino fundamental. Consideramos a necessidade de uma formação docente que atenda às características de um perfil de profissional adequado aos propósitos de ensino dessa disciplina no ensino fundamental. Pautamo-nos na legislação do ensino de Ciências Naturais e da formação de professores para a educação básica. Estudamos propostas de Licenciatura em Ciências Naturais e de Ciências Biológicas de três universidades: a Universidade Estadual de Maringá (UEM); a Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) e a Universidade de São Paulo (USP). Além disso, utilizamos fontes orais, nomeadamente entrevistas a professores experientes na atuação das disciplinas que compõem essa área. A discussão dos dados levantados é orientada pela análise dos propósitos teóricos apontados pelo “ciclo de políticas” e também pela abordagem que valoriza as diferentes variáveis envolvidas no processo educacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Estela Gozzi, Universidade Estadual de Maringá
Professora Doutora em Ensino de Ciências e Matemática. Atua nas disciplinas pedagógicas da Licenciatura em Ciências. Professora do Departamento de Ciências da UEM- Campus de Goioerê- Paraná
Maria Aparecida Rodrigues, Universidade Estadual de maringá

Professora Doutora em ensino de Química.

Atua no mestrado e doutorado do Programa de Pós-graduação do Ensino para a Ciências e a matemática.

Área de Ensino

Referências

Aires, J. A. (2011, janeiro/abril). Integração curricular e interdisciplinaridade: sinônimos? Educação e Realidade. Porto Alegre, 36 (1), 215–230.
Ayres, A. C. M., Lima-Tavares, D. L., Ferreira, M. S., & Selles, S. E. (2008). Disciplina escolar ciências e formação de professores: aproximações sócio-históricas nas licenciaturas de curta duração. In: Encontro nacional de didática e prática de ensino, 14, Anais... (p.1–20). Porto Alegre, RS.
Ball, S. J. (2001a). Cidadania global, consumo e política educacional. In: L. H. da Silva, (Org.), A escola cidadã no contexto da globalização. Petrópolis, RJ: Vozes.
Ball, S. J. (2001b, julho/dezembro). Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em educação. Currículo sem Fronteiras, 1(2), 99–116.
Bianchetti, L., & Jantsch, A. P. (2002, julho). Interdisciplinaridade e práxis pedagógica: tópicos para discussão sobre possibilidades, limites, tendências e alguns elementos históricos conceituais. Ensino e Re-vista, 10 (1), 7–25.
Carvalho, M. A. B. (2001). A concepção de ciências representada na prática pedagógica do professor licenciado para ensinar ciências. (Dissertação de mestrado), Maringá, PR.
Chassot, A. I. (1990). A Educação no Ensino de Química. Ijuí, RS: Unijuí.
Chassot, A. I. (1998). Inserindo a história da ciência no fazer educação com a ciência. In: A. I. Chassot & J. R. Oliveira. Ciência, ética e cultura na educação. São Leopoldo, RS: Unissinos.
Fazenda, I. C. A. (2002). Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia? São Paulo, SP: Loyola.
Fracalanza, H., Amaral, I. A., & Gouveia, M. S. F. (1986). O ensino de ciências no primeiro grau. São Paulo, SP: Atual.
Freire, P., & Shor, I. (1986). Medo e ousadia: o cotidiano do professor. Trad. Adriana Lopez. Revisão Técnica de Lólio Lourenço de Oliveira, Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.
Gozzi, M. E. (2016). A formação de professores para as ciências naturais dos anos finais do ensino fundamental. (Tese de doutorado). Programa de Pós-graduação em Educação para a Ciência e a Matemática, Maringá, PR.
Imbernon, R. A. L., Guimarães, E. M., Galvão, R. de M. S., Lima, A. C. de, Santiago, L. F., & Jannuzzi, C. M. L. (2011). Um panorama dos cursos de licenciatura em ciências naturais (LCN) no Brasil a partir do 2º seminário brasileiro de integração de cursos de LCN/2010. Experiências em Ensino de Ciências, 6 (1).
Japiassu, H. (1976). Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro, RJ: Imago.
Lopes, A. C. (2004). Políticas de currículo: mediação por grupos disciplinares de ensino de ciências e matemática. In: A. C. Lopes, & E. Macedo (Orgs.), Currículo de ciências em debate. Campinas, SP: Papirus.
Lei nº 9.394 (1996). Lei de Diretrizes e bases da educação nacional. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996.
Lopes, A. C. (2008). Políticas de integração curricular. Rio de janeiro, RJ: EdUERJ.
Magalhães Júnior, C. A. de O, & Pietrocola, M. (2010, julho). Análise de propostas para a formação de professores de ciências do ensino fundamental. Alexadria Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 3 (2), 31–58.
Parecer CNE/CES N. 67/2003. (2003) Referencial para as diretrizes curriculares nacionais, 2003. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES0067.pdf.
Parecer CNE/CP 2 de 2015. (2015). Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica. Ministério da Educação. Aprovado em: 9/6/2015. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17625-parecer-cne-cp-2-2015-aprovado-9-junho-2015&category_slug=junho-2015-pdf&Itemid=30192.
Parecer CEE/CES Nº 190/10, Processo Nº 1157/10: Renovação do Reconhecimento do Curso de Graduação em Ciências – Licenciatura – Campus de Goioerê, PR.
Popkewitz, T. S. (1992). Cultura, pedagogia e poder. Teoria e Educação, 5.
Popkewitz, T. S. (1997). Reforma educacional: uma política sociológica – poder e conhecimento em educação. Porto Alegre, RS: Artes Médica.
Santomé, J. T. (1998). Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Porto Alegre, RS: Editora Artes Médicas Sul Ltda.
Resolução CNE/CP 1, de 18 de Fevereiro de 2002 (2002). Ministério da Educação. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/res1_2.pdf.
Resolução CNE/CEB 4 de 13 de julho de 2010. (2010) Ministério da Educação. Recuperado de http://www.seduc.ro.gov.br/portal/legislacao/RESCNE004_2010.pdf.
Resolução n. 2, DE 1. De julho de 2015. (2015). Ministério da Educação. Recuperado de http://www.abmes.org.br/legislacoes/visualizar/id/1750.
Secretaria de Educação Fundamental. (1998) Parâmetros curriculares nacionais : Ciências Naturais. Brasília: MEC / SEF. 138 p.
UEM, Projeto Pedagógico – Curso: Licenciatura plena em Ciências. (2009). UEM, CCE. DCI, Goioerê, PR. Recuperado de http://www.crg.uem.br/cms/index.php?option=com_content&view=article&id=74&Itemid=76.
UEM, Projeto Pedagógico – Curso Ciências Biológicas. (2010). UEM, CCB, Maringá, PR. Recuperado de http://old.dbi.uem.br/curso_biologia/res04410.pdf.
UNIRIO, Projeto Pedagógico - Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza. (2009). Centro de Ciências Biológicas e da Saúde – Instituto de Biociências, Rio de Janeiro, RJ. Recuperado de http://www2.unirio.br/unirio/ccbs/ibio/PPCNatureza.pdf.
UNIRIO, Projeto Pedagógico - Curso Noturno de Licenciatura em Biologia. (2010). Centro de Ciências Biológicas e da Saúde – Instituto de Biociências, Rio de Janeiro, RJ. Recuperado de http://www2.unirio.br/unirio/ccbs/ibio/ProjetoPedaggicoBiologiaNOVO.pdf
USP, Projeto Político Pedagógico – Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza. (2013). Escola de Artes, Ciências e Humanidades, São Paulo, SP.
USP, Projeto Pedagógico (Reformulado) – Curso de Ciências Biológicas. (2015). Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, SP. Departamento de Biologia, 71–89. Recuperado de file:///C:/Users/Administrador/Downloads/PROJETO%20PEDAGOGICO%20CIENCIAS%20BIOLOGICAS%202015%20(1).pdf.
Veiga-Neto, A. (2010, novembro). Tensões disciplinares e ensino médio. In: I Seminário nacional: Currículo em movimento – Perspectivas atuais, Anais... Belo Horizonte, MG.
Wortmann, M. L. C. (2003). Currículo e ciências – as especificidades pedagógicas do ensino de ciências. In: M. V. Costa (Org.). O currículo nos limiares do contemporâneo. 3. ed. Rio de Janeiro, RJ: DP&A.
Publicado
2017-08-31
Como Citar
Gozzi, M. E., & Rodrigues, M. A. (2017). Características da Formação de Professores de Ciências Naturais. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 17(2), 423-449. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2017172423
Seção
Artigos