Educação Física e Inclusão nos Currículos das Universidades Federais da Região Sudeste

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2022.39523

Palavras-chave:

currículo, inclusão, formação inicial, Educação Física

Resumo

O artigo teve como objetivo analisar as ementas das disciplinas voltadas à inclusão nos currículos dos cursos de graduação em Licenciatura em Educação Física de Universidades Federais da região sudeste brasileira. Essa é uma pesquisa documental e de natureza descritiva, na qual os dados foram obtidos por meio digital, a partir da identificação das Instituições Federais de Ensino Superior. A análise baseou-se no conteúdo ementário das dezesseis disciplinas obrigatórias encontradas, sendo estas distribuídas em cursos ofertados por doze universidades. A partir dos resultados, estabeleceu-se três categorias referentes aos objetos estudados nas disciplinas: 1) Inclusão; 2) Caracterização da deficiência; 3) Ações pedagógicas. Assim, foi percebida a diferenciação na abordagem da temática no ensino superior quando comparada com dados anteriores de análise do currículo da formação inicial em Licenciatura em Educação Física, fato que pode favorecer a perspectiva inclusiva na atuação profissional dos professores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Freire da Silva, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Seropédica, RJ, Brasil.

Graduada em Licenciatura em Educação Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRRJ) e Bacharel em Educação Física pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM). Atualmente é Pós-Graduanda em Educação Física Escolar pelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ). Atuou como monitora na disciplina de Educação Física Adaptada no momento da realização da pesquisa.

Paulo Sergio Avelino dos Santos, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Seropédica, RJ, Brasil.

Graduado em Licenciatura em Educação Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRRJ). Atualmente é mestrando pelo programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Participa como membro do Grupo de Pesquisas em Docência na Educação Física (GPDEF) da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Bruna Barboza Seron, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC, Brasil.

Doutora em Educação Física pela Universidade Estadual de Londrina. Docente no curso de Educação Física da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Marina Brasiliano Salerno, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Campo Grande, MS, Brasil.

Doutora em Educação Física pela Faculdade de Educação Física da Universidade Estadual de Campinas. Docente do curso de Educação Física (Licenciatura e Bacharelado) e do Programa de Pós-Graduação em Estudos Culturais/CPAQ na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Física Inclusiva (GEPEFI).

Ricardo de Almeida Pimenta, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC, Brasil.

Doutor em Ciências do Movimento Humano pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Docente no curso de Educação Física da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Líder do Núcleo Integrado de Pesquisas e Estudos em Desenvolvimento Infantil (NIPEDI) e Vice-líder do Grupo de Pesquisas em Docência na Educação Física (GPDEF) da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Referências

ARAÚJO, Naim Rodrigues de; CUNHA, Charles Moreira. Interpretação do modelo social de deficiência a partir do conceito de normalidade de Canguilhem. Conjectura: Filosofia e Educação, Caxias do Sul, v. 25, p. 308-331, 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.18226/21784612.v25.dossie.18. Disponível em: http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/conjectura/article/view/7588. Acesso em: 11 mar. 2021.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Tradução de Luís Antero Reta e Augusto Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 1977.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. Conselho Federal de Educação. Resolução nº 03, de 16 de junho de 1987. Fixa os mínimos de conteúdo e duração a serem observados nos cursos de graduação em Educação Física (Bacharelado e/ou Licenciatura Plena). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 10 set. 1987. Disponível em: https://crefrs.org.br/legislacao/pdf/resol_cfe_3_1987.pdf. Acesso em: 29 set. 2022.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 25 abr. 2002. Seção 1, p. 23. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2002/lei-10436-24-abril-2002-405330-norma-pl.html. Acesso em: 28 set. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Base nacional comum curricular. Brasília, DF: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 08 abr. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Decreto n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez. 2005. Seção 1, p. 28. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 10 mar. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 1793, de 27 de dezembro de 1994. Recomenda complementação dos currículos de formação de docentes e outros profissionais que interagem com portadores de necessidades especiais através da inclusão de aspectos ético-político-educacionais da normalização e integração da pessoa portadora de necessidades especiais. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 28 dez. 1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/portaria1793.pdf. Acesso em: 16 mar. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 15 abr. 2020. Seção 1, pp. 4 Disponível em: https://normativasconselhos.mec.gov.br/normativa/view/CNE_RES_CNECPN22019.pdf. Acesso em: 28 set. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. 2015. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2 jul. 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file. Acesso em: 28 set. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 6, de 18 de dezembro de 2018. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Educação Física e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 19 dez. 2018. Seção 1, pp. 48-49. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=104241-rces006-18&category_slug=dezembro-2018-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 01 abr. 2021.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a convenção internacional sobre os direitos das pessoas com deficiência e seu protocolo facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, Poder Executivo, 26 ago. 2009. Seção 1, p. 3. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm. Acesso em: 08 abr. 2022.

CARLOU, Amanda. Estratégias pedagógicas para ensino-aprendizagem de estudantes com necessidades educacionais especiais. Revista Espaço Acadêmico, v. 18, n. 205, p. 03-11, jun. 2018. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/43317. Acesso em: 05 abr. 2021.

FÁVERO, Osmar; FERREIRA, Windyz; IRELAND, Timothy; BARREIROS, Débora (orgs.). Tornar a educação inclusiva. Brasília: Unesco, 2009.

FERNANDES, Carla Andréia Fabiani; JUNIOR, Rubens Venditti. Educação física adaptada na formação universitária: reflexões sobre a preparação do profissional de educação física para a atuação com pessoas com necessidades especiais. Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, v. 9, n. 12, p. 118-140, jan./jun. 2008. Disponível em: http://ferramentas.unipinhal.edu.br/movimentoepercepcao/viewarticle.php?id=181. Acesso em: 10 mar. 2021.

FLORES, Patric Paludett; CARAÇATO, Yedda Maria da Silva; ANVERSA, Ana Luiza Barbosa; SOLERA, Bruna; COSTA, Luciane Cristina Arantes da; OLIVEIRA, Amauri Aparecido Bássoli de; SOUZA, Vânia de Fátima Matias de. Formação inicial de professores de Educação Física: um olhar para o estágio curricular supervisionado. Caderno de Educação física e esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 17, n. 1, p. 61-68, jan./jun. 2019. DOI: https://doi.org/10.36453/2318-5104.2019.v17.n1.p61. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/20107/pdf. Acesso em: 14 mar. 2021.

FRANÇA, Tiago Henrique. A normalidade: uma breve introdução à história social da deficiência. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, v. 6, n. 11, p. 105-123, jan./jun. 2014. Disponível em: https://periodicos.furg.br/rbhcs/article/view/10550/6892. Acesso em: 08 mar. 2021.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GODOY, Arilda Schmidt. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, p. 20-29, mai./jun. 1995. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-75901995000300004. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rae/a/ZX4cTGrqYfVhr7LvVyDBgdb/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 01 mar. 2021.

HUTZLER, Yeshayahu; MEIER, Stefan; REUKER, Sabine; ZITOMER, Michelle. Attitudes and self-efficacy of physical education teachers toward inclusion of children with disabilities: a narrative review of international literature. Physical Education and Sport Pedagogy, v. 24, n. 3, p.249-266, jan. 2019. DOI: https://doi.org/10.1080/17408989.2019.1571183. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/17408989.2019.1571183?journalCode=cpes20. Acesso em: 09 de março, 2021.

LANNA JÚNIOR, Mário Cléber Martins (comp.). História do Movimento Político das Pessoas com Deficiência no Brasil. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos, Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, 2010. Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/repositorio/bibliotecaDigital/21097_arquivo.pdf. Acesso em: 28 fev. 2021.

LOURENÇO, Érika; TURCI, Deolinda Armani; MIRANDA, Cileia Saori Hamada de; MARTINS, Carolline de Souza. O Atendimento à Criança Excepcional no Instituto Pestalozzi de Minas Gerais (1940-1949). Revista Psicologia e Saúde, Campo Grande, v. 9, n. 2, p. 77-89, ago. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.20435/pssa.v9i2.521. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2177-093X2017000200006. Acesso em: 28 fev. 2021.

MEDEIROS, Leandra. Experiências voltadas para a atuação com pessoas com deficiência durante a formação inicial em educação física: a percepção de formandos de universidades públicas de Florianópolis. 2020. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Educação Física) – Centro de Desportos, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2020.

MIRANDA, Theresinha Guimarães. As múltiplas dimensões da formação docente para uma escola inclusiva: uma reflexão a partir da perspectiva cultural. Revista Entreideias: educação, cultura e sociedade, Salvador, v. 4, n. 1, p. 13-34, jan./jun. 2015. DOI: https://doi.org/10.9771/2317-1219rf.v4i1.8130. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/entreideias/article/view/8130.

NASCIMENTO, Karina Patrício; RODRIGUES, Graciele Massoli; GRILLO, Denise Elena; MERIDA, Marcos. A formação do professor de Educação Física na atuação profissional inclusiva. Revista Mackenzie de educação física e esporte, Barueri, v. 6, n. 3, p. 53-58, 2007. Disponível em: http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/remef/article/view/1225. Acesso em: 17 set. 2022.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Secretariado Nacional de Reabilitação, Ministério do Emprego e da Segurança Social de Portugal. Classificação Internacional das Deficiências, Incapacidades e Desvantagens (handicaps): um manual de classificação das consequências das doenças. Lisboa: 1989.

SALERNO, Marina Brasiliano. A informação em Educação Física e o trabalho com a pessoa com deficiência: percepção discente. 2014. Tese (Doutorado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014. Disponível em: https://1library.org/document/zxl1dmnz-formacao-educacao-fisica-trabalho-pessoa-deficiencia-percepcao-discente.html. Acesso em: 15 mar. 2021.

SALERNO, Marina Brasiliano; CARVALHO, Camila Lopes de; D’ANGELO, Silvia Mayeda; ARAÚJO, Paulo Ferreira de. O Conceito de Inclusão de Discentes de Educação Física de Universidades Públicas do Estado de São Paulo no Contexto Social da sua Prática. Movimento: Revista de Educação Física da UFRGS, Porto Alegre, v. 24, n. 3, p. 721-734, jul./set. 2018. DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.78055. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/78055. Acesso em: 7 abr. 2022.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: acessibilidade no lazer, trabalho e educação. Revista Nacional de Reabilitação (Reação), São Paulo, ano XII, p. 10-16, mar./abr. 2009. Disponível em: https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/211/o/SASSAKI_-_Acessibilidade.pdf?1473203319. Acesso em: 24 fev. 2021.

SCHÜTZ, Jenerton Arlan; SKRSYPCSAK, Daniel; ROTHER, Lilian Wecker. Formação de professores e educação inclusiva: possibilidades de pensar para além da mesmidade. Temas & Matizes, Cascavel, v. 11, n. 21, p. 1-15, jul./dez. 2017. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/temasematizes/article/view/17944. Acesso em: 12 mar. 2021.

SILVA, Cláudio Silvério da; DRIGO, Alexandre Janotta. A educação física adaptada: implicações curriculares e formação profissional. Coleção PROPG Digital (UNESP), 2012.

SILVA, Rita de Fátima da; ARAÚJO, Paulo Ferreira de. Os caminhos da pesquisa em atividade motora adaptada. São Paulo: Phorte, 2012.

SILVA, Rita de Fatima da; SEABRA JUNIOR, Luiz; ARAÚJO, Paulo Ferreira de. Educação física adaptada no Brasil: da história à inclusão educacional. São Paulo: Phorte, 2008, 220 p.

SOUZA, Bárbara Davalos de; SALERNO, Marina Brasiliano. A Educação Especial nos Cursos de Educação Física das Universidades de Mato Grosso do Sul. Revista Diálogos Interdisciplinares – GEPFIP, [S.L.], v. 1, n. 7, p. 35-50, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufms.br/index.php/deaint/article/view/10150. Acesso em: 07 mar. 2022.

Downloads

Publicado

13-12-2022

Como Citar

SILVA, G. F. da .; SANTOS, P. S. A. dos .; SERON, B. B. .; SALERNO, M. B. .; PIMENTA, R. de A. . Educação Física e Inclusão nos Currículos das Universidades Federais da Região Sudeste. Revista Docência do Ensino Superior, Belo Horizonte, v. 12, p. 1–20, 2022. DOI: 10.35699/2237-5864.2022.39523. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rdes/article/view/39523. Acesso em: 20 jun. 2024.

Edição

Seção

Seção especial: universidade e inclusão