A linguagem metacientífica no ensino de ciências

um olhar para a formação inicial docente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2021.29527

Palavras-chave:

Ensino de ciências, Linguagem científica, Formação docente

Resumo

Buscou-se neste trabalho identificar como licenciandos do curso de Ciências Biológicas, de uma universidade pública do estado do Paraná, compreendem os termos relativos à linguagem metacientífica, como leis, teorias e hipóteses. Para a coleta de dados, utilizaram-se questionários descritivos e entrevistas semiestruturadas e os dados foram submetidos à análise textual discursiva. Os resultados demonstraram que os licenciandos apreendem de forma equivocada os elementos da linguagem metacientífica. Em geral, perceberam-se equívocos entre os termos teoria e hipótese, assim como nos significados relativos ao termo lei, além de uma tendência em atribuir gradações entre os conceitos de teoria e lei. Entende-se, assim, ser necessário que haja a inserção de discussões sobre a linguagem metacientífica no processo de formação de professores de ciências, evitando-se que esses equívocos se consolidem entre tais profissionais e consequentemente se estendam aos estudantes da educação básica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maycon Raul Hidalgo, Secretaria de Estado de Educação do Paraná, Curitiba, PR, Brasil.

Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Paranaense (UNIPAR). Mestre e doutor em Educação para a Ciência e a Matemática pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Integrante do grupo de estudos SEMINARE/UEM e do grupo GETEPEC/UEL. Professor de Ciências e Biologia na Secretaria de Estado da Educação do Paraná.

Álvaro Lorencini Júnior, Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina, PR, Brasil.

Licenciado e bacharel em Ciências Biológicas pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP/São Paulo). Mestrado e doutorado em Educação, área de didática pela Faculdade de Educação da USP (FEUSP). Professor do departamento de Biologia Geral do Centro de Ciências Biológicas da Universidade Estadual de Londrina (UEL/PR). Coordenador do GETEPEC/UEL.

Referências

ALÍS, Jaime Carrascosa. Ideias alternativas no ensino de ciências. In: MAGALHÃES JÚNIOR, Carlos Alberto De Oliveira; LORENCINI JÚNIOR, Álvaro; CORAZZA, Maria Júlia (org.). Ensino de ciências: múltiplas perspectivas, diferentes olhares. Curitiba: Editora CRV, 2014. p. 37-78.

AUGUSTO, Thais Gimenez da Silva; BASÍLIO, Letícia Vieira. Ensino de biologia e história e filosofia da ciência: uma análise qualitativa das pesquisas acadêmicas produzidas no Brasil (1983-2013). Ciência e Educação, Bauru, v. 24, n. 1, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/1516-731320180010006.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. 5. ed. Brasília: MEC/SEF, 2010.

CLARK, Andrew G.; HARTL, Daniel L. Princípios de Genética de Populações. 4. ed. São Paulo: ARTMED, 2010.

ELGIN, Mehmet. Biology and priori laws. Philosophy of Science, v. 70, n. 5, p. 1380-1389, 2003. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/10.1086/377415. Acesso em: 6 jul. 2021.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução: Laura Fraga. 24. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

FOUREZ, Gerard. A construção das Ciências. Tradução: Luiz Paulo Rouanet. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1995.

HIDALGO, Maycon Raul; LORENCINI JÚNIOR, Álvaro. A epistemologia na formação inicial de professores de Ciências/Biologia: há elementos para ressignificações?. Interacções, Santarém, v. 15, n. 51, p. 106-130, 2019. DOI: https://doi.org/10.25755/int.18594.

LEDERMAN, Norman G. et al. Pre-service teachers’ understanding and teaching of natures of science: an intervention study. Canadian Journal of Science, Mathematics and Technology Education, v. 1, n. 2, p. 135-160, 2001. DOI: https://doi.org/10.1080/14926150109556458.

LEITINHO, Meirecele Calíope; MÁXIMO JÚNIOR, Januário Rosende. Uma incursão pela tríade: currículo, filosofia da ciência e formação de professores da área de ciências naturais. Conjectura: filosofia e educação, Caxias do Sul, v. 21, n. 3, p. 604-627, 2016. DOI: doi.org/10.18226/21784612.V21.N3.08.

LORENZANO, Pablo. Leyes fundamentales y leyes de la biologia. Scientle Studia, v. 5, n. 2, p. 185-214, 2007.

LORENZANO, Pablo. Leis e teorias em biologia. In: ABRANTES, Paulo C. et al. (org.). Filosofia da Biologia. Porto Alegre: ARTMED, 2011.p. 53-82.

MASSI, Luciana; QUEIROZ, Salete Linhares. Jogo discursivo na apropriação da linguagem científica por alunos de iniciação científica em química. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 16, n. 1, p. 35-57, 2011.

MAYR, Ernst. Isto é Biologia: a ciência do mundo vivo. Tradução: Claudio Angelo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

MORAES, Roque. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência e Educação, Bauru, v. 9, n. 2, p. 191-211, 2003. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-73132003000200004.

MORAIS, Ana Maria et al. A natureza da ciência na educação em ciências: teorias e práticas. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 13, n. 1, p. 8-32, 2018.

NEJM, Guilherme de Moraes. As concepções de professores de ciências sobre a produção do conhecimento científico e a constituição do conhecimento escolar em ciências e suas relações na determinação da prática pedagógica: um estudo de caso via Grupo de Trabalho em Rede (GTR). Orientadora: Christiane Gioppo. Monografia (Programa de Desenvolvimento Educacional) – Secretaria de Educação do Paraná, Piraquara, 2010.

OLIVEIRA, Teresa et al. Compreendendo a aprendizagem da linguagem científica na formação de professores de Ciências. Educar em Revista, Curitiba, n. 34, p. 19-33, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-40602009000200002.

RUSE, Michael. La filosofía de la biologia. Madrid: Alianza, 1979.

SANTOS, Boaventura de Souza. Um discurso sobre as ciências. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SOUSA. Robson Simplício de; GALIAZZI, Maria do Carmo. A categoria na análise textual discursiva: sobre método e sistema em direção à abertura interpretativa. Revista Pesquisa Qualitativa, v. 5, n. 9, p. 514-538, 2017.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ. Projeto pedagógico do curso de Ciências Biológicas (habilitação Bacharelado/Licenciatura). Maringá: Universidade Estadual de Maringá, s/d. Disponível em: https://drive.google.com/drive/folders/1V0AEcOzPr8c7KuMm-VA0aeR4ycGKm3GO. Acesso em: 6 jul. 2021.

WENZEL, Judite Scherer. Apropriação da linguagem científica escolar e as interações discursivas estabelecidas em sala de aula como modo de aprender ciências. Revista Transmutare, Curitiba, v. 2, n. 1, p. 18-33, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.3895/rtr.v2n1.6036.

Downloads

Publicado

13-08-2021

Como Citar

HIDALGO, M. R.; LORENCINI JÚNIOR, Álvaro. A linguagem metacientífica no ensino de ciências: um olhar para a formação inicial docente. Revista Docência do Ensino Superior, Belo Horizonte, v. 11, p. 1–19, 2021. DOI: 10.35699/2237-5864.2021.29527. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rdes/article/view/29527. Acesso em: 22 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos