Escala preditiva de complicações da hipertensão: validade de conteúdo e aparência

Autores

  • Ângela Taís Mattei da Silva Universidade Federal do Paraná, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Curitiba PR , Brazil, Enfermeira. Doutoranda. Universidade Federal do Paraná - UFPR, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Curitiba, PR - Brasil, Universidade Federal do Paraná
  • Maria de Fátima Mantovani UFPR, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Curitiba PR , Brazil, Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Professora Associada. UFPR, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Curitiba, PR - Brasil, Universidade Federal do Paraná
  • Simone de Godoy Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Departamento de Enfermagem Geral e Especializada, Ribeirão Preto SP , Brazil, Enfermeira. Doutora em Ciências. Professora. Universidade de São Paulo - USP, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da - EERP, Departamento de Enfermagem Geral e Especializada. Ribeirão Preto, SP - Brasil, Universidade de São Paulo
  • Luciana Puchalski Kalinke UFPR, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Curitiba PR , Brazil, Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Professora. UFPR, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Curitiba, PR - Brasil, Universidade Federal do Paraná
  • Elis Martins Ulbrich UFPR, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Curitiba PR , Brazil, Enfermeira. Doutora em Enfermagem. UFPR, Programa de Pós-graduação em Enfermagem. Colaboradora Técnica no Grupo de Estudo Multiprofissional em Saúde do Adulto - GEMSA. Curitiba, PR - Brasil, Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2017.49886

Palavras-chave:

Estudos de Validação, Enfermagem, Doença Crônica, Hipertensão

Resumo

Trata-se de pesquisa metodológica de natureza quantitativa que utilizou a técnica Delphi com o objetivo de validar o conteúdo e a aparência de uma escala de predição para complicações da hipertensão com ações para o gerenciamento do cuidado. A coleta de dados ocorreu no período de fevereiro a julho de 2015, em duas rodadas de questionários via Google Docs® e uma reunião de consenso. Os participantes foram mestres e doutores experts em hipertensão arterial sistêmica. Os dados foram analisados por meio de estatística descritiva e pelo índice de validade de conteúdo. Na primeira rodada do processo de validação, 15 (47%) participantes eram mestres, 17 (53%) doutores e a concordância entre eles sobre os itens da escala foi de 87%; na segunda participaram 13 (50%) mestres, 13 (50%) doutores e a concordância aumentou para 98%. Na reunião de consenso, seis experts discutiram as sugestões fornecidas na segunda rodada. Concluiu-se que a escala de predição para complicações da hipertensão com ações para o gerenciamento de cuidado mostrou evidências de validade de conteúdo, indicando que pode ser utilizada para medir o risco do desenvolvimento de complicações e fornecer ações que possibilitem o gerenciamento do cuidado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Malachias MVB, Souza WKSB, Plavnik FL, Rodrigues CIS, Brandão AA, Neves MFT, AbreItalicoet al.FechaItalico 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol. 2016[citado em 2016 nov. 05);107(3Supl.3):1-83. Disponível em: http://publicacoes.cardiol.br/2014/diretrizes/2016/05_HIPERTENSAO_ARTERIAL.pdf

Sosa, JC, Herrera KM, Galán LM, AbreItalicoet al.FechaItalico Current clinical aspects of ambulatory blood pressure monitoring. Arch Cardiol Mex. 2016[citado em 2016 nov. 03];86(3):255-9.Disponível em: http://www.elsevier.es/es-revista-archivos-cardiologia-mexico-293-linkresolver-aspectos-clinicos-actuales-del-monitoreo-S1405994015001342

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica. Brasília: MS, 2013.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigitel Brasil 2013: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: MS ; 2014.

Ministério da Saúde (BR). Departamento de Atenção Básica. Área Técnica de Diabetes e Hipertensão Arterial Hipertensão arterial sistêmica (HAS) e Diabetes mellitus (DM): protocolo. Brasília: MS ; 2001.

Ulbrich EM, Mantovani MF, Mattei, AT, Mansano LMM, Arthur JP, Souza TTS. Proposal of a scale with predictive factors of complications arising from systemic arterial hypertension and actions for management of care. Athens J Health. 2016[citado em 2016 nov. 05];X(Y):1-10. Disponível em: http://www.athensjournals.gr/health/2015-1-X-Y-Ulbrich.pdf

Castro AV, Rezende M. A Técnica Delphi e seu uso na pesquisa de enfermagem: revisão bibliográfica. REME - Rev Min Enferm. 2009[citado em 2015 nov. 15];13(3):429-34. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/209

Fehring RJ. Methods to validate nursing diagnoses. Heart and Lung. 1987[citado em 2015 ago. 12];16(6):625-9. Disponível em: http://epublications.marquette.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1026&context=nursing_fac

Alexandre NMC, Coluci MZO. Content validity in the development and adaptation processes of measurement instruments. Ciênc Saúde Coletiva. 2011[citado em 2016 out. 25];16(7):3061-8. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v16n7/06.pdf

Veras RFS, Oliveira JS. Aspectos sócio-demográficos que influenciam na adesão ao tratamento anti-hipertensivo. Rev RENE. 2009[citado em 2015 mar. 15];10(3):132-8. Disponível em: http://www.revistarene.ufc.br/revista/index.php/revista/article/view/550/pdf

Paim CP, Azzolin KO, Moraes MAP. Chest pain in acute myocardial infarction among diabetic and non-diabetic patients. Rev Bras Enferm. 2012[citado em 2015 maio 05];65(1):77-82. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v65n1/11.pdf

Fonseca AM, Silva RL, Moura JP, Rossi VEC, Souza NR, AbreItalicoet al.FechaItalico Acute myocardial infarction: surveying on its occurrence in men cared from 2008-2012 in an urgency and emergency ward in Passos - MG. Ciênc Praxis. 2013[citado em 2015 maio 04];6(12):29-34. Disponível em: http://www.edifesp.fespmg.edu.br/index.php/scientae/article/view/60/76

Giorgi MA. Cigarette smoking, arterial hypertension, and renal disease. Rev Hipert. 2010[citado em 2015 abr. 04];13(4):256-60. Disponível em: http://www.sbh.org.br/pdf/revista_hipetensao_4_2010.pdf

Sahin U. The effect of cigarette smoking on blood pressure and hypertension. ABCmed. 2013[citado em 2015 maio 04];1(1):8-15. Disponível em: http://journals.aiac.org.au/index.php/ABCMED/article/view/636

Abrahm SB, Sathya GR. Determinants of patient’s adherence to hypertension medications in a rural population of Kancheepuram District in Tamil Nadu, South India. Indian J Community Med. 2015[citado em 2015 abr. 25];40(1):33-7. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25657510

Colósimo FC, Silva SSBE, Toma GA, Pierin AMG. Nursing actions increases the control of hypertensive patients and reduces white-coat effect. Rev Esc Enferm USP. 2012[citado em 2015 set. 22];46(esp):10-5. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342012000700002

Reiners OAA, Seabra, FMF, Azevedo RCS, Sudré MRS, Duarte SJH. Adesão ao tratamento de hipertensos da atenção básica. Ciênc Cuid Saúde. 2012[citado em 2015 maio 15];11(3):581-7. Disponível em: http://eduem.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/viewFile/16511/pdf

Andrade, SM, Cabrera MAS, Matsuo T. Adesão ao tratamento farmacológico e não farmacológico e fatores associados na atenção primária da hipertensão arterial. Ciênc Saúde Coletiva. 2013[citado em 2015 out. 12];18(6):1763-72. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232013000600027&lng=pt

Ferreira EAP. Fatores emocionais, qualidade de vida e adesão ao tratamento em adultos com diabetes tipo 2. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2011[citado em 2015 abr. 25];21(3):867-77. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12822011000300013&lng=pt&nrm=iso

Stein DJ, Myer L. The association between hypertension and depression and anxiety disorders: results from a nationally-representative sample of South African adults. Plos One. 2009[citado em 2015 abr. 23];4(5):1-9. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2678252/pdf/pone.0005552.pdf

Bautista LE, Cala LM, Smith P. Symptoms of depression and anxiety and adherence to antihypertensive medication. Am J Hypertens. 2012[citado em 2015 abr 25];25(4):505-11.Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3588114/

Ministério da Saúde (BR). Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica. Brasília (DF): MS; 2014.

Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília (DF): OPAS; 2012.

Carvalho AKM, Abreu RNMC, Moreira TMM, Diógenes MAR, Abreu AAC, Souza ACC, AbreItalicoet al.FechaItalico Hypertensive patients’s perception on nurse visiting through the family health program. REME - Rev Min Enferm. 2011[citado em 2015 maio 13];15(3):341-7. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/43

Mendonça LBA, Lima FET, Oliveira SKP. Acidente vascular encefálico como complicação da hipertensão arterial: quais são os fatores intervenientes? Esc Anna Nery Rev Enferm. 2012[citado em 2015 abr. 28];16(2):340-6. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v16n2/19.pdf

Publicado

03-08-2017

Como Citar

1.
Silva Ângela TM da, Mantovani M de F, Godoy S de, Kalinke LP, Ulbrich EM. Escala preditiva de complicações da hipertensão: validade de conteúdo e aparência. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 3º de agosto de 2017 [citado 15º de junho de 2024];21(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49886

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.