Quem tu és? Eu? Um professor universitário!

Autores

  • Terezinha Corrêa Lindino Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), campus Toledo, PR, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2016.2178

Palavras-chave:

Ensino superior, Profissionalização, Qualificação docente

Resumo

Ao se desenvolver uma reflexão sobre a docência no ensino superior no Brasil, por meio da análise dos analogismos existentes entre as políticas educacionais e as diretrizes do Banco Mundial, a partir das diretrizes elaboradas pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Ensino Superior (CAPES) para esse nível de ensino, pretende-se confrontar o entendimento sobre profissionalização do professor universitário, identificando-se as características atribuídas a esse profissional e discutindo-se as formas disponíveis para essa qualificação. Além de atrelá-la à progressão funcional baseada na avaliação de desempenho elaborada pela CAPES, a valorização desses profissionais incita atualmente uma competitividade que pressiona a qualificação dos professores em curto prazo e exclusivamente mercadológica. Essa situação vem descaracterizando a profissão e rotulando-a em eficácia excessiva, sem dar importância às reais necessidades para a boa atuação do docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Terezinha Corrêa Lindino, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), campus Toledo, PR, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Professora adjunta na Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), campus de Marechal Cândido Rondon. Vice-líder do Grupo de Estudo e Pesquisa em Ciências Ambientais (GEPECIA) e pesquisadora do Grupo de Estudo e Pesquisas em Formação de Docentes (GEPEFOP). Docente permanente no Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ensino, na UNIOESTE, campus Foz de Iguaçu, e no Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Ambientais, na UNIOESTE, campus Toledo. 

Referências

ALANIZ, E. P. Continuidade e descontinuidade entre as noções de competência e qualificação profissional. Trabalho e Educação, vol. 12, n. 2, jul. 2003, p. 129-144.

BELLONI, I. A gratificação de estímulo à docência: GED e a política de educação superior. In: SGUISSARDI, V. (Org.). Educação Superior: velhos e novos desafios. São Paulo: Xamã, 2000. p.103-130.

BRASIL. Ministério da Educação. Reforma da educação superior. Reafirmando princípios e consolidando diretrizes da reforma da educação superior. Documento II. 2004. 14p. Disponível em: <http://www.mec.gov.br/htm>. Acesso em: 21 ago. 2004.

BRUNO, L. Poder e administração no capitalismo contemporâneo. In: OLIVEIRA, D. A. O. Gestão democrática da educação: desafios contemporâneos. Petrópolis: Vozes, 1997, p. 15-45.

CUNHA, Maria Isabel. O bom professor e sua prática. Campinas: Papirus, 1993.

EVANGELISTA, O. Formar o mestre na universidade: a experiência paulista nos anos de 1930. Educação e Pesquisa [online]. Dez. 2001, vol. 27, n. 2 [citado 11 nov. 2004]. Disponível em: <http://www.scielo.br. ISSN 1517-9702>. Acesso em: 21 set. 2003.

GENTILI, P. (Org.). Universidade em penumbras: neoliberalismo e reestruturação universitária. São Paulo: Cortez, 2001. 152 p.

GENTILI, P. O. A falsificação do consenso: simulacro e imposição na reforma educacional do neoliberalismo. Rio de Janeiro: Vozes, 1998. 141 p.

GRACIANI, M. S. S. O ensino superior no Brasil: a estrutura de poder na universidade em questão. Petrópolis: Vozes, 1982. 164 p.

LINDINO, Terezinha Corrêa. Pós-graduação e mercado de trabalho: exigência de formação continuada como qualificação docente. 2005. 245 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2005.

MANFREDI, S. M. Trabalho, qualificação e competência profissional – as dimensões conceituais e políticas. Educação & Sociedade, n. 64/especial, set. 1998, p. 13-49.

MENEZES, L. C. Formação continuada de professores de ciências no contexto ibero-americano. Campinas: Autores Associados, São Paulo: NUPES, 1996. 197 p.

RAMOS, M. N. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação?. São Paulo: Cortez, 2001, 320 p.

ROPÉ, F. Dos saberes às competências? O caso francês. In: ROPÉ, F.; TANGUY, L. (Orgs.). Saberes e competências: o uso de tais noções na escola e na empresa. Trad. Patrícia Chittoni Ramos. Campinas: Papirus, 1997, p. 69-102.

TANGUY, L. Racionalização pedagógica e legitimidade política. In: ROPÉ, F.; TANGUY, L. (Orgs.). Saberes e competências: o uso de tais noções na escola e na empresa. Trad. Patrícia Chittoni Ramos. Campinas: Papirus, 1997, p. 25-68.

TAVARES, José. A formação como construção do conhecimento científico e pedagógico. In: SÁ CHAVES, Idália (Org.). Percursos de formação e desenvolvimento profissional. Porto: Porto Editora, 1997, p. 59-73.

WITTORSKI, R. Da fabricação das competências. In: TOMASI, A. (Org.). Da qualificação à competência: pensando o século XXI. Campinas: Papirus, 2004 (Prática Pedagógica), p.75-92.

ZARAFIAN, P. Objetivo competência: por uma nova lógica. Trad. Maria Helena C. V. Trylinski. São Paulo: Atlas, 2001, 197 p.

Downloads

Publicado

2016-10-10

Como Citar

LINDINO, T. C. Quem tu és? Eu? Um professor universitário!. Revista Docência do Ensino Superior, [S. l.], v. 6, n. 2, p. 35-62, 2016. DOI: 10.35699/2237-5864.2016.2178. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rdes/article/view/2178. Acesso em: 30 out. 2020.

Edição

Seção

Artigos