A permanência da família no centro de terapia intensiva pediátrica oncológica: percepção da enfermagem

Autores

  • Cristineide dos Anjos Universidade Federal Fluminense - UFF, Niterói RJ , Brasil, Universidade Federal Fluminense - UFF, Enfermagem. Niterói, RJ - Brasil http://orcid.org/0000-0002-4614-3088
  • Fatima Helena do Espirito Santo Universidade Federal Fluminense, Programa de Pós-Graduação, Niterói RJ , Brasil, UFF. Enfermagem, Programa de Pós-Graduação. Niterói, RJ - Brasil http://orcid.org/0000-0003-4611-5586
  • Liliane Faria da Silva Universidade Federal Fluminense, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Psiquiátrica, Niterói RJ , Brasil, UFF, Enfermagem, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Psiquiátrica. Niterói, RJ - Brasil http://orcid.org/0000-0002-9125-1053
  • Sonia Regina de Souza Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO, Rio de Janeiro RJ , Brasil, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO. Rio de Janeiro, RJ - Brasil http://orcid.org/0000-0001-7981-0038
  • Cecilia Maria Izidoro Pinto Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Rio de Janeiro RJ , Brasil, Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ. Rio de Janeiro, RJ - Brasil http://orcid.org/0000-0003-2433-2811
  • Eny Dórea Paiva Universidade Federal Fluminense, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Psiquiátrica, Niterói RJ , Brasil, UFF, Enfermagem, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Psiquiátrica. Niterói, RJ - Brasil http://orcid.org/0000-0002-4338-5516

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2019.49791

Palavras-chave:

Família, Enfermagem Oncológica, Criança, Neoplasias, Unidade de Terapia Intensiva

Resumo

Objetivo: identificar a percepção da equipe de Enfermagem a respeito dos limites e possibilidades da presença do familiar no cuidado à criança em centro de terapia intensiva pediátrica oncológica. Método: estudo qualitativo, do tipo estudo de caso, realizado entre setembro e novembro de 2014, com 25 membros da Enfermagem, por meio de entrevista semiestruturada em um centro de terapia intensiva pediátrica oncológica de um hospital público do Rio de Janeiro. Dados submetidos à análise de conteúdo categorial. Resultados: a equipe percebe que, em algumas situações, a permanência do familiar traz dificuldades para o seu trabalho, porém, entende que também é essencial para o cuidado, pois oferece companhia e transmite confiança para a criança. Conclusão: o cuidado compartilhado entre a equipe de Enfermagem e a família representa contínua negociação, troca de experiências e viabiliza o cuidado à criança com câncer no centro de terapia intensiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Instituto Nacional do Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2018: Incidência, mortalidade e morbidade hospitalar por câncer em crianças, adolescentes e adultos jovens no Brasil: informações dos registros de câncer e do sistema de mortalidade / Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Rio de Janeiro: INCA; 2017[citado em 2018 jan. 08];128p. Disponível em: http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/estimativa-2018.pdf

Teixeira RP, Ramalho WS, Fernandes ICF, Salge AKM, Barbosa MA, Siqueira KM. A família da criança com câncer: percepções de profissionais de Enfermagem atuantes em oncologia pediátrica. Ciênc Cuid Saúde. 2012[citado em 2017 jan. 11];11(4):784-91. Disponível em: http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v11i4.21661

Duarte MLC, Zanini LN, Nedel MNB. O cotidiano dos pais de crianças com câncer e hospitalizadas. Rev Gaúcha Enferm. 2012[citado em 2017 mai. 20];33(3):111-8. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v33n3/15.pdf

Silveira AO, Ângelo M, Martins SR. Doença e hospitalização da criança: identificando as habilidades da família. Rev Enferm UERJ. 2008[citado em 2017 fev. 10];16(2):212-7. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v16n2/v16n2a12.pdf

Cheregatti AL, Amorim CP. Enfermagem. Unidade de Terapia Intensiva. São Paulo: Martinari; 2011.

Morais GSN, Costa SFG. Experiência existencial de mães de criança hospitalizadas em Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica. Rev Esc Enferm USP. 2009[citado em 2017 fev. 15];43(3):639-46. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v43n3/a20v43n3

Ministério da Saúde (BR). Lei no 8.069, de 13de julho de 1990. Dispõe sobre o estatuto da criança e do adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 16 jul. 1990. Seção 1.[citado em 2017 fev. 15]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm

Minayo MCS. O Desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14ª ed. São Paulo: Editora Hucitec; 2014.

Yin RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman; 2015.

Bardin L. Análise de Conteúdo. 5ª ed. Lisboa: Edições 70; 2010.

Tong A, Sainsbury P, Craig J. Consolidated criteria for reporting qualitative research (COREQ): a 32-item checklist for interviews and focus groups. Int J Qual Health Care. 2007[citado em 2018 maio 10];19(6):349-57. Disponível em: https://academic.oup.com/intqhc/article/19/6/349/179196612

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília: Ministério da Saúde; 2012[citado em 2017 jan. 10]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Marques CDC, Lima MF, Malaquias TSM, Waidman MAP, Higarashi IH. O cuidador familiar da criança hospitalizada na visão da equipe de Enfermagem. Ciênc Cuid Saúde. 2014[citado em 2017 jan. 18];13(3):541-8. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v11n3/v11n3a07.pdf

Matos JC, Rodrigues MC, Borges MS, Henriques MV, Lima RR. Cultura de segurança do paciente no cuidado em saúde: análise reflexiva. Rev Enferm UFPE On-line. 2016[citado em 2018 jan. 19];10(6):2223-9. Disponível em: 10.5205/relou.9199-80250-1-SM1006201638

Melo EMOP, Ferreira PL, Lima RAG, Mello DF. Envolvimento dos pais nos cuidados de saúde de crianças hospitalizadas. Rev Latino-Am Enferm. 2014[citado em 2018 jan. 20];22(3):432-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v22n3/pt_0104-1169-rlae-22-03-00432.pdf

Molina RCM, Varela PLR, Castilho SP. Presença da família nas unidades de terapia intensiva pediátrica e neonatal: visão da equipe multidisciplinar. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2007[citado em 2018 mar. 20];11(3):437-44. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v11n3/v11n3a07.pdf

Romaniuk D, O’Mara L, Akhtar-Danesh N. Are parents doing what they want to do? Congruency between parents’ actual and desired participation in the care of their hospitalized child. Issues Compr Pediatr Nurs. 2014[citado em 2018 mar. 18];37(2):103-21. Disponível em: http://www.tandfonline.com/doi/full/10.3109/01460862.2014.880532?scroll=top&needAccess=true

Quirino DD, Collet N, Neves AFGB. Hospitalização infantil: concepções da Enfermagem acerca da mãe acompanhante. Rev Gaúcha Enferm. 2010[citado em 2018 jan. 22];31(2):300-6. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v31n2/14.pdf

Ribeiro JP, Thofehrn MB, Gomes GC, Mota MS, Cardoso LS, Cecagno S. Criança, hospitalizada: perspectivas para o cuidado compartilhado entre Enfermagem e família. Rev Enferm UFSM. 2017[citado em 2018 mar. 20];7(3):350-62. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/26333/pdf

Gomes GC, Erdmann AL. O cuidado compartilhado entre a família e a Enfermagem à criança no hospital: uma perspectiva para a sua humanização. Rev Gaúcha Enferm. 2005[citado em 2017 fev. 15];26(1):20-30. Disponível em: file:///C:/Users/Cris/Downloads/4537-14535-1-PB%20(6).pdf

Chagas MCS, Gomes GC, Pereira FW, Diel PKV, Farias DHR. Significado atribuído pela família ao cuidado da criança hospitalizada. Av Enferm. 2017[citado em 2018 mar. 26];35(1):7-18. Disponível em: http://revistas.unal.edu.co/index.php/avenferm/article/view/42466/59668

Collet N, Rocha SMM. Criança hospitalizada: mãe e Enfermagem compartilhando o cuidado. Rev Latino-Am Enferm. 2004[citado em 2017 jan. 15);12(2):191-7. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-11692004000200007&script=sci_abstract&tlng =pt

Silveira RS, Lunardi VL, Lunardi Filho WD, Oliveira AMN. Uma tentativa de humanizar a relação da equipe de Enfermagem com a família de pacientes internados na UTI. Texto Contexto Enferm. 2005[citado em 2017 dez. 11];14:125-30. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v14nspe/a15v14nspe.pdf

Rodrigues PF, Amador D, Silva KL, Reichert APS, Collet N. Interação entre equipe de Enfermagem e família na percepção dos familiares de crianças com doenças crônicas. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2013[citado em 2017 mar. 17];17(4):781-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v17n4/1414-8145-ean-17-04-0781.pdf

Publicado

01-08-2019

Como Citar

1.
Anjos C dos, Santo FH do E, Silva LF da, Souza SR de, Pinto CMI, Paiva ED. A permanência da família no centro de terapia intensiva pediátrica oncológica: percepção da enfermagem. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 1º de agosto de 2019 [citado 27º de maio de 2024];23(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49791

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)