O ensino de Filosofia a distância no curso de especialização da UFBA

relato de experiências

  • Carlos Eduardo Gomes Nascimento Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, BA, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-8349-3493
Palavras-chave: Formação docente, Ensino de Filosofia, Educação a Distância

Resumo

O relato de experiências apresenta e reflete a formação continuada de docentes para o ensino de Filosofia na educação básica em diversos municípios do interior baiano, em um ambiente virtual de aprendizagem, partindo da relação entre professor-tutor e cursista no curso de Especialização em Ensino de Filosofia, oferecido na modalidade a distância pela Universidade Federal da Bahia. Tem como objetivo investigar a percepção dos cursistas acerca das relações entre o conteúdo de Filosofia, a educação a distância e a cultura do interior baiano. Para isso, destaca-se o contexto do ensino de Filosofia no Brasil e a importância da mediação dialógica realizada pela tutoria a distância durante a formação dos docentes. Por fim, os resultados obtidos, através da avaliação dos trabalhos de conclusão de curso, apontam que a cultura de cada região potencializa novas maneiras de ensinar Filosofia, contribuindo para interiorização e democratização do ensino superior público a distância.

Biografia do Autor

Carlos Eduardo Gomes Nascimento, Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, BA, Brasil.

Licenciado em Filosofia (2015), especialista em Direito do Estado (2016) e mestrando em Educação pela UFBA (2018). Professor orientador do curso de Especialização em Ensino de Filosofia no Ensino Médio da UFBA. Bolsista CAPES.

Referências

BENTES, Roberto de Fino. A avaliação do tutor.In: LITTO, Fredric M.; FORMIGA, Marcos. Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Prentice Hall, 2009.

BOBBIO, Norberto. Teoria geral da política: a filosofia política e as lições dos clássicos. Rio de Janeiro: Campus, 2000.BRASIL. Lei Federal no 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 1961. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4024-20-dezembro-1961-353722-publicacaooriginal-1-pl.html>. Acesso em: 25 nov. 2018.

BRASIL. Lei Federal no 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1o e 2o graus, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 1971. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5692.htm>. Acesso em: 2 jul. 2018.

BRASIL. Lei Federal no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 2 jul. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília: MEC; Semtec, 2000.

BRASIL. Lei Federal no 11.684, de 2 de junho de 2008. Altera o art. 36 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, para incluir a Filosofia e a Sociologia como disciplinas obrigatórias nos currículos do Ensino Médio. Diário Oficial da União, Brasília, 2008. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11684.htm>. Acesso em: 2 jul. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução no 8, de 30 de abril de 2010. Altera os incisos I a V do art. 9o, o § 1o do art. 10 e o item 2.4 do Anexo I da Resolução CD/FNDE nº 26/2009, que estabelece orientações e diretrizes para o pagamento de bolsas de estudo e de pesquisa a participantes da preparação e execução dos cursos dos programas de formação superior, inicial e continuada no âmbito do Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB). Diário Oficial da União, Brasília, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano Nacional de Educação, 2011-2020. Brasília: MEC, 2011. Disponível em: <http://fne.mec.gov.br/images/pdf/notas_tecnicas_pne_2011_2020.pdf>. Acesso em: 2 jul. 2018.

BRASIL. Lei Federal no 13.415, de 13 de fevereiro de 2017. Altera as Leis no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, e no 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei no 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei no 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Diário Oficial da União, Brasília, 2017. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13415.htm>. Acesso em: 25 nov. 2018.

COELHO, Inamar. Cordelizando a Filosofia. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Ensino de Filosofia no Ensino Médio) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

COSTA, Maria Luisa F. Educação a distância no Brasil: perspectiva histórica. In: COSTA, Maria Luisa F.; ZANATTA, Regina Maria (org.). Educação a Distância no Brasil: aspectos históricos, legais, políticos e metodológicos. Maringá: Eduem, 2008.

GALEFFI, Dante Augusto. O diálogo na formação transdisciplinar do educador-filósofo. Childhood&philosophy, Rio de Janeiro, v. 4, n. 7, jan./jun. 2008.

GONÇALVES, Maria Isabel. Existencialismo poético: filosofando em cartas, diários e poemas. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Ensino de Filosofia no Ensino Médio) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018.

HERNANDES, Paulo R. A Universidade Aberta do Brasil e a democratização do Ensino Superior público. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 25, n. 95, p. 283-307, abr. 2017. DOI: 10.1590/s0104-40362017002500777.JAEGER, Werner. Paideia: Formação do homem grego. Tradução de Artur M. Parreira. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

JORNAL DA USP. Professor sem formação específica, problema a ser solucionado. Jornal da USP. 2017. Disponível em: <https://jornal.usp.br/atualidades/professor-sem-formacao-especifica-problema-a-ser-solucionado/>. Acesso em: 25 nov. 2018.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. 3. ed. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34, 2010.

LUCKESI, Cipriano C. Avaliação da aprendizagem na escola: reelaborando conceitos e criando a prática. 2. ed. Salvador: Malabares Comunicação e Eventos, 2005.

MORAN, José M. Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias audiovisuais e telemáticas. In: MORAN, José M.; MASETTO, Marcos T.; BEHRENS, Marilda A. Novas Tecnologias e mediação Pedagógica. Campinas: Papirus, 2000.

MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

MOTA, Ronaldo. A Universidade Aberta do Brasil. In: LITTO, Fredric M.; FORMIGA, Marcos. Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Prentice Hall, 2009.

NISKIER, Arnaldo. Os aspectos culturais e a EaD.In: LITTO, Fredric M.; FORMIGA, Marcos. Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Prentice Hall, 2009.

SANTOS, Vanice dos. Ágora digital: o cuidado de si no caminho do diálogo entre o tutor e o aluno em um ambiente virtual de aprendizagem. 2012. 236 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

SILVA, Danielle Santana da. FILOSOFIA E ARTE: uma prática de ensino e aprendizagem no ensino médio. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Ensino de Filosofia no Ensino Médio) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

SUASSUNA, Ariano. Iniciação à Estética. 9. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2008.STARR, Chester G. O nascimento da democracia ateniense: a assembleia no século V a.C. Tradução de Roberto Ferreira. São Paulo: Odysseus, 2005.

VERNANT, Jean-Pierre. As origens do pensamento grego. Tradução de Ísis Fonseca. Rio de Janeiro: Difel, 2010.

XENOFONTE. Memoráveis de Sócrates. São Paulo: Editora Abril, 1972. (Os Pensadores).

Publicado
2018-12-10
Como Citar
NASCIMENTO, C. E. G. O ensino de Filosofia a distância no curso de especialização da UFBA. Revista Docência do Ensino Superior, v. 8, n. 2, p. 78-98, 10 dez. 2018.
Seção
Artigos