Google Site como recurso tecnológico na disciplina de Direito Financeiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-5864.2023.46065

Palavras-chave:

ensino jurídico, recursos tecnológicos, Direito Financeiro

Resumo

O presente trabalho apresenta os resultados de uma experiência pedagógica aplicada ao ensino do Direito Financeiro. Tem-se como objetivo analisar as contribuições do uso das tecnologias digitais, no caso, a plataforma Google Site, enquanto recurso tecnológico aplicado ao ensino dos principais conteúdos da disciplina de Direito Financeiro. Para isso, os alunos foram desafiados a desenvolver resumos, mapas mentais e esquemas, que os auxiliassem no estudo de temas relacionados ao Direito Financeiro, utilizando o Google Sites como ferramenta tecnológica. A pesquisa é um relato de experiência que traz resultados sobre o ensino a partir da percepção de 45 estudantes do curso de Direito. Para isso, primeiro, optou-se por apresentar a inserção de novas tecnologias como recurso didático no ensino jurídico, após isso, passou-se ao relato de experiência e, por fim, a análise e avaliação dos resultados obtidos com a utilização da plataforma do Google Site. Concluiu-se, por conseguinte, que o uso da plataforma do Google Site, como recursos tecnológicos no ensino, além de modificar a experiência dos estudantes em relação à aula, podem contribuir para a sua autonomia e potencializar os processos de ensino e, por consequência, de aprendizagem acerca dos principais pilares que compõem o Direito Financeiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiele Gisch Kuntz, Universidade do Vale o Taquari (UNIVATES), Lajeado, RS, Brasil.

Doutoranda em Ensino pela Univates, mestre em Direitos Sociais e Políticas Públicas pela UNISC e pós-graduada em Direito Público. Docente do curso de Direito da Univates e no curso de Direito da Faculdade Dom Alberto. Coordenadora do Projeto de Extensão Educação e Cidadania Fiscal: um instrumento de justiça e inclusão social da Univates. Advogada.

Derli Juliano Neuenfeldt, Universidade do Vale o Taquari (UNIVATES), Lajeado, RS, Brasil.

Doutorado em Ciências: Ambiente e Desenvolvimento pela Univates. Professor titular do curso de Educação Física e do Programa de Pós-Graduação em Ensino da Univates. Integrante do grupo de pesquisa "O Ensinar da Infância à Idade Adulta: olhares de professores e alunos". Tem experiência na área do Ensino e da Educação Física Escolar.

Referências

ADORNO, Sergio. Os aprendizes do poder: o bacharelismo liberal na política brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos. Ensinar, aprender, apreender e processos de ensinagem. In: ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos; ALVES, Leonir Pessate (org.). Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 7. ed. Joinville: UNIVILLE, 2007. p. 17-43.

BASTOS, Aurélio Wander. O ensino jurídico no Brasil. 2. ed. Lumen Juris, 2000.

BRASIL, MEC. Portaria nº 1.886 de 30 de dezembro de 1994. Fixa as diretrizes curriculares e o conteúdo mínimo do curso jurídico. Brasília. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=C844A92096D2C3E2830F862AFAE92407.proposicoesWeb1?codteor=201058&filename=Avulso+-PL+2985/2004. Acesso em: 21 dez. 2023.

BRASIL, MEC. Portaria nº 2.477 de 18 de agosto de 2004. Regulamenta procedimentos de autorização de cursos superiores de graduação em Instituições de Ensino Superior. Diário Oficial da União, Brasília, 19 ago. 2004.

BRASIL, MEC. Resolução CNE/CES n° 9, de 29 de setembro de 2004. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Direito e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 1º de outubro de 2004, Seção 1, p. 17. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rces09_04.pdf. Acesso em: 21 dez. 2023.

BRASIL, MEC. Resolução CNE/CES nº 5, de 17 de dezembro de 2018. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Direito e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 18 de dezembro de 2018, Seção 1, p. 122. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2018-pdf/104111-rces005-18/file. DOI: https://doi.org/10.24859/fdv.2019.2.005

BRASIL, MEC. Portaria nº 1.351, de 14 de dezembro de 2018. Diário Oficial da União nº 241, , Brasília, Seção 1, p. 34, 17 dez. 2018. Disponível em: https://abmes.org.br/arquivos/legislacoes/Port-MEC-1351-2018-12-14.pdf. Acesso em: 21 dez. 2023.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES nº 2 de 19 de abril de 2021. Altera o art. 5º da Resolução CNE/CES nº 5/2018, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Direito. Diário Oficial da União, Brasília, 23 de abril de 2021, Seção 1, p. 116. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/conselho-nacional-de-educacao/30000-uncategorised/90861-resolucoes-cne-ces-2021. Acesso em: 25 set. 2022.

COSTA, Francielle da Silva Mateus; MIRANDA, Anderson Fernandes de; FALEIRO, Alexandro Cézar. Utilização de mapas mentais e conceituais como ferramenta de aprendizagem significativa para o ensino de citologia. Brazilian Journal of Development, v. 8, n. 4, p. 23443-23461, 2022. Disponível em: https://ojs.brazilianjournals.com.br/ojs/index.php/BRJD/article/view/46167. Acesso em: 21 dez. 2023. DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n4-048

COSTA, Barbara Silva; ROCHA, Leonel Severo. Educação jurídica e a formação de profissionais do futuro. Curitiba: Appris, 2018.

FEFERBAUM, Marina; LIMA, Stephane H. B. Formação jurídica e novas tecnologias: relato de uma aprendizagem experiencial em direito. Revista Opinião Jurídica. Fortaleza, v. 18, n. 28, p. 145-162, 2020. DOI: https://doi.org/10.12662/2447-6641oj.v18i28.p145-162.2020. Disponível em: https://periodicos.unichristus.edu.br/opiniaojuridica/article/view/2740. Acesso em: 23 set. 2022. DOI: https://doi.org/10.12662/2447-6641oj.v18i28.p145-162.2020

FEFERBAUM, Marina; KLAFKE, Guilherme. Metodologias ativas em direito: guia prático para o ensino jurídico participativo e inovador. São Paulo: Atlas, 2021.

PEREIRA JÚNIOR, Antonio Jorge; GONDIM, Diana Moreira; PADILHA, Lara Castro; GOMES, Marília Studart Mendonça. Competências e habilidades do ensino jurídico: um resgate das aptidões do bacharel em direito do século XIX. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 12, 2020. Disponível em: https://ojs.brazilianjournals.com.br/ojs/index.php/BRJD/article/view/21238. Acesso em: 24 set. 2022. DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n12-177

KENSKI, Vani Moreira. A urgência de propostas inovadoras para a formação de professores para todos os níveis de ensino. Revista Diálogo Educacional, v. 15, n. 45, p. 423-441, jul. 2015. DOI: https://doi.org/10.7213/dialogo.educ.15.045.DS03. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/1963. Acesso em: 25 set. 2022. DOI: https://doi.org/10.7213/dialogo.educ.15.045.DS03

LÉVY, Pierre. O que é virtual? Tradução: Paulo Neves. São Paulo: Editora 34, 2011.

MASSETO, Marcos Tarciso. Competência pedagógica do professor universitário. São Paulo: Summus, 2003.

MAROCCO, Andréa de Almeida Leite. As metodologias ativas e as novas diretrizes curriculares dos cursos de direito. In: RODRIGUES, Horácio Wanderlei. Educação jurídica no século XX: novas diretrizes curriculares nacionais do curso de direito – limites e possibilidades. Florianópolis: Habitus, 2019. p. 75-104.

MELLO, Cleyson de Moraes; MARTINS, Vanderlei. Ensino jurídico. Rio de Janeiro: Processos, 2019.

MORAN, José Manuel. Metodologias ativas para uma aprendizagem profunda. In: MORAN, José Manuel; BACICH, Lilian (org.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

ABIKAIR NETO, Jorge. Educação jurídica e formação de professores. Curitiba: Juruá, 2018.

PISTONE, Michele. Law schools and technology: where we are and where are we heading. Washington: Journal of Legal Education, 2015.

SILVA, Alexandre Pacheco da; FABIANI, Emerson Ribeiro; FEFERBAUM, Marina (org.). Transformações no ensino jurídico. São Paulo: FGV Direito SP, 2021. Disponível em: https://repositorio.fgv.br/server/api/core/bitstreams/afd2bf48-fe39-4e69-b675-c488e5b75cac/content. Acesso em: 23 set. 2022.

QUEIROZ, Daiane de; TASSIGNY, Mônica Mota. Desafios e perspectivas das novas tecnologias no ensino jurídico à luz da resolução Nº 5/2018 – DCN do curso de direito. Revista Em Tempo. v. 20, n. 1, nov. 2020. ISSN 1984-7858. Disponível em: https://revista.univem.edu.br/emtempo/article/view/3198. Acesso em: 23 set. 2022.

SANTAELLA, Lúcia. Humanos Hiper-híbridos: linguagens e cultura na segunda era da internet. São Paulo: Paulus, 2021.

SILVA, Alexandre José de Carvalho. Guia prático de metodologias ativas com uso de tecnologias digitais da informação e comunicação. Lavras: Editora UFLA, 2020.

VIEIRA, Oscar Vilhena. Desafios do ensino jurídico num mundo em transição: o projeto da direito GV. In: FEFERBAUM, Marina; GHIRARDI, José Garcez (org.). Ensino do direito para um mundo em transformação. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas, 2012. p. 17-62. DOI: https://doi.org/10.12660/rda.v261.2012.8861

TASSIGNY, Monica Mota; GONDIM, Victor Sampaio. Ensino jurídico e as novas tecnologias: o que espera os futuros profissionais do direito?. Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM, Santa Maria, v. 15, n. 3, e40152, p. 1-21, 2020. DOI: https://doi.org/10.5902/1981369440152. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/revistadireito/article/view/40152. Acesso em: 21 dez. 2023. DOI: https://doi.org/10.5902/1981369440152

Downloads

Publicado

22-12-2023

Como Citar

KUNTZ, T. G.; NEUENFELDT, D. J. Google Site como recurso tecnológico na disciplina de Direito Financeiro. Revista Docência do Ensino Superior, Belo Horizonte, v. 13, p. 1–20, 2023. DOI: 10.35699/2237-5864.2023.46065. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rdes/article/view/46065. Acesso em: 27 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos