Tripla carga de doenças no Brasil, 1990-2021

Mudanças, inflexões e o fator COVID-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2022.39410

Palavras-chave:

Efeitos Psicossociais da Doença, Causas de Morte, Infecções por Coronavírus, Registros de Mortalidade, Sistemas de Informação, Vigilância em Saúde Pública

Resumo

Objetivo: descrever a evolução temporal pela tripla carga de doenças no Brasil, comparando a mortalidade do Sistema de Informação de Mortalidade (SIM) e estudo de Carga Global de Doenças (GBD). Método: estudo descritivo e exploratório sobre a evolução temporal das taxas e a distribuição proporcional de óbitos para doenças infecciosas, crônicas não transmissíveis (DCNT) e causas externas usando duas fontes de dados, 1990 a 2021. As taxas no SIM foram ajustadas pelo método direto por idade e suavizadas por média móvel. As estimativas do GBD corrigem subregistro e causas garbage. Resultados: o Brasil registrou 817.284 óbitos (1990) e 1.349.801 (2019) no SIM, corrigidos em 17,7% e 1,9% no GBD para os respectivos anos. Neste período, as taxas de mortalidade diminuíram nas duas fontes, respectivamente: DCNT -16,8% (433,7 a 360,7) e -34% (720,5 a 474,6); infeciosas -20,2% (86 para 68,6) e -57,2% (198,5 para 84,9); causas externas -17,3% (77,4 para 64) e -27% (100,9 para 73,7). O SIM mostrou redução -79,2% (138,6 para 28,8) para as taxas de causas mal definidas (CMD). Os fatores de correção do GBD foram maiores nos anos anteriores a 2005. Após 2019, as taxas de infeciosas e CMD no SIM aumentaram respectivamente 207% (68,6 para 210,7) e 30,2% (28,8 para 37,5). Conclusão: o avanço da transição epidemiológica da carga de doenças e melhoria da qualidade do dado de óbito no Brasil foram interrompidos pela COVID-19, aumentando a carga das doenças infecciosas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Malta DC, Passos VMA, Vasconcelos AMN, Carneiro M, Gomes CS, Ribeiro ALP. Disease burden in Brazil and its states. Estimates from the Global Burden of Disease Study 2019. Rev Soc Bras Med Trop. 2022[citado em 2022 mar. 16];55(suppl1):e0622. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/35107542/

Jackson D, Wenz K, Muniz M, Abouzahr C, Schmider A, Braschi MW, et al. Civil registration and vital statistics in health systems. Bull World Health Organ. 2018[citado em 2022 mar. 16];96(12):861-3. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6249696/

Omram AR. The epidemiologic transition: a theory of the epidemiology of population change. Milbank Memorial Fund Quarterly. 1971[citado em 2022 mar. 16]; 49(Part 1):509-38. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2690264/

Peixoto SV. The triple burden of health problems and the challenges for the Unified Health System. (Editorial). Ciênc Saúde Colet. 2020[citado em 2022 mar. 16];25(8):2912. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/csc/2020.v25n8/2912-2912/en/

Malta DC, Silva AG, Cardoso LSM, Andrade FMD, de Sá ACMGN, Prates EJS, et al. Doenças crônicas não transmissíveis na Revista Ciência & Saúde Coletiva: um estudo bibliométrico. Ciênc Saúde Colet. 2020[citado em 2022 mar. 3];25(12):4757-69. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-812320202512.16882020

Setel P, AbouZahr C, Atuheire EB, Bratschi M, Cercone E, Chinganya O, et al. Mortality surveillance during the COVID-19 pandemic. Bulletin of the World Health Organization 2020[citado em 2022 mar. 03];98:374. Disponível em: http://dx.doi.org/10.2471/BLT.20.263194

GBD 2019 Diseases and Injuries Collaborators. Global burden of 369 diseases and injuries in 204 countries and territories, 1990-2019: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2019. Lancet. 2020[citado em 2022 mar. 3];396(10258):1204-22. Disponível em: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)30925-9

Wang H, Abbas KM, Abbasifard M, Abbasi-Kangevari M, Abbastabar H, Abd-Allah F, et al. Global age-sex-specific fertility, mortality, healthy life expectancy (HALE), and population estimates in 204 countries and territories, 1950–2019: a comprehensive demographic analysis for the Global Burden of Disease Study 2019. Lancet. 2020[citado em 2022 mar. 3];396(10258):1160-203. Disponível em: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)30977-6

Ministério da Saúde (BR). Orientações sobre novos códigos de emergência para as causas de morte relacionadas a condições que ocorrem no contexto da COVID-19. Brasília: Ministério da Saúde; 2021[citado em 2022 fev. 23]. Disponível em: http://plataforma.saude.gov.br/cta-br-fic/novos-codigos-covid.pdf

Borges GM. Health transition in Brazil: regional variations and divergence/convergence in mortality. Cad Saúde Pública. 2017[citado em 2022 mar. 07];33(8):e00080316. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311X00080316

Malta DC, França E, Perillo DR, Salmen MC, Teixeira RA, Passos V, et al. Mortality due to noncommunicable diseases in Brazil, 1990 to 2015, according to estimates from the Global Burden of Disease study. São Paulo Medical J 2017[citado em 2022 mar. 07];135(03):213-21. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1516-3180.2016.0330050117

Luna EJA. A emergência das doenças emergentes e as doenças infecciosas emergentes e reemergentes no Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia. 2002[citado em 2022 mar. 07];5(3):229-43. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1415-790X2002000300003

Teixeira MG, Costa CNC, Paixão ES, Carmo EH, Barreto FR, Penna OP. Conquistas do SUS no enfrentamento das doenças transmissíveis. Ciênc Saúde Colet. 2018[citado em 2022 mar. 08];23(6):1819-28. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.08402018

Prata PR. A transição epidemiológica no Brasil. Cad Saúde Pública. 1992[citado em 2022 mar. 07];8(2):168-75. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-11X1992000200008

Editorial. Global Health: time for radical change? Lancet. 2020[citado em 2022 mar. 7];396(10258). Disponível em: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)32131-0

Teixeira, RA, Vasconcelos AMN, Torens A, França EB, Ishitani L, Bierrenbach AL et al. Excess Mortality due to natural causes among whites and blacks during the COVID-19 pandemic in Brazil. Rev Soc Bras MedTrop. 2022[citado em 2022 mar. 08];55(suppl 1):e0283-2021. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0037-8682-0283-2021

Coutinho RZ, Lima LC, Leocádio VA, Bernardes T. Considerações sobre a pandemia de COVID-19 e seus efeitos sobre a fecundidade e a saúde sexual e reprodutiva das brasileiras. Rev Bras Estud Popul. 2020[citado em 2022 mar. 08];37:e0130. Disponível em: https://doi.org/10.20947/S0102-3098a0130

Passos V, Brant L, Cisalpino P. Malta DC. Higher mortality during the COVID-19 pandemic in socially vulnerable areas in Belo Horizonte: implications for vaccine prioritization. Rev Bras Epidemiol. 2021[citado em 2022 mar. 08];24:e210025. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1980-549720210025

Franca EB, Cunha CC, Vasconcelos AM, Escalante JJ, Abreu DX, Lima RB, et al. Avaliação da implantação do programa "Redução do percentual de óbitos por causas mal definidas" em um estado do Nordeste do Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2014[citado em 2022 mar. 08];17(1):119-34. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1415-790X201400010010ENG

Marinho MF, França EB, Teixeira RA, Ishitani LH, Cunha CCD, Santos MRD, et al. Dados para a saúde: impacto na melhoria da qualidade da informação sobre causas de óbito no Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2019[citado em 2022 mar. 8];22(suppl 3):e19005.supl.3. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1980-549720190005.supl.3

Ministério da Saúde (BR). Manejo de corpos no contexto do novo coronavírus COVID-19. Brasília: Ministério da Saúde/Secretaria de Vigilância em Saúde; 2020. 15p [citado em 2022 mar. 08]. Disponível em: http://www.saude.gov.br/images/pdf/2020/marco/25/manejo-corpos-coronavirus-versao1-25mar20-rev5.pdf

França EB, Ishitani LH, Teixeira RA, Abreu DMX, Corrêa PRL, Marinho F, et al. Óbitos por COVID-19 no Brasil: quantos e quais estamos identificando? Rev Bras Epidemiol. 2020[citado em 2022 mar. 08];23:e200053. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1980-549720200053

Ribeiro EG, Pinheiro PS, Nascimento BR, Cacique JPP, Teixeira RA, Nascimento JS, et al. Impact of the COVID-19 pandemic on hospital admissions for cardiovascular diseases in a large Brazilian urban center. Rev Soc Bras Med Trop. 2022[citado em 2022 mar. 09];55(suppl 1):e0264-2021. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0037-8682-0264-2021

Setel P, AbouZahr C, Atuheire EB, Bratschi M, Cercone E, Chinganya O, et al. Mortality surveillance during the COVID-19 pandemic. Bull WHO. 2020[citado em 2022 mar. 09];98(6):374. Disponível em: http://dx.doi.org/10.2471/BLT.20.263194

Mikkelsen L, Phillips DE, AbouZahr C, Setel PW, de Savigny D, Lozano R, et al. A global assessment of civil registration and vital statistics systems: monitoring data quality and progress. Lancet. 2015[citado em 2022 mar. 09];386(10001):1395-406. Disponível em: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(15)60171-4

Setel P, AbouZahr C, Atuheire EB, Bratschi M, Cercone E, Chinganya O et al. Mortality surveillance during the COVID-19 pandemic. Bulletin of the World Health Organization 2020[citado em 2022 mar. 3];98:374. Disponível em: http://dx.doi.org/10.2471/BLT.20.263194

GBD 2019 Diseases and Injuries Collaborators. Global burden of 369 diseases and injuries in 204 countries and territories, 1990-2019: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2019. Lancet. 2020[citado em 2022 mar. 3];396(10258):1204-22. Disponível em: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)30925-9

Wang H, Abbas KM, Abbasifard M, Abbasi-Kangevari M, Abbastabar H, Abd-Allah F, et al. Global age-sex-specific fertility, mortality, healthy life expectancy (HALE), and population estimates in 204 countries and territories, 1950–2019: a comprehensive demographic analysis for the Global Burden of Disease Study 2019. The Lancet. 2020[citado em 2022 mar. 3];396(10258):1160-203. Disponível em: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)30977-6

Brasil. Ministério da Saúde. Orientações sobre novos códigos de emergência para as causas de morte relacionadas a condições que ocorrem no contexto da COVID-19. Brasília: Ministério da Saúde, 2021[Citado em 2022 fev. 23]. Disponível em: http://plataforma.saude.gov.br/cta-br-fic/novos-codigos-covid.pdf

Borges GM. Health transition in Brazil: regional variations and divergence/convergence in mortality. Cadernos de Saúde Pública. 2017[citado em 2022 mar. 7];33(8):e00080316. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311X00080316

Malta DC et al. Mortality due to noncommunicable diseases in Brazil, 1990 to 2015, according to estimates from the Global Burden of Disease study. São Paulo Medical Journal [online]. 2017[citado em 2022 mar. 7];135(03):213-221. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1516-3180.2016.0330050117

Luna EJA. A emergência das doenças emergentes e as doenças infecciosas emergentes e reemergentes no Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia. 2002[citado em 2022 mar. 7];5(3):229-243. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1415-790X2002000300003

Teixeira MG, Costa CNC, Paixão ES, Carmo EH, Barreto FR, Penna OP. Conquistas do SUS no enfrentamento das doenças transmissíveis. Ciência & Saúde Coletiva. 2018[citado em 2022 mar. 8];23(6):1819-1828. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.08402018

Prata PR. A transição epidemiológica no Brasil. Cadernos de Saúde Pública. 1992[citado em 2022 mar. 7];8(2):168-175. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-11X1992000200008

Editorial. Global Health: time for radical change? The Lancet, 2020[citado em 2022 mar. 7];396(10258). Disponível em: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)32131-0

Teixeira, RA, Vasconcelos AMN, Torens A, França EB, Ishitani L, Bierrenbach AL et al. Excess Mortality due to natural causes among whites and blacks during the COVID-19 pandemic in Brazil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2022[citado em 2022 mar. 8];(suppl 1):e0283-2021. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0037-8682-0283-2021

Coutinho RZ, Lima LC, Leocádio VA, Bernardes T. Considerações sobre a pandemia de COVID-19 e seus efeitos sobre a fecundidade e a saúde sexual e reprodutiva das brasileiras. Revista Brasileira de Estudos de População. 2020[citado em 2022 mar. 8];37:e0130. Disponível em: https://doi.org/10.20947/S0102-3098a0130

Passos V, Brant L, Cisalpino P. Malta DC. Higher mortality during the COVID-19 pandemic in socially vulnerable areas in Belo Horizonte: implications for vaccine prioritization. Rev Bras Epidemiol. 2021[citado em 2022 mar. 8];24:e210025. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1980-549720210025

Franca EB, da Cunha CC, Vasconcelos AM, Escalante JJ, de Abreu DX, de Lima RB, et al. Avaliação da implantação do programa "Redução do percentual de óbitos por causas mal definidas" em um estado do Nordeste do Brasil. Rev. bras. epidemiol. 2014[citado em 2022 mar. 8];17(1):119-34. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1415-790X201400010010ENG

Marinho MF, França EB, Teixeira RA, Ishitani LH, Cunha CCD, Santos MRD, et al. Dados para a saúde: impacto na melhoria da qualidade da informação sobre causas de óbito no Brasil. Rev. bras. epidemiol. 2019[citado em 2022 mar. 8];22(suppl 3):e19005.supl.3. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1980-549720190005.supl.3

Brasil. Ministério da Saúde. Manejo de corpos no contexto do novo coronavírus COVID-19. Brasília: Ministério da Saúde/Secretaria de Vigilância em Saúde; 2020. 15p [citado em 2022 mar. 8]. Disponível em: http://www.saude.gov.br/images/pdf/2020/marco/25/manejo-corpos-coronavirus-versao1-25mar20-rev5.pdf

França EB, Ishitani LH, Teixeira RA, Abreu DMX, Corrêa PRL, Marinho F et al. Óbitos por COVID-19 no Brasil: quantos e quais estamos identificando? Rev. bras. epidemiol. 2020[citado em 2022 mar. 8];23:e200053. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1980-549720200053

Ribeiro EG et al. Impact of the COVID-19 pandemic on hospital admissions for cardiovascular diseases in a large Brazilian urban center. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2022[citado em 2022 mar. 9];55(suppl 1):e0264-2021. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0037-8682-0264-2021

Setel P, AbouZahr C, Atuheire EB, Bratschi M, Cercone E, Chinganya O et al. Mortality surveillance during the COVID-19 pandemic. Bulletin of the World Health Organization. 2020[citado em 2022 mar. 9];98(6):374. Disponível em: http://dx.doi.org/10.2471/BLT.20.263194

Mikkelsen L, Phillips DE, AbouZahr C, Setel PW, de Savigny D, Lozano R, et al. A global assessment of civil registration and vital statistics systems: monitoring data quality and progress. Lancet. 2015[citado em 2022 mar. 9];386(10001):1395-406. Disponível em: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(15)60171-4

Arquivos adicionais

Publicado

21-12-2022

Como Citar

1.
Filho AMS, França GVA de, Malta DC. Tripla carga de doenças no Brasil, 1990-2021: Mudanças, inflexões e o fator COVID-19. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 21º de dezembro de 2022 [citado 4º de fevereiro de 2023];26. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/39410

Edição

Seção

Pesquisa