“Planeta das cores”

as faces de um projeto digital

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2020.24714

Palavras-chave:

Comunidade de aprendizagem, Co-criação de conteúdos digitais, Isomorfismo pedagógico, Recursos didáticos

Resumo

Enquadrado numa experiência pedagógica, estudantes do primeiro ano do Mestrado Profissionalizante em Educação Básica, baseados em livros infantis, organizaram atividades pedagógicas, diversificadas e lúdicas para crianças/alunos explorarem de acordo com a faixa etária a que pertencem, numa perspetiva transdisciplinar de aprendizagens significativas. O Projeto decorreu durante o segundo semestre do ano letivo 2019/2020 em modalidade online devido à pandemia da Covid-19. O objetivo foi a criação de um caderno digital com recursos didáticos para serem explorados pelos encarregados de educação e pela população em geral, interessada em atividades lúdicas como reforço e incentivo à prática e exploração das diversas aprendizagens. Cada atividade é rica não só em conteúdos educativos, como em dimensões pedagógicas, didáticas e de formação de pessoas conscientes do seu património cultural. Esta experiência criou exemplos de isomorfismo pedagógico e de criação de uma comunidade de aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Leitão, Escola Superior de Educação Jean Piaget de Almada, Portugal.

Doutorada em História (2012), mestre em Língua e Cultura Portuguesa (2006) pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, e licenciada em Línguas e Literaturas Modernas. Realizou Pós-doutoramento (2012-2017) no projeto Post Scriptum, com bolsa do European Research Council. Integra o Centro de Linguística da Universidade de Lisboa e o grupo CEIBERO (Cultura e Educação nos Impérios Ibéricos)  (UFMG). Desde 2019, é adjunta da Diretora da Escola Superior de Educação Jean Piaget de Almada, onde também é professora assistente.  

Ana Paula Pereira, Instituto de Educação da Universidade de Lisboa (IE/ULisboa), Lisboa, Portugal.

Doutora em Educação e Pós-doutoranda no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. Pesquisadora das Tecnologias Digitais na Educação e membro do grupo de pesquisa luso-brasileiro Linguagem, Interação e Conhecimento.

Cristina Gonçalves, Escola Superior de Educação Jean Piaget de Almada, Portugal.

Doutorada em Ciências da Educação, na área de especialização em Formação e Supervisão de Professores, pela Universidade Nova de Lisboa. Diretora da Escola Superior de Educação Jean Piaget de Almada, onde se formou como Educadora de Infância. Investigadora na área da Educação, com particular incidência na Formação e Supervisão de Educadores e Professores, e na Educação de Infância.

Fernando L. Santos, Escola Superior de Educação Jean Piaget de Almada, Portugal.

Mestre em Ciências da Educação e Desenvolvimento pela Universidade Nova de Lisboa. Licenciado em Professores do Ensino Básico de 2º Ciclo, variante de Matemática e Ciências da Natureza pela Escola Superior de Educação Jean Piaget de Almada, onde é assistente na área da educação matemática. Diretor Pedagógico da Escola Profissional Jean Piaget de Almada e investigador na RECI (Research in Education and Community Intervention) e na CICS.NOVA (Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais) em Educação Matemática e em Tecnologias Educativas.

Rosa Helena Nogueira, Instituto Politécnico Jean Piaget do Sul, Portugal.

Doutoramento e Pós-doutoramento em Ciências da Educação pelo Instituto de Educação da Universidade de Lisboa; mestre em Educação pela Universidade da Amazônia e pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; licenciada em Pedagogia;  Adjunct Professor - Instituto Politécnico Jean Piaget do Sul;  Investigadora - RECI (Research in Education and Community Intervention) / Instituto Piaget; Education Program Coordinator Universidade Europeia.

Sofia Rézio, Universidade Atlântica, Portugal.

Doutorada em Educação, mestre em Matemática (Análise numérica e matemática computacional), licenciada em Matemática Educacional e licenciada em Matemática Aplicada e Computação. Investigadora no Ceied (ULHT) e no ISTAR (ISCTE). Professora adjunta na Universidade Atlântica. Tem publicado diversos artigos e livros na área da didática da matemática e participado em alguns projetos financiados.

Zélia Torres, Escola Superior de Educação de Almada, Portugal.

Pós-doutorada em Ciências da Comunicação pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias de Lisboa. Doutorada em Ciências da Educação pela Universidade de Málaga. Mestre em Terapias Comportamentais e Cognitivas pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias de Lisboa. Licenciada em Educação Especial pelo Instituto Superior de Educação Jean Piaget de Almada. Curso Superior de Professores Ensino Básico pelo Instituto Superior de Educação Jean Piaget de Almada. Curso Superior de Educadores de Infância pela Escola Superior de Educação Maria Ulrich de Lisboa.

Referências

BAKHTIN, Mikhail (VOLOCHINOV). Marxismo e a filosofia da linguagem. 9. ed. São Paulo: Hucitec, 1999.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

BEANE, James A. Integração curricular: A concepção do núcleo da educação democrática. Lisboa: Didáctica Editora, 2002.

COSME, Ariana; TRINDADE, Rui. Educar e aprender na escola: questões, desafios e respostas pedagógicas. Gaia: Fundação Manuel Leão, 2010.

D’AMBRÓSIO, Ubiratan. A metáfora das gaiolas epistemológicas e uma proposta educacional. Perspectivas da educação matemática, Campo Grande, v. 9, n. 20, p. 221-234, 2016.

FERRARI, Anusca. Digital competence in practice: An analysis of frameworks. Seville, Spain: Institute for Prospective Technological Studies, European Commission, 2012.

HERNÁNDEZ, Fernando. Cultura visual, mudança na educação e projetos de trabalho. Porto Alegre: ArtMed, 2000.

MACEDO, Roberto Sidnei. Currículo: campo, conceito e pesquisa. 2. ed. Petropólis: Vozes, 2008.

MACIEL, Maria Delourdes. Autoformação docente: limites e possibilidades. In: Anais IV Encontro Nacional de pesquisa em Ciências. Recife, 2003.

MITRA, Sugata; RANA, Vivek. Children and the internet: experiments with minimally invasive education in India. British Journal of Educational Technology, v. 32, n. 2, p. 221-232, 2001.

MORAN, José Manuel. Educação Híbrida: um conceito-chave para a educação, hoje. In: BACICH, Lilian; TANZI NETO, Adolfo; TREVISANI, Fernando de Mello (org.). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015. p. 27-45.

NIZA, Sérgio. Contextos cooperativos e aprendizagem profissional: a formação no Movimento da Escola Moderna. In: FORMOSINHO, João (coord.). Formação de professores: Aprendizagem profissional e ação docente. Porto: Porto Editora, 2009. p. 345-362.

SACRISTÁN, José Gimeno. Educar y convivir en la cultura global. Madrid: Edicones Morata, 2011.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A cruel pedagogia do vírus. Coimbra, Portugal: Edições Almedina, 2020.

SHIRKY, Clay. A cultura da participação: criatividade e generosidade no mundo conectado. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

SODRÉ, Muniz. Reinventando a Educação: diversidade, descolonização e redes. Petroólis: Ed. Vozes.2012.

TORRES, Jurjo. Justicia curricular: el cabalo de Troya de la cultura escolar. Madrid: Ediciones Morata, 2011.

VYGOSTKY, Lev Semionovitch. Psicologia pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2003.

Downloads

Publicado

2020-11-28

Como Citar

LEITÃO, A.; PEREIRA, A. P. M. S.; GONÇALVES, A. C.; SANTOS, F. L.; NOGUEIRA, R. H. de P.; RÉZIO, S.; TORRES, Z. L. S. B. . “Planeta das cores”: as faces de um projeto digital. Revista Docência do Ensino Superior, Belo Horizonte, v. 10, p. 1–21, 2020. DOI: 10.35699/2237-5864.2020.24714. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rdes/article/view/24714. Acesso em: 24 set. 2021.

Edição

Seção

Seção especial: docência no ensino superior em tempos de pandemia

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)