Mulheres docentes em cursos superiores de Física em duas universidades federais no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2021.24894

Palavras-chave:

Relações de gênero, Mulheres no ensino superior, Docência de Física

Resumo

O artigo é parte de uma pesquisa qualitativa sobre relações de gênero em cursos superiores de Física. O estudo foi realizado entre 2014 e 2017, buscando discutir experiências de mulheres concernentes à carreira docente na Física. Especificamente neste texto, os temas discutidos se relacionam às experiências profissionais de acadêmicas em duas instituições federais de ensino e pesquisa no Brasil: Universidade Federal de Minas Gerais (Belo Horizonte) e Universidade Federal do Rio de Janeiro (Rio de Janeiro). O estudo utilizou entrevistas individuais semiestruturadas. Foram entrevistados tanto homens quanto mulheres (professores e chefes de departamento), porém, o artigo enfoca 11 acadêmicas. Os dados mostram que o comportamento das acadêmicas varia de escamotear a feminilidade para evitar o assédio ao apoio e incentivo (em relação às estudantes, sobretudo aquelas que foram discriminadas por cientistas do sexo masculino). Também foi observada a desvalorização tácita da licenciatura em comparação ao bacharelado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcel de Almeida Freitas, Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), Divinópolis, MG, Brasil.

Sociólogo (UFMG), licenciado em Sociologia (UFMG), mestre em Psicologia Social (FAFICH/UFMG), Doutor em Educação (FaE/UFMG) e professor adjunto na Universidade do Estado de Minas Gerais, onde ministra disciplinas como Filosofia, Antropologia e Sociologia. Temáticas de atuação: Sociologia e Antropologia da Educação, relações de gênero. Integra o Grupo de Estudos em Gênero e Sexualidade na Educação (GSS/FaE/UFMG).

Adla Betsaida Martins Teixeira, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Pedagoga e mestre em Educação Internacional Comparada pela University of London, doutora em Cultura, Educação e Comunicação pela University of London, pós-doutora em Gênero e Direitos Humanos pela Université de Lyon,pós-doutora em Aprendizagem e Ensino Superior pela Stanford University, professora associada IV da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (FaE-UFMG) e coordenadora do Grupo de Estudos em Gênero e Sexualidade na Educação (GSS/FaE/UFMG). Temáticas de atuação: didática, gênero e educação, mulheres nas ciências.

Denise Bianca Maduro Silva, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Pedagoga pela Universidade Federal de Minas Gerais e mestre em Ciências Sociais pela Facultad Latinoamericana de Ciencias Sociales (FLACSO-Argentina). Apresenta doutorado em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (FaE-UFMG) e doutorado latino-americano em Educação. Técnica em Assuntos Educacionais na Pró-Reitoria de Extensão da UFMG desde 2009. Temáticas de atuação: avaliação de políticas públicas, educação comparada, extensão universitária, educação profissional e educação integral.

Referências

ACKER, Sandra. Gender and teacher’s work. Review of Research in Education, v. 2, n. 1, p. 99-162, 1996.

BALL, Stephen. La micropolitica de la escuela: hacia una teoría de la organización escolar. Barcelona: Paidós, 1989.

BARRETO, Andreia. A mulher no ensino superior. Distribuição e representatividade. Cadernos do GEA, n. 6. Rio de Janeiro: FLACSO/UERJ/LPP, jul./dez. 2014.

BENÍCIO, Ronildo Alves. Uncertain future for women scientists in Brazil. Nature, v. 567, n. 7747, p. 31-32, 2019.

BLACKMORE, Jill; SACHS, Judyth. Worried, weary and just plain worn out: gender, restrutucturing and the psychic economy of higher education. In: ANNUAL CONFERENCE, n. 1-4, 1997. Brisbane. Anais [...] Brisbane: AARE, 1997.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. Os herdeiros: os estudantes e a cultura. 2. ed. Florianópolis: Editora UFSC, 2018.

BRITO, Thiago. Trabalho, docência e precarização: breves notas de um projeto de pesquisa. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 28, n. 3, p. 161-178, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/9844. Acesso em: 6 jan. 2021. DOI: https://doi.org/10.17648/2238-037X-trabedu-v28n3-9844.

CARABINE, Jean. Unmarried motherhood 1830-1990: A genealogical analysis. In: WETHERELL, Margaret; TAYLOR, Stephanie; YATES, Simeon. J. (ed.). Discourse as Data: A Guide for Analysis. London: Sage, 2001.

CISNE, Mirla. Gênero, divisão sexual do trabalho e serviço social. 2 ed. São Paulo: Outras Expressões, 2015.

FIDALGO, Fernando S. O. Trabalho e carreira docente: contribuições teórico-metodológicas, Trabalho e Educação, Belo Horizonte, n. 0, p. 94-109, jul./dez. 1996.

FREITAS, Marcel de A. Mulheres Cientistas. Percursos e percalços a partir da realidade da UFMG. Belo Horizonte: Conhecimento, 2018.

GARG, Reva; AGRELLO, Deise A. Mulheres na Física: poder e preconceito nos países em desenvolvimento, Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 1301-1306, 2009.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Trajetória da Mulher na Educação Superior Brasileira – período de 1991 a 2004. Brasília: MEC, 2005.

LETA, Jacqueline. Mulheres na ciência brasileira: desempenho inferior? Revista Feminismos, Salvador, v.2, n. 3, p. 139-152, 2014. Disponível em: https://cienciasmedicasbiologicas.ufba.br/index.php/feminismos/article/viewFile/30039/17771. Acesso em: 26 ago. 2016.

LOMBARDI, Maria Rosa. Engenheiras na construção civil: a feminização possível e a discriminação de gênero. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 47, n. 163, p.122-146, 2017.

MARSHALL, Martin N. Sampling for qualitative research. Family Practice Review, v. 13, n. 6, p. 522-525, 1996.

MELO, Hildete P.; LASTRES, Helena M. M.; MARQUES, Teresa C. M. Gênero no Sistema de Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil. Revista Gênero, Niterói, v. 4, n. 2, p. 73-94, 2004.

MIRANDA, Teresa, L.; SCHIMANSKI, Edina. Relações de gênero: algumas considerações conceituais. In: FERREIRA, Aparecida De Jesus (org.). Relações étnico-raciais, de gênero e sexualidade: perspectivas contemporâneas. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2014.

NASCIMENTO, Silvânia S; PLANTIN, Christian; VIEIRA, Rodrigo D. A validação de argumentos em sala de aula: um exemplo a partir da formação inicial de professores de Física, Revista Investigações de Ensino de Ciências da UFRS, Porto Alegre, v. 13, n. 2, p. 68-185, 2008.

PARAÍSO, Marlucy A. Gênero na formação do/a professor/a: campo de silêncio do currículo? Cadernos de Pesquisa (Fundação Carlos Chagas), São Paulo, v. 1, n. 102, p. 23-45, 1997.

RISTOFF, Dilvo. A trajetória da mulher brasileira na educação. Folha de São Paulo, São Paulo, 8 mar. 2006. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz0803200610.htm Acesso em: 23 maio 2016.

SÁ, Carmen S. S.; SANTOS, Wildson L. Constituição de identidades em um curso de licenciatura em Química. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 22, n. 69, p. 315-338, 2017.

SCOTT, Joan. Os usos e abusos do gênero. Projeto História, São Paulo, n. 45, p. 327-351, dez. 2012.

SUMMERS, Anne. The misogyny factor. Sydney: New South Wales University, 2013.

SVARCZ, Kariane C. Relações de Gênero na Física: a inserção das mulheres na “ciência hard” da UFSC (1980-2010). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

TEIXEIRA, Adla B. M. The Domestication of primary school teaching: a Brazilian study case. 1998. Thesis (Doctorate in Education) – Institute of Education, University of London, London, 1998.

TEIXEIRA, Adla B. M.; NASCIMENTO, Silvânia S.; VILLANI, Carlos E. Exploring Modes of Communication among Pupils in Brazil. Gender and Education, v. 20, n. 4, p. 387-398, jul. 2008.

THERRIEN, Ângela T. S. Trabalho docente: uma incursão no imaginário social brasileiro. São Paulo: EDUC, 1998.

VIANNA, Cláudia. O sexo e o gênero da docência. Cadernos Pagu, Campinas, n. 18, p. 81-103, 2002.

WAGNER, Anne; ACKER, Sandra; MAYUZUMI, Kimine. Whose university is it anyway? Toronto: Sumach Press, 2008.

Downloads

Publicado

2021-06-25

Como Citar

FREITAS, M. de A.; TEIXEIRA, A. B. M.; SILVA, D. B. M. Mulheres docentes em cursos superiores de Física em duas universidades federais no Brasil. Revista Docência do Ensino Superior, Belo Horizonte, v. 11, p. 1–18, 2021. DOI: 10.35699/2237-5864.2021.24894. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rdes/article/view/24894. Acesso em: 24 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos