Os sentidos assumidos pelo colegiado do curso de Odontologia como instância participativa a partir da experiência de uma nova proposta curricular

Palavras-chave: Currículo, Docentes de Odontologia, Ensino

Resumo

Este trabalho apresentou a experiência de construção e de planejamento da implementação do novo currículo de Graduação em Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais e descreveu o papel do Colegiado de Curso como dinamizador da participação dos docentes nas questões relativas ao ensino. O relato foi construído a partir dos registros, documentos e observações realizados pelas comissões do Colegiado. Descreveu-se a trajetória de construção do novo currículo, sua proposta e o contexto de mobilização dos docentes. O relato aponta a incorporação de instâncias consultivas com participação dos docentes; institucionalização de espaços coletivos de formação com apoio e articulação interinstitucional da Faculdade e da Universidade; ações de articulação interinstitucional e de institucionalização das  condições para o trabalho docente. A gestão desses processos e parcerias tem levado o Colegiado a legitimar suas ações na Faculdade de Odontologia, constituindo-se um espaço representativo e responsável pela garantia da qualidade do ensino de graduação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nair Aparecida Rodrigues Pires, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Doutora em Educação (2015) pela Universidade Federal de Minas Gerais, com período sanduíche na Universidade de Lisboa (Portugal), como bolsista Capes do PDSE e Capes Reuni. Mestre em Educação (2003), Especialista em Educação Musical (1997) e Bacharel em Música - Piano (1988) pela Universidade Federal de Minas Gerais. 

Maria Inês Barreiros Senna, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Possui graduação em Odontologia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (1986); Mestrado em Saúde Pública, área de concentração Epidemiologia, pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (2000) e Doutorado em Educação (2010), área de concentração Políticas Públicas de Educação, pela Faculdade de Educação da UFMG. É professora associado da Faculdade de Odontologia da UFMG com experiência em saúde pública, epidemiologia, integração ensino-serviço e educação na saúde. Tem interesse em docência universitária e desenvolvimento curricular no ensino de graduação e avaliação de políticas e programas de saúde e educação superior.

Maria José Batista Pinto, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Professora Adjunta-A da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais. Doutora em Educação pela FaE-UFMG (2014) no Programa de doutorado Latino Americano: políticas públicas e profissão docente. Mestre em Educação (2006) e graduada em Pedagogia (2001) pela FaE-UFMG, especialista em Educação a Distância pelo SENAC-MG(2009).

Bianca Rückert, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, BA, Brasil.

Professora Adjunta do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Vice-Coordenadora do Colegiado do Bacharelado Interdisciplinar de Saúde Diurno. Farmacêutica, Especialista em Democracia Participativa, Mestre em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Doutora em Saúde Coletiva pelo Instituto René Rachou da Fundação Oswaldo Cruz (IRR-Fiocruz). Atua desde 2006 em processos educativos, com enfoque em práticas de cuidado, promoção da saúde e formação docente. 

Raquel Conceição Ferreira, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Possui graduação em Odontologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1998), mestrado (2001) e doutorado (2007) em Odontologia, área de concentração Clínica Odontológica pela Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais. É professora adjunta no Departamento de Odontologia Social e Preventiva da Faculdade de Odontologia da UFMG (2012/atual).

Referências

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 5.540, de 28 de novembro de 1968. Fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média, e dá outras providências. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5540.htm. Acesso em 22 out. 2012.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em 22 out. 2012.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei n 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br /ccivil/ LEIS/l9394.htm>. Acesso em: 22 out. 2012.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES 3, de 19 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES032002.pdf.> Acesso em 22 out. 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior. Parecer CONAES n °4 ,de 17 de junho de 2010, sobre o Núcleo Docente Estruturante - NDE. Disponível em: portal.mec.gov.br/index.php?Itemid=&gid=6884&option. Acesso em 22 out. 2012

GONÇALVES, M. E. R. Colegiado de curso: papéis e funções reais. Dissertação (Mestrado em Administração). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 1984.

PEIXOTO, M. C. L. Relações de Poder na Universidade Pública Brasileira. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 78, n. 188-190, p. 195-215. jan/dez. 1997.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão. Resolução complementar n0 1, de 10 de dezembro de 1998. Complementa as Normas Gerais de Ensino de Graduação da UFMG, permitindo o início da implantação do processo de flexibilização dos currículos de Graduação. Boletim Informativo da UFMG, Belo Horizonte, n. 1219, p. 108-13, fev. 1999.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Conselho Universitário. Resolução nº 4/99, de 4 de março de 1999. Aprova o novo Estatuto da Universidade Federal de Minas Gerais. Disponível em: . Acesso em 22 out. 2012.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Diretrizes para os Currículos de Graduação da UFMG. Boletim UFMG, n. 1317, Encarte 2001.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Faculdade de Odontologia. Colegiado de Graduação do Curso de Odontologia. Projeto Pedagógico do Curso de Graduação. 2002, 60p.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Faculdade de Odontologia. Mudança Curricular do Curso de Odontologia da UFMG. Belo Horizonte, 2011. 92p.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão Resolução nº 15/2011, de 31 de maio de 2011. Cria o Núcleo Docente Estruturante-NDE dos Cursos de Graduação da UFMG. Disponível em: . Acesso em 22 out. 2012.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Faculdade de Odontologia. Portaria da Diretoria, n. 20 A, de 03 de abril de 2012. SENNA, M. I. B.; SEPULCRO JR., J. M. Currículo em Ação - Odonto UFMG. Belo Horizonte, 9 out. 2012. Disponível em http://curriculoemacaodonto.blogspot.com.br.

Publicado
2013-10-15
Como Citar
PIRES, N. A. R.; SENNA, M. I. B.; PINTO, M. J. B.; RückertB.; FERREIRA, R. C. Os sentidos assumidos pelo colegiado do curso de Odontologia como instância participativa a partir da experiência de uma nova proposta curricular. Revista Docência do Ensino Superior, v. 3, p. 31-46, 15 out. 2013.
Edição
Seção
Artigos