Reflexões sobre a saúde docente no contexto de mercantilização do ensino superior

Palavras-chave: Saúde, Docente, Ensino superior, Mercantilização

Resumo

As modificações sociopolíticas e econômicas intensificadas a partir da década de 1990 produziram diversas mudanças no âmbito do trabalho docente. O modelo de organização passou a exigir maior produtividade e qualificação profissional cada vez mais especializada, com base na acentuação do trabalho, provocando, assim, o surgimento de novas atribuições, as quais vêm repercutido negativamente na saúde desses profissionais. Nesse cenário, os docentes passam a conviver com um ambiente precarizado, regido pela lógica empresarial, levando a situações de sobrecarga, de estresse e de competição, além de fragilizar as relações interpessoais e dificultar o uso adequado do tempo livre, aspectos esses que comprometem a qualidade de vida dos docentes. Nesse contexto, e entendendo que a forma como as condições de trabalho são estruturadas desempenha papel crucial no processo saúde-doença ocupacional, o presente ensaio teórico tem como finalidade problematizar o processo de mercantilização nas universidades brasileiras e os efeitos desse processo na saúde docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Alberto Santos e Santos, Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS)

Mestrando em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Possui graduação em Psicologia pela Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC). Especialista em Saúde Mental com Ênfase em Dependência Química. Pesquisador integrante do Núcleo de Epidemiologia (NEPI-UEFS).

Caroline Almeida de Azevedo, Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS)

Mestranda em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS); especialista em Psicologia do Trânsito (UNIP); graduada em Psicologia pela Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC), Feira de Santana – Bahia, Brasil; pesquisadora integrante do Núcleo de Epidemiologia (NEPI-UEFS).

Tânia Maria de Araújo, Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS)

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais, mestrado em Saúde Comunitária pela Universidade Federal da Bahia, doutorado em Saúde Pública pela Universidade Federal da Bahia e pós-doutorado na University of Massachusetts. Professora titular da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS).

Jorgana Fernanda de Souza Soares, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Bacharel, licenciada (licenciatura plena) e mestre em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Doutora em Saúde Pública com área de concentração em Epidemiologia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professora adjunta no Departamento de Medicina Preventiva e Social da Faculdade de Medicina da Bahia – Universidade Federal da Bahia e colaboradora do Programa de PósGraduação em Saúde Coletiva da Universidade Estadual de Feira de Santana.

Referências

ANDES, S. N. As novas faces da reforma universitária do governo Lula e os impactos do PDE sobre a educação superior. Cadernos ANDES, Brasília: ANDES, n. 25, p. 1-41, ago. 2007.

ALVES, G. Dimensões da reestruturação produtiva: ensaios de sociologia do trabalho. 2. ed. Londrina: Praxis; Bauru: Canal 6, 2007.

ARAÚJO, T. M.; CARVALHO, F. M. Condições de trabalho docente e saúde na Bahia: estudos epidemiológicos. Educação & Sociedade, 2009, v. 30, p. 427-449, 2009.

ARAÚJO, T. M. et al. Mal-estar docente: avaliação de condições de trabalho e saúde em uma instituição de ensino superior. Rev. baiana saúde pública, v. 29, n. 1, p. 6-21, 2005.

ARAÚJO, T. M.; GRAÇA, C. C.; ARAÚJO, E. Occupational stress and health: contributions of the Demand-Control Model. Ciência & Saúde Coletiva, v. 8, n. 4, p. 991-1.003, 2003.

ASSUNÇÃO, A. Á.; OLIVEIRA, D. A. Intensificação do trabalho e saúde dos professores. Educação & Sociedade, v. 30, n. 107, p. 349-372, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Análise sobre a expansão das universidades federais 2003 a 2012. Relatório da Comissão Constituída pela Portaria nº 126/2012. Brasília, 2012. Disponível em: <http://www.anped11.uerj.br/2013-analise_expansao_universidade_federais_2003_2012.pdf>. Acesso em: 12 mar. 2016.

BORSOI, I. C. F. Trabalho e produtivismo: saúde e modo de vida de docentes de instituições públicas de ensino superior. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, v. 15, n. 1, p. 81-100, 2012.

BOSI, A. de P. The precarization of the teaching work in higher education institutions in Brazil over the last 25 years. Educação & Sociedade, v. 28, n. 101, p. 1.503-1.523, 2007.

CAIAFA, J. Nosso século XXI: notas sobre arte, técnica e poderes. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000.

CAMPOS, M. B. L.; LOPES, R. H. B.; FREITAS, C. M. S. O professor universitário: um estudo sobre atividade acadêmica e tempo livre. Rev. Universidade e Sociedade, v. 14, n. 34, p. 67-74, 2004.

CARLOTTO, M. S.; CÂMARA, S. G. Predictors of Burnout Syndrome in teachers. Psicologia Escolar e Educacional, v. 11, n. 1, p. 101-110, 2007.

CHAUÍ, M. DE S. Escritos sobre a universidade. São Paulo, SP: Editora UNESP, 2001.

CODO, W. (Org.). Educação: carinho e trabalho. Petrópolis, RJ: Vozes; Brasília: Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação: UnB, Psicologia Trabalho, 1999.

COUTINHO, M. C.; MAGRO, M. L. P. D.; BUDDE, C. Entre o prazer e o sofrimento: um estudo sobre os sentidos do trabalho para professores universitários. Revista Psicologia - Teoria e Prática, v. 13, n. 2, 2011. Disponível em: <http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/article/view/3031>. Acesso em: 18 jan. 2016.

DRUCK, G.; FRANCO, T. O trabalho e precarização social – Trabalho, precarização e resistências: novos e velhos desafios. Caderno CRH, v. 24, número especial, p. 9-13, 2011.

FREITAS, C. R.; CRUZ, R. M. A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável. In: XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 2008. Anais..Rio de Janeiro: ABEPRO, 2008.

JUNHO, Y. E. B. DE P. O tempo nosso de cada dia roubado. EBR – Empresa Brasil de Revistas Ltda, São Paulo, SP, 2015.

LAGO, R. R. et al. Perception of the teaching profession at a university in northern Brazil. Trabalho, Educação e Saúde, v. 13, n. 2, p. 429-450, 2015.

LEMOS, D. Teaching jobs in federal universities: tensions and contradictions. Caderno CRH, v. 24, número especial, p. 105-120, 2011.

LIM, M. de F. E. M.; LIMA-FILHO, D. de O. Condições de trabalho e saúde do/a professor/a universitário/a. Ciências & Cognição, v. 14, n. 3, p. 62-82, 2009.

LOPES, M. C. R. “Universidade produtiva” e trabalho docente flexibilizado. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v. 6, n. 1, p. 35-48, 2006.

LUXEMBURG, R. The accumulation of capital. London and New York: Routledge, 2003.

MANCEBO, D. Professor’s work: subjectivity, “superimplication” and pleasure. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 20, n. 1, p. 74-80, 2007.

MANCEBO, D.; LOPES, M. C. R. Trabalho docente: Compressão temporal, flexibilidade e prazer? Rev. de Educação Pública, v. 13, n. 24, p. 138-152, 2004.

MANCEBO, D.; MAUÉS, O.; CHAVES, V. L. J. Crise e reforma do Estado e da Universidade Brasileira: implicações para o trabalho docente. Rev. Educar, n. 28, p. 37-53, 2006.

MASCARENHAS, M. S. Transtornos mentais comuns entre docentes do departamento de saúde da Universidade Estadual de Feira de Santana. 2010. Monografia (Graduação em Enfermagem) – Departamento de Saúde, Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, Bahia, 2010.

NECKEL, F.; FERRETO, L. E. Avaliação do ambiente de trabalho dos docentes da Unioeste campus de Francisco Beltrão. Revista Faz Ciência, v. 8, n. 1, p. 183-204, 2006.

OLIVEIRA, D. A. Restructuring the teaching profession: precarization and flexibilization. Educação & Sociedade, v. 25, n. 89, p. 1.127-1.144, 2004.

PINA, J. A. et al. Work intensification and workers’ health: a theoretical approach. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 39, n. 130, p. 150-160, 2014.

PIRES, V. Ensino superior e neoliberalismo no Brasil: um difícil combate. Educação & Sociedade, v. 25, n. 86, p. 263-268, abr. 2004.

SILVANY-NETO, A. M. et al. Condições de trabalho e saúde dos professores da rede particular de ensino de Salvador. Rev. Baiana de Saúde Pública, n. 56, p. 20-31, 2000.

SILVA, S. P. da. O aprofundamento da reforma do estado e o redirecionamento do ensino superior. Rev. Universidade e Sociedade, n. 56, p. 20-31, 2015.

WERNICK, R. Condições de saúde e trabalho dos docentes da Universidade Federal da Bahia, Salvador-BA. 2000. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – Instituto de Saúde Coletiva, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia, 2000.

Publicado
2016-05-23
Como Citar
SANTOS, D. A. S. E; AZEVEDO, C. A. DE; ARAÚJO, T. M. DE; SOARES, J. F. DE S. Reflexões sobre a saúde docente no contexto de mercantilização do ensino superior. Revista Docência do Ensino Superior, v. 6, n. 1, p. 159-186, 23 maio 2016.
Seção
Artigos

Most read articles by the same author(s)