Rede de proteção contra a violência na infância à luz dos conceitos de Capra

Autores

  • Ana Paula Pereira Fernandes Almirante TamandaréPR, Prefeitura de Almirante Tamandaré, Brasil
  • Verônica de Azevedo Mazza CuritibaPR, Universidade Federal do Paraná, Programa de Pós Graduação em Enfermagem , Brasil
  • Maria Helena Lenardt CuritibaPR, UFPR, Programa de Pós Graduação em Enfermagem , Brasil

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2013.50193

Palavras-chave:

Teoria de Sistemas, Apoio Social, Violência, Saúde da Criança, Enfermagem

Resumo

Objetiva-se com este artigo refletir sobre a rede de proteção contra a violência na infância à luz do conceito de redes do físico teórico Fritjof Capra. As redes são sistemas vivos que só podem ser compreendidos numa perspectiva sistêmica. Surgem como potenciais de atuação para o enfrentamento e prevenção de agravos e promoção da saúde infantil, pois mobilizam a prática de diversos setores da sociedade na defesa dos direitos da criança, com ações integrais. Para tanto, é necessário o entendimento de conceitos que permitam a dinamicidade, a flexibilidade e a não hierarquização desse trabalho, ampliando, desta forma, as ações frente à complexidade da violência. Compreender os processos de atuação em redes, seus objetivos e potencial pode permitir aos profissionais de saúde identificá-las, compor, apoiar ou compartilhar conhecimentos a fim de fortalecer suas práticas para um cuidado com olhar ampliado nas interconexões sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Lisboa MTL, Moura FJM, Reis LD. Violência do cotidiano e no trabalho

de enfermagem: apreensões e expectativas de alunos de um curso de

graduação em enfermagem do Rio de Janeiro. Esc Anna Nery R Enferm. 2006

abr; 10(1):81-6.

Waiselfisz JJ. Centro Brasileiro de Estudos Latino americanos. Mapa da violência

Crianças e adolescentes do Brasil. Rio de Janeiro: Cebela; 2012. 84 p.

Brasil. Sistema de Informação para a Infância e Adolescência (SIPIA/BRASIL).

Presidência da República. Dados Epidemiológicos da Violência- Módulo

Conselho Tutelar. Brasil. [Citado em 2012 nov. 01]. Disponível em: http://

www.sipia.gov.br/CT/?x=-SrZYqUJ26rxHmo HBbG0Cg/.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de

Atenção Básica. Por uma cultura da paz, a promoção da saúde e a prevenção da

violência. Série F: Comunicação e Educação em Saúde. Brasília; MS; 2009. 44 p.

Lima MADS, Ruckert TR, Santos JLG, Colomé ICS, Acosta AM. Atendimento

aos usuários em situação de violência: concepções dos profissionais de

unidades básicas de saúde. Rev Gaúcha Enferm. 2009; 30:625-32.

Deslandes SF, Assis SG, Santos NC. Violência envolvendo crianças no Brasil:

um plural estruturado e estruturante. In: Impacto da violência na saúde dos

brasileiros. Brasília: Secretaria de Vigilância em Saúde/Ministério da Saúde;

p. 43-77, 2005.

Vendruscolo TS, Ferriani MGC, Silva MAI. Public care policies for child and

adolescent victms of domestic violence. Rev Latinoam Enferm. 2007; 15(n.

esp):812-9.

Mascarenhas MDM, Malta DC, Silva MMAS, Lima CM, Carvalho MGO,

Oliveira VLA. Violência contra a criança: revelando o perfil dos atendimentos

em serviços de emergência, Brasil, 2006 e 2007. Cad Saude Publica. 2010;

:347-57.

Capra F. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos seres vivos. São

Paulo: Cultrix; 2006.

Capra F. As conexões ocultas: ciência para uma vida sustentável. São Paulo:

Cultrix; 2005.

Gomes R, Minayo MCS, Assis SG, Njaine K, Schenker M. Êxitos e limites na

prevenção da violência: estudo de caso de nove experiências brasileiras.

Ciênc Saude Coletiva. 2007; 11(Sup):1291-302.

Oliveira BRG, Thomazine AM, Bittar DB, Santos FL, Silva LMP Santos RLR.

A violência intrafamiliar contra a criança e o adolescente: o que nos mostra

a literatura nacional. REME - Rev Min Enferm. 2008 out/dez; 12(4):547-56.

Martinho C. Rede: uma introdução às dinâmicas da conectividade

e da autoorganização. Brasil: WWF – Brasil; 2003. [Citado em 2013

fev. 12]. Disponível em: http://www.wwf.org.br/informacoes/index.

cfm?uNewsID=3960#

Castells M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra; 2008.

Habigzang LF, Azevedo GA, Koller SH. Fatores de risco e de proteção na rede

de atendimento a crianças e adolescentes vítimas de violência sexual. Psicol

Reflex Crit. 2006; 19:379-86.

Njaine K, Assis SG, Gomes R, Minayo MCS. Redes de prevenção à violência:

da utopia à ação. Cienc Saude Coletiva. 2007; 11(sup):1313-22.

Martins PH, Fontes B. Redes sociais e saúde: novas possibilidades teóricas.

Recife: Universitária da UFPE; 2008.

Publicado

01-12-2013

Como Citar

1.
Fernandes APP, Mazza V de A, Lenardt MH. Rede de proteção contra a violência na infância à luz dos conceitos de Capra. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 1º de dezembro de 2013 [citado 15º de junho de 2024];17(4). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/50193

Edição

Seção

Artigo Reflexivo/Ensaio

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)